Pôneis e suas principais frases

Créditos pelas frases:

Celestia – Augusto Cury

Luna – Rachel Prado Corrêa

Demais frases – Drason

Anúncios

Quer ser minha mãe?

Autor: Twifi

Tradução: Drason

SINOPSE: Spike não queria nada além de um natal perfeito, mas como único dragão na família, ele sempre se sentia isolado nessa época do ano. Para consertar isso, ele teve a ideia de comprar um presente de natal para Twilight e aproveitar a oportunidade para pedir uma coisa importante a ela, algo que ele queria pedir há muito tempo. No entanto, um acidente poderia arruinar seus planos.

Eu estava enrolado em um daqueles casacos espalhafatosos que Rarity havia feito para mim. Ele era vermelho e pesado – eu parecia engraçado nele, especialmente com o chapéu que veio junto, “festivo” foi a palavra usada por Rarity. Combinava com o casaco, e tinha pequenas esmeraldas bordadas nele. Digamos que as joias o tornava mais dracônico, certo?

Eu nunca gostei muito do frio, mas normalmente podia tolerar. No entanto, o inverno desse ano estava mais gelado do que o normal; o bastante para um dragão. Tenho sido devoto em ficar dentro de casa neste inverno, mas Twilight me incentivava a sair do castelo com a promessa de experimentar a melhor cidra na cidade. E provavelmente Twilight estava certa, uma vez que a referida cidra era feita pela família Apple.

Enquanto eu me sentava nas costas de Twilight com a minha calda congelando, balançando suavemente para trás e para frente com o ritmo dos passos de Twilight, eu percebi que aceitei a proposta dela rápido demais. Cidra realmente valia a pena… e minha cama quente? Era para eu estar nela ensaiando um discurso para Twilight, e tentar encontrar o presente perfeito para ela nesse natal.

Eu tenho adiado por muito tempo uma coisa que queria dizer. Hoje teria sido ideal se Twilight não insistisse em correr por toda a cidade comprando e entregando presentes, que ela tem feito durante toda a semana. Como Princesa da Amizade, ela sentia a necessidade de entregar presentes significativos para todas as suas amigas, bem como qualquer outro que tenha sido importante em sua vida. Me pergunto o que ela comprou para mim.

Eu me arrastava nas costas de Twilight, passando os braços em volta de seu pescoço, me mantendo no lugar. Seu pescoço esticava, enquanto ela virava a cabeça tentando olhar para mim.

“Spike? O que está fazendo?” Ela perguntava animada, mas um pouco preocupada.

“T-tentando me manter aq-quecido,” Eu respondia, enquanto tentava virar a cabeça com minhas garras dormentes. Eu movia minha face diretamente atrás da cabeça dela para bloquear a mordida amarga do vento gelado.

“Oh, Spike,” Twilight ria. “É muito frio mesmo para um pônei. Mas não se preocupe, a cidra de maçã quente da Applejack irá aquecê-lo”, dizia Twilight com confiança. “Eu só vou ter que fazer uma rápida parada na loja do Senhor Stirling.”

Mesmo que Stirling fosse uma das lojas mais incomuns na cidade, ela certamente tinha uma coisa que me interessava muito. Calor.

A loja do Senhor Stirling geralmente era especializada em prata e coisas feitas de prata, mas também vendia uma variedade de artefatos raros, tais como bolas de cristal, talismãs, placas com pinturas artísticas, pinturas raras, e por aí vai. Uma vez Rarity encontrou algumas peças raras de seda nessa loja, e Rainbow Dash uma velha insígnia em forma de medalha desgastada que pertencia aos Wonderbolts. Scootaloo estava olhando um modelo clássico de scooter na vitrine há algumas semanas. Mal sabia a pegasus laranja, que Rainbow Dash comprou para ela. Eu adoraria ver a expressão em seu rosto.

O barulho suave de um sino que tocava ao abrir a porta da loja significava apenas uma coisa… e antes que eu percebesse, já estava cheio de ar quente. Ignorando todos os itens da loja, eu saltava das costas de Twilight, desabotoando o casaco e o deixando cair no chão atrás de mim. Eu corria por toda a loja tão rápido quanto minhas pernas dormentes poderiam se mover para aquece-las.

“Bom dia, Senhor Stirling – Spike, o que você está fazendo?”

“Oh calor, glorioso calor.” Eu ouvia Twilight rir um pouco: provavelmente pelo quão ridículo eu parecia.

“Desculpe quanto a ele. Dragões, você sabe como é…” Twilight dizia.

“Sem problemas Princesa. Como posso ajuda-la?” Senhor Stirling perguntava, como se nada de anormal estivesse acontecendo.

“Eu estou procurando um presente para uma amiga. Ela é bem especial e tem um olho para coisas boas.”

Twilight e Senhor Stirling continuavam conversando sobre que tipos de joias Rarity gostaria, ou qualquer coisa assim, eu realmente nem estava escutando. Já tinha escolhido o presente perfeito para Rarity, uma das melhores gemas do meu esconderijo secreto. Eu tive que resistir à tentação de devorá-lo, mas só de imaginar a reação dela sei que o sacrifício valeria a pena.

Sorrindo para mim mesmo, eu andava ao redor da loja olhando as prateleiras. A maioria delas estavam vazias, e os objetos que estavam lá realmente não me chamavam muito a atenção. Então eu vi um chamativo abridor de correspondência e envelopes. Parecia uma pequena espada; ele tinha pequenas pedras preciosas sobre o punho que brilhavam com a luz. Eu tive que desviar meu olhar para longe dele, enquanto meu estômago roncava e minha boca encharcava.

Vi também um pequeno livro em uma prateleira adjacente. Talvez fosse apenas força do hábito, devido a conviver com Twilight, mas eu não sei porque ainda caminhava para dar uma olhada melhor em um livro.

Ele parecia velho e desgastado, mas alguma coisa parecia familiar sobre a capa. A imagem estava desbotada, e parecia redigido com a antiga escrita de Equestria. Cada página estava irregular e amarelada com o tempo. Isso é algo que Twilight acharia interessante. Ela provavelmente poderia passar dias lendo este livro, e então iria ler outros livros para tentar aprender a história deste aqui.

História … é isso! Este é um livro muito velho chamado Equestria: Uma Breve História. Eu sabia que a imagem na capa me parecia familiar. Twilight tinha uma cópia dele e estava chateada por ter perdido há muito tempo, já que sua cópia foi dada a ela por Celestia.

“Twi…” Eu começava, mas parando em seguida. Ao invés de dizer a ela que o livro estava aqui, eu voltava atrás e decidi adquiri-lo como presente para ela. Ela ficaria tão contente.

“Sim?” Twilight respondia, olhando por cima do ombro enquanto levitava um pequeno colar de prata.

“Oh…um, apenas querendo saber se você já fez as compras, mas vejo que ainda não,” Eu dizia um pouco rápido.

“Apenas mais uns minutos…” Twilight franzia, enquanto continuava me olhando. Eu não gostava daquele olhar, era como se ela soubesse que eu estava tramando alguma coisa. “Por que repentinamente você ficou tão interessado em ir lá fora Spike?

“Nada demais. Apenas quero um pouco de cidra, você realmente falou tudo.” Eu dizia, tentando manter o mesmo tom. No entanto, não era suficiente para escapar daquele olhar: aquele com uma sobrancelha levantada.

Depois do que parecia ser uma eternidade esperando, ela voltava sua atenção novamente para o Senhor Stirling. “Isto é elegante, muito simples. Acho que será perfeita para minha amiga.”

“Certamente, excelente escolha, Princesa!” Senhor Stirling dizia. Ele pegava o pequeno colar de Twilight e o colocava em uma bela caixa ornamentada.

Agora que Twilight estava distraída novamente, eu me voltava para o livro. Precisava descobrir o preço dele, mas aparentemente não tinha etiqueta. E eu sei o que Twilight dizia sobre ter que perguntar o preço de alguma coisa…

Mas não me importava se tivesse que gastar todas as minhas gemas neste livro, Twilight merecia ele, e seria também a oportunidade perfeita para dizer a ela.

“Venha Spike. Vamos buscar algumas cidras com Applejack,” Twilight dizia, enquanto levitava um presente embrulhado e colocava dentro de seu alforje.

Rapidamente eu me afastava da prateleira, com esperança dela não ter visto o que eu estava olhando. Twilight não parecia interessada no que eu estava fazendo, mas estaria acabado se ela visse o livro, ela imediatamente o compraria.

Eu pegava meu casaco e o vestia novamente. Enquanto estava o abotoando, ouvi o som do sino acima da porta. Uma potranca cinza com óculos entrava na loja. Sua expressão parecia ameaçadora, e ela não percebia eu e Twilight.

“Como vai, querida?” Senhor Stirling perguntava para a potranca cinza.

“Bem.” Ela respondia em voz baixa.

“Fez o que mandei?” Senhor Stirling perguntava de forma severa.

A potranca cinza lançava um olhar sobre o chão. “Sim,” Ela dizia, na mesma voz baixa de antes.

“Silver… diga a verdade.” Senhor Stirling começava.

“Mas papai, a família inteira dela está na cidade!” A potranca gemia.

“Você deveria ter pensado nisso antes de ter sido má com aquela pobre criança. Se você não for lá pedir desculpas, então irei com você, e você vai ter que pedir na minha frente e de toda a família dela. E vai ficar de castigo de novo!”

“Mas papai…”

“Não, Silver, nada de mas.” Senhor Stirling olhava para Silver. Ele parecia ter esquecido que nós estávamos na loja por um momento. Mas quando seus olhos se encontraram com os meus, ele engoliu seco, e seu peito murchava um pouco. “Silver.” Ele dizia suavemente, com seus olhos se virando para Twilight com um leve aceno da cabeça.

“Princesa.” Silver dizia baixinho, fazendo uma pequena reverência. Ela confrontava e então deixava a loja, batendo a porta atrás dela.

“Me desculpe por isso, Princesa.” As bochechas do Senhor Stirling coravam um pouco.

“Oh, está tudo bem,” Dizia Twilight.

Eu poderia dizer que ela estava se sentindo sem jeito. Sabendo que ela não queria mais nada além de sair, eu pulava nas costas dela, que apressadamente deixava a loja. “Feliz natal!” Twilight gritava por cima do ombro, enquanto a porta se fechava atrás dela.

Nós estávamos novamente de volta para o frio, mas desta vez eu não estava me sentindo tão incomodado. Eu continuava imaginando situações na minha cabeça sobre como conseguir aquele livro, e a reação de Twilight. Ela ficaria tão feliz, e então eu diria a ela finalmente sobre o natal e o que eu sentia. Eu não conseguia pensar em um melhor dia para dizer a ela algo que provavelmente já deveria ter dito há muito tempo atrás.

“Olá Twi!” A voz de Applejack me tirava de minhas reflexões. “E olá Spike!”

Nós estávamos na frente da tenda de natal de Applejack. Parte das temporadas festivas incluíam várias tendas montadas no centro da cidade pelos donos das lojas locais. Alguns vendiam comidas e doces, e outros vendiam enfeites decorativos. A família Apple era de longe a mais popular devido às suas cidras feitas especialmente para o inverno de natal.

O forte aroma de maçã e canela enchiam minhas narinas. Somente o aroma era suficiente para aquecer meu estômago. O puro pensamento das maçãs misturadas com a canela fazia meu estômago rosnar. Com água na boca, eu pulava das costas de Twilight, pronto para engolir alguns deliciosos copos de cidra.

“Ei Applejack. Nós viemos buscar alguns copos de cidra,” Twilight dizia, fechando seus olhos enquanto inalava o aroma.

“Vocês chegaram bem na hora, eu já estava quase fechando. Vou empacotar tudo para que possamos ir para Appaloosa amanhã de manhã. Como sempre, o natal reúne toda a família Apple”.

Eu dava um passo para o lado. Sempre me sentia estranho quando pôneis falavam sobre família. Ponyville me fazia sentir em casa, até mais do que Canterlot, mas nessa época eu me sentia como se não pertencesse a esse lugar. Ser um dragão, por si só, já dizia tudo… esta época do ano sempre era difícil para mim, exceto pelas vezes quando Twilight e suas amigas estavam juntas. O natal era sempre mais animado.

“Spike? Algum problema?”

Eu me virava, vindo a ficar cara a cara com Apple Bloom. “Oh, um.. olá, Apple Bloom,” Eu dizia melancolicamente.

“Qual o problema?” Ela perguntava de novo.

“Nada, apenas esperando servir a cidra,” Eu mentia.

“Então por que você está parado aí com essa cara de desanimado? Twilight já pegou a cidra dela, viu?” Apple Bloom gesticulava para Twilight bebendo um copo de cidra com gosto.

“Spike, sua cidra está bem aqui. Pegue antes que esfrie, docinho.” Applejack colocava uma caneca sobre o balcão, com muita fumaça saindo dela. Mas antes que eu pudesse me mover, Apple Bloom disparava para pegar a caneca.

“Aqui,” ela entregava a caneca para mim. “Agora, por que você parece tão triste?”

Bem, não havia como mentir para ela. Eu sabia que não poderia usar o manjado “estou cansado”, que ela não acreditaria, então eu continuava: “Está tudo bem, só fico assim nesta época do ano. Parte do problema é sobre eu e Equestria, mas é a outra parte que me pega”.

“Que parte?” Apple Bloom perguntava.

Eu não sei porque, mas era sempre tão fácil conversar com ela. Eu poderia simplesmente não ter dito nada, mas aqui estava eu me desabafando. Talvez seja porque Apple Bloom e sua família sabem reconhecer quando alguém não está bem, ou talvez porque eu apenas me sentia confortável dizendo a ela coisas que eram pessoais. Apenas queria que essa facilidade fosse a mesma para conversar com Twilight às vezes.

“Família.” Eu respondia.

Apple Bloom franzia. “O que você quer dizer?”

“Estar com a família é importante no natal, é o que todos os pôneis dessa cidade fazem, ficando juntos e felizes com suas respectivas famílias… coisa que eu não tenho.” Eu olhava para o chão.

Os olhos de Apple Bloom arregalavam. “Do que está falando Spike, claro que você tem uma família. Nós somos sua família.” Apple Bloom sorria calorosamente enquanto colocava um casco em meu ombro. “Eu sei que não é uma família como a que a maioria tem, mas ainda sim uma família.”

Ela continuava. “Nós olhamos um para o outro, sempre ajudamos uns aos outros, e às vezes nem sempre nos damos bem, mas no final do dia nós ainda amamos um ao outro. E isso é o que importa.”

Apple Bloom estava certa. Isso me ajudava a me sentir um pouco melhor, e depois de tomar um gole daquela maravilhosa cidra, minhas preocupações permaneceram como uma sombra atrás da minha mente. Enquanto eu continuava bebendo a cidra apreciando seu doce sabor, percebi aquela potranca cinza da loja nos observando de longe. Nós fizemos um breve contato de olhares, e ao perceber que ela foi descoberta, relutantemente começou a caminhar na nossa direção.

“Ei flanco…digo… Apple Bloom?” Silver Spoon dizia com uma quantidade surpreendente de confiança, mesmo depois de se atrapalhar ao dizer o nome da Apple Bloom. “Posso falar com você em outro lugar?”

Apple Bloom franzia em suspeita quando viu Silver apontando para outra tenda que vendia doces. “Nós podemos conversar aqui mesmo,” ela respondia em um tom firme.

“M-muito bem, Apple Bloom. Eu queria me desculpar por ter sido tão mesquinha com você. Não estou pedindo pra você ser minha amiga ou gostar de mim, mas espero que possa me perdoar. Prometo nunca mais fazer aquilo de novo. E vou garantir que Diamond Tiara deixe você em paz também…” Silver parava. Apple Bloom permanecia em silêncio, totalmente perdida em palavras. “Eu fiz isso pra você…” Silver levantava um pequeno colar com um medalhão em forma de coração de prata. Ele balançava em seu casco estendido.

Apple Bloom piscava, então aceitava o colar, colocando ele ao redor de seu pescoço. “Um… obrigada, Silver Spoon. Eu… realmente significa muito ouvir isso de você. Eu te perdoo.”

“Oh meu Deus! Papai estava certo! Eu me sinto muito melhor agora.” Silver saltava sobre as patas traseiras, envolvendo suas pernas dianteiras ao redor do pescoço da Apple Bloom. “Feliz natal! Agora, eu tenho que pedir desculpas para outras duas.” Silver desfazia o abraço, e saía trotando contente.

“Bem… foi uma bela surpresa.” Eu dizia para uma imóvel Apple Bloom. Aquela foi uma das mais sinceras desculpas que eu já vi. Talvez houvesse alguma coisa nessa época do ano que fosse mágico. Se aquela pônei podia achar coragem para dizer aquilo para Apple Bloom, então eu também poderia achar a mesma coragem para dizer a Twilight o que tanto queria.

Eu corria tão rápido quanto minhas pernas podiam me carregar. Uma bolsa cheia de gemas estalavam em minhas costas a cada passo. Eu percebia que havia apenas alguns minutos antes que o Senhor Stirling fechasse a loja, já que as festividades estavam chegando ao fim. Pôneis podiam ser vistos desmontando suas barracas; entre eles estava Applejack e Big Mac fechando a tenda de cidra. Apple Bloom ficava sentada ao lado observando seu novo colar, ignorando o movimento ao seu redor.

Eu não poderia deixar de sorrir. Essa seria a primeira vez que teria um natal de verdade, ou pelo menos da forma como imaginava que deveria ser. Apple Bloom estava certa, Twilight e suas amigas eram uma família. De certa forma eu pensava assim, mas sempre me sentia afastado delas. Só de ouvir Apple Bloom dizer que ajudava com o que eu tinha vontade de perguntar por tanto tempo. E amanhã já era natal. Que presente seria melhor do que esse?

Eu abria a porta da loja, e rapidamente a fechava atrás de mim. Não havia nenhum pônei no balcão de recepção, mas o toque do sino acima da porta, sem dúvida, acusava que tinha um cliente. Era o que eu esperava… porém ninguém parecia estar vindo.

“Olá?” Eu falava dentro da loja vazia. Cuidadosamente pegava o livro da prateleira, enquanto esperava o Senhor Stirling. “Olá!” Eu dizia um pouco mais alto. Meu coração começava a disparar com a ansiedade. Será que eles fecharam a loja e esqueceram de trancar? Não, certamente Senhor Stirling não seria tão descuidado a ponto deixar todos esses itens valiosos expostos. Talvez eu devesse apenas deixar algumas gemas e bits, e em seguida partir? Isso não seria furto, não é?

Mas todas as minhas ansiedades diminuíram quando ouvi passos se aproximando. Um olhar confuso do Senhor Stirling emergia da parte de trás da loja. “Olá?” Ele dizia, olhando ao redor da loja. “Eu pensei ter ouvido alguma coisa…” Então ele olhava para baixo, finalmente me vendo com um olhar suplicante para ele. “Ah você novamente. Me desculpe, eu estava no fundo da loja fazendo o inventário. Já estamos fechando. O que posso fazer por você, Senhor Dragão assistente da Princesa Twilight?”

Eu me encolhia internamente mediante a observação dele. Eu não era apenas um assistente, mas o seu assistente número um. “Gostaria de comprar este livro.” Eu o colocava no balcão.

Equestria: Uma breve História, esta é a primeira edição. Muito raro, poucos podem pagar por tal raridade. “A Princesa lhe deu dinheiro suficiente?”

Eu colocava a bolsa de pedras preciosas sobre o balcão, deixando algumas gemas deslizarem para fora dela. Era difícil perder o brilho em seus olhos com a visão das gemas, mesmo que fosse apenas por um momento fugaz.

“Gemas, hein? Normalmente aceito apenas pagamento em bits.”

“Por favor, Senhor Stirling, essa gemas são as melhores. Eu as encontrei sozinho. Elas valem muitos bits,” Eu implorava e podia ver que ele as queria muito.

“Elas são belas, mas prefiro bits. Gema não é dinheiro. O preço deste livro é duzentos mil bits.“ Senhor Stirling dizia, enquanto tentava empurrar as gemas de volta para a bolsa.

“Mas você pode vende-las por muito mais. Por favor, senhor, é um presente para Twilight. Significaria o mundo para ela ter a primeira edição de Equestria: Uma Breve História.” Eu despejava o conteúdo da bolsa sobre o balcão, deixando a safira azul brilhante visível para ele.

Senhor Stirling pegava uma lupa e examinava as gemas de perto. Ele prestava uma atenção especial para os rubis e safiras. “Estas são todas impecáveis”, dizia ele, mais para si mesmo. Ele olhava para mim, e então suspirava, “está bem.” Ele colocava a lupa no balcão, olhava para o livro, e em seguida, para a pilha de pedras preciosas. “Se é realmente importante para você, então talvez possamos resolver isso. Esta é uma coleção muito impressionante, e este é um livro muito raro. Acho que podemos chamar isso de troca.” Ele sorria, e empurrava algumas das pequenas esmeraldas de volta para mim, então agrupava todas as gemas em uma pilha. “É justo assim, Senhor Dragão?”

“S-sim!” Eu estava esperando ele pegar a bolsa inteira, mas deixou algumas esmeraldas.

“Tudo bem, nesse caso foi um prazer fazer negócios com você.”

“Obrigado, obrigado!” Enquanto eu me virava para partir, a porta abria e Silver Spoon passava por ela novamente, sorrindo de orelha a orelha.

“Pai, eu consegui! Me desculpei com todos com quem fui mesquinha, todos me perdoaram, e Sweetie Belle ficou minha amiga!”

“Muito bom! Não foi o que eu te disse? Venha aqui, querida.” Senhor Stirling gritava de alegria, enquanto Silver Spoon corria para abraçar seu pai.

“Me sinto muito melhor agora, pai.” Silver Spoon se aconchegava nos cascos de seu pai. “Só estou preocupada com Diamond Tiara, tenho medo dela ficar brigada comigo agora.”

“Vocês duas são amigas há muito tempo para que isso acabe agora por causa de uma mudança. Estou orgulhoso de você, mesmo quando te ensinava que bullying era errado e você acabava fazendo mesmo assim, pelo menos agora você aprendeu a lição. No entanto, ainda está de castigo até as aulas recomeçarem.” Ele sorria para sua filha, beijando-a na bochecha.

Deixei a loja com um sentimento caloroso em meu coração. Eu tinha o livro em meus braços, um pequeno salto em meu passo, e Silver Spoon aprendeu uma lição com seu pai. Um dia vou ter que perguntar para Apple Bloom o quanto Silver Spoon foi mesquinha com ela.

Como eu quase literalmente pulava para casa, me alimentava das gemas restantes. Esmeraldas nunca foram tão boas quanto rubis, mas tudo bem. Eu iria comer os rubis de qualquer maneira, pelo menos agora eles se foram por uma causa melhor do que o meu estômago. E ainda tinha meu rubi premiado embaixo da minha cama, que era para Rarity.

Eu não podia esperar para ver a expressão de Twilight quando eu der o livro a ela. Deveria colocar ele em sua mesa e deixá-la encontra-lo? Deveria apenas caminhar e entregar a ela? Oh! Eu deveria colocá-lo em uma de suas estantes da biblioteca e ver quanto tempo ela levaria para notar. Sim, isso vai ser muito engraçado. Aposto que ela desmaiaria de choque.

O castelo estava vazio quando cheguei, então chequei seu quarto e a biblioteca, mas ela não estava lá. Talvez tivesse ido entregar seu presente para Rarity, o que é bem provável. Perfeito, agora onde posso colocar este livro?

Enquanto eu procurava um local aberto para deixa-lo, a curiosidade acabou levando a melhor sobre mim. Eu tive que abrir o livro, tinha que dar uma olhada em seu conteúdo. Afinal, esta foi a primeira edição, então muitas coisas mudaram em Equestria desde que este livro foi publicado. Poderia até ter informações sobre dragões, e um rápido olhar não faria mal.

Eu abria o livro na primeira página, onde uma nuvem de poeira grossa levantava. O amontoado de pó fazia cócegas em minhas narinas, a pressionando de uma forma que… “oh não! Não-!” Eu tentava colocar o livro em algum lugar e virar a cabeça bem longe, mas era tarde.

A primeira coisa a saudar meu olfato era fumaça. Eu olhava para baixo em horror para os restos carbonizados do presente mais perfeito. Meu olho se emparedava com lágrimas.

Tudo estava arruinado. Meu natal perfeito estava arruinado. É por isso que nunca vou ser da família, é por isso que sempre serei um mero assistente para a Princesa. Esta é a segunda vez que isso acontece. Pelo menos desta vez, Twilight não vai se decepcionar, porque ela nunca vai saber.

Sons de passos… era Twilight e suas amigas chegando, dava para ouvir suas vozes de longe.

“Fluttershy, amei seu presente! É um livro muito interessante sobre animais raros encontrados em Equestria.” Dizia Twilight. Eu não podia ter certeza de onde ela falava, mas se ela tinha um livro, então estava vindo para a biblioteca. “Spike? Onde você está? Eu vou na casa Rarity agora, não quer vir comigo e dar pra ela aquele rubi que você esconde embaixo da sua cama?” Ela estava se aproximando. Rapidamente eu secava meus olhos, me virando para ficar de frente para Twilight parada na entrada da porta da biblioteca.

“E-eu… darei pra ela depois, você pode ir.” Apenas de olhar para ela já era doloroso. Eu lutava contra meus lábios trêmulos, mas não tinha como parar minha gagueira melancólica.

“Alguma coisa errada Spike?” Twilight perguntava suavemente. Ela se aproximava, me fazendo recuar.

“Nada.”

“Spike,” Ela suspirava. “Seja lá o que for, pode falar.”

“Não importa mais. Está arruinado. Eu arruinei tudo,” Eu dizia lutando novamente contra as lágrimas.

“Arruinou o que Spike?”

“O natal. Tudo isso… não importa mais.” Twilight chegava bem perto de mim. Com um casco, ela levantava minha cabeça e então me olhava nos olhos.

“Spike, como você poderia arruinar o natal?”

Não era nada disso que eu queria. Era pra ela encontrar o presente, ficar feliz, e então eu ia perguntar uma coisa importante a ela. Eu poderia muito bem dizer a ela o que aconteceu. Então talvez pudesse desfrutar o natal em busca de uma nova casa, porque certamente Twilight não iria querer um assistente desajeitado que desintegra as coisas por mero acidente.

Respirava fundo, “Eu sempre me senti sozinho no natal porque sou um dragão e nunca vi outro por aí morando com pôneis que nem eu, mas eu queria que o natal desse ano fosse perfeito, tanto que eu tinha encontrado o presente perfeito pra você, e nessa oportunidade eu iria pedir pra você ser minha mãe, para que eu pudesse me sentir como se tivesse uma família real no dia de natal.” Respirava fundo novamente depois que terminava. Twilight simplesmente olhava para mim, piscando. Eu percebi que desabafei sem querer. A coisa que eu queria perguntar a ela, a coisa mais importante que eu queria perguntar a ela, escapou do nada. “Aí eu encontrei uma cópia do livro Equestria: Uma Breve História, na loja do Senhor Stirling, mas quando cheguei aqui, a poeira que saiu das páginas me fez espirrar e-“

“Spike,” Twilight dizia suavemente. Sua voz tinha um leve tremor. “Spike… fale de novo.”

Eu engolia seco, sabia em que parte ela estava se referindo. Meu coração batia forte em meu peito, sentia meu rosto corar. Mesmo depois de dizer a ela acidentalmente, ainda era um grande negócio para mim. Nunca tive ninguém que pudesse chamar de mãe, mas Twilight sempre foi a mais próxima de uma mãe que eu já tive. “Pensei em perguntar isso por um longo tempo, mas até o dia de hoje nunca tive coragem. Mesmo hoje, quando vi a filha do Senhor Stirling servir de exemplo ao arrumar forças e coragem para pedir desculpas, eu ainda não sabia como ter a mesma força e coragem para dizer isso a você, eu imaginava que ao te deixar feliz com um presente perfeito, poderia ser o momento para eu me desabafar com você espontaneamente, um plano bem burro, mas na minha cabeça parecia uma boa ideia. Então, eu não sou um pônei, mas você é a mais próxima de uma mãe que eu já tive, e por isso preciso te perguntar… quer ser minha mãe, Twilight?”

“Oh, Spike,” Os olhos de Twilight encharcavam. Ela me puxava para um caloroso abraço, me apertando com força. “Eu não sabia que você se sentia dessa forma, Spike. E sim, eu amaria ser sua mãe.“ Twilight me beijava no rosto várias vezes. “Eu te amo muito, meu filho.”

Foi demais para eu conseguir me conter, e acabava deixando as lágrimas saírem. Tudo saiu tão horrivelmente errado, e ainda assim tão perfeito. “M-me desculpe por ter arruinado o livro”.

“Era Equestria: Uma breve história. Nós podemos conseguir outra cópia por aí.”

“Mas era a primeira edição, escrita por um antigo equestriano…”

“Isso foi muito gentil de sua parte. As primeiras edições são extremamente raras. Mas foi um acidente, então não se preocupe com isso. Eles podem ser raros, mas existem muitos outros lá fora para nós encontrarmos.”

“Tem certeza?”

“Confie em mim,” Twilight dizia em um tom tranquilizador. “Você queria me dar o melhor presente de natal para me deixar feliz, e foi o que você fez.” Twilight respirava, com seus cascos esfregando em minhas costas. “Eu ganhei alguém de quem me orgulho de chamar de filho. Mais raro do que o livro, é um dragão como você, Spike. Vamos passar o dia de manhã que será o primeiro como mãe e filho, e teremos o melhor natal de todos.”

“Isso é ótimo, m-mãe!”

“Agora, por que você não vai pegar aquele presente para Rarity, antes que ela viaje para Canterlot?”

“Certo.” Eu saía do abraço e caminhava até o meu quarto para buscar o presente que estava embaixo da cama.”

Enquanto eu entrava no meu quarto, observava a neve caindo pela janela. De alguma forma tudo parecia diferente, tudo parecia novo e surpreendente. Talvez nada tenha mudado efetivamente, mas só o fato de eu poder dizer mãe, foi o suficiente para trazer um novo significado a tudo.

Porque hoje, aprendi que família vai muito além do sangue, e a maneira mais simples de falar as coisas mais importantes, é com o coração, e não com palavras bonitas.

Lágrimas de Dragão

Rarity_&_Spike

Autor: Embarrased_of_brown

SINOPSE: Depois de muitas tentativas frustradas, Spike decide que hoje finalmente é o dia em que irá se declarar para a unicórnio em que está apaixonado. Mas será que Rarity o aceitará como algo a mais?

***

“Você tem certeza disso Spike? É que você já tentou tantas vezes, mas desistiu bem na hora” Essa voz pertencia a Twilight Sparkle, uma jovem alicórnio de cor lavanda. Ela era a mais nova princesa em Equestria, porém já tinha seu próprio castelo. “Além do mais… minha preocupação é de como ela vai reagir a sua declaração” ela estava limpando o pó dos livros de sua biblioteca com um pano velho e surrado.

Suas paredes eram de um material similar a cristal, que estavam cheias de prateleiras e estantes com os mais diversos tipos de livros. Como a biblioteca era nova, Twilight passara uma semana inteira para organizá-la, o que para o tamanho do lugar era um grande trabalho. Havia várias janelas entre as prateleiras, que deixavam escapar uma leve brisa e raios de sol, trazidos por Celestia.

“Hah, não esquenta Twilight” zombava Spike cruzando os braços “Dessa vez é pra valer! Esse é o dia em que eu vou declarar todo o meu amor pela unicórnio mais glamorosa de toda Equestria” terminava sua frase com um brilho profundo nos olhos “Rarity!”

“Eu disse unicórnio, não alicórnio” acrescentou com um sorriso tímido, pois pensou que acabara de ofender Twilight.  “Eu vou olhar nos seus olhos e falar” antes de começar pegou o rubi de cristal que presentearia a Rarity e o colocou à sua frente “Rarity, tem uma coisa que eu não suporto mais guardar, o meu amor por você nunca vai cessar, você é a causa da minha vida, quer compartilha-la comigo?”

“Andou olhando a sessão de poesia, né?” indagou a alicórnio pelas palavras ditas pelo dragão enquanto colocava mais um livro no seu devido lugar. “Ah, como soube?” Spike não podia acreditar, ele queria fazer uma grande surpresa à Rarity com essas palavras. E imaginava que iria impressionar Twilight com sua sabedoria. “Não foi muito difícil.” Respondeu Twilight com uma expressão irônica “Talvez tenha sido por você não ter saído da biblioteca dois dias seguidos, mesmo na sua folga. Quem sabe pelo fato de eu te conhecer antes de você ter nascido e saber que você nunca foi do tipo que escreve poesia. Ou talvez porque você tenha retirado esse poema de um de meus livros favoritos…”

Ao ver Spike cabisbaixo rapidamente tentou levantar seu animo “Não se preocupe Spike, tenho certeza que vai arrasar!” colocando seu casco abaixo da cabeça do dragão deu-lhe um beijo em sua testa escamosa. “Faça o que achar que for preciso…” e o encarrou nos olhos.

“Obrigado Twi, obrigado por tudo” disse o dragãozinho verde que em seguida saiu em disparada pela porta da frente, queria chegar o mais rápido possível na Boutique Carrossel.

Enquanto caminhava na direção da porta da perspectiva boutique sentia um frio na barriga que não sabia como explicar. Quando chegou à sua frente posicionou sua garra com os dedos fechados prontos para bater na porta e chamar a atenção da unicórnio. Mas teve um pensamento que o congelou “Será que eu não estou me adiantando um pouco?” ele não sabia se estaria pronto para tal. Muito menos se ELA estaria pronta para ouvir tal.

Mas lembrou-se do que havia dito à Twilight minutos atrás. Tinha prometido que iria continuar até o fim e era o que iria fazer. Finalmente tomou coragem e bateu na porta. Esperou a unicórnio branca responder por quase um minuto, porém pela demora pensou que Rarity havia saído de casa, estava prestes a voltar para o castelo quando ouviu um rangido que indicava que a porta estava sendo aberta.

Por trás dela o dragão avistava a unicórnio branca, que a princípio não o viu aos pés da porta, porém ao olhar para baixo o avistou. A estilista cumprimentou o dragão e o mandou entrar.

“Oi Rarity!” respondeu Spike levantando a garra em sinal de cumprimento “Pensei que não estava em casa”. Rarity deu um passo para trás para dar passagem ao dragão e explicou que acabara de sair do banho, o motivo de não ter o atendido a princípio. Spike aproveitou a situação para argumentar a seu favor elogiando a crina da unicórnio por estar brilhante. Então correu para o outro lado da boutique para ver as criações da pônei, o que nem a deixou com chance de resposta.

“Vim ver se precisa de ajuda” disse caminhando novamente em sua direção “Já terminei meu trabalho na biblioteca da Twilight. Então… precisa de ajuda?” Rarity começou a pensar em sua resposta, mas vendo que era inútil se lembrar de todos os seus afazeres pegou sua agenda de cima do criado-mudo que se encontrava ao seu lado.

“Bem, vejamos” começou pensativa enquanto virava as páginas “Eu acho que… não tenho mais nada para hoje” a unicórnio balbuciava enquanto lia suas notas, o que deixou Spike levemente desapontado, pois assim não teria como chegar ao assunto sem que a mesma percebesse. Mas animou-se em imediato assim que Rarity tornou a falar “Ah não, como sou boba! Eu tenho um pedido de Manehattan de uma cliente muito importante, apesar de o prazo ser bem prolongado…” abaixou sua agenda com telecinésia para ver a reação de Spike, que sem perceber esbanjava uma expressão de aborrecimento. “Mas…” continuou Rarity nervosa “Não faz mal começarmos logo… não é?…” e mais uma vez abaixou seu caderno. Ficou extremamente relaxada vendo que Spike não demonstrava mais aquela expressão triste e no seu lugar uma de extrema alegria… “Alegria até demais” observava Rarity.

Ela fechou sua agenda e a colocou de volta no criado-mudo enquanto se direcionava para o quadro de projetos que se localizava no outro lado da boutique. Estava um dia lindo, apesar de se avistar algumas nuvens no horizonte, isso não impedia a visão azulada do céu. “Rainbow Dash ainda não deve ter acordado” pensou Spike enquanto seguia Rarity em passos curtos.

“Então… para quem exatamente é essa peça?” Perguntou enquanto a unicórnio pegava algumas folhas de papel do quadro próximo. Rarity respondeu sem desviar o olhar “Ah, é pra uma empresaria de Manehattan, a sua irmã vai se casar e ela me encomendou um vestido novo.” Enquanto falava ficava desenhando e fazendo anotações nas folhas de papel a sua frente “Me admira que não tenha feito o pedido em algum estilista de lá, depois dessa peça meu nome com certeza vai ecoar por toda Manehattan. Essa poderá ser a minha criação do ano!”.

Feliz pelo rumo que a conversa tomava Spike começou a manifestar a sua ideia de forma menos… Visível “Claro que vai ser, todas as criações são incríveis!” a fala acabara por deixar a face de Rarity de um tom rosado mas isso não impediu o dragão de continuar  “Você é incrível!” Spike tomou a gema que trouxera para Rarity com as duas garras e a encarara. O seu tom de azul refletia o sorriso do dragãozinho.

“Ora, o que é isso Spike?” Rarity colocou o casco no peito e desviou o olhar das suas folhas por um momento “Claro que minhas criações são boas, diria até que são divinas… mas não acha que está exagerando?” Rarity parou na frente do dragão e posicionou seu caso no ombro do mesmo. “Mas é claro que não Rarity, todas as suas criações são incríveis e acho que você devia ser mais reconhecida por quem é”. Rarity não sabia ao certo como reagir a tamanho elogio, nunca havia passado por tal situação.

“Ah Spike, nem sei como agradecer. Você é o melhor amigo que um pônei poderia querer” A unicórnio abraçou Spike em gesto de agradecimento.  “Claro… porque é o que somos… amigos…” Porem Spike não sentia a mesma alegria que Rarity. De alguma forma ele esperava mais da unicórnio.

“Mas é claro! Ou o que você pensa que somos?” Rarity não percebera a gravidade de suas palavras para o dragão então continuou “Você é um dos meus melhores amigos, está sempre aqui por mim, como eu estarei sempre aqui por você. Eu não poderia pedir nada melhor do que um pônei, digo… Dragão como você. E é o que sempre seremos: melhores amigos, não importa as circunstancias”. Terminando com o seu repertorio virou-se novamente a seus rascunhos.

“É claro… amigos…” Spike não sabia como reagir, pensava que pelo que Rarity falou ela não o aceitaria como algo a mais. Ele não queria que ela o visse nesse estado de choque e pensou na primeira desculpa possível para poder retirar-se “Eh, e-eu vou ter quer ir… hehe. Eu me lembrei de que me esqueci de colocar um livro de volta no lugar lá na biblioteca” o dragão se posicionou na frente da porta e a abriu “E tenho que arrumar antes que a Twilight perceba… você sabe como ela é… tchau”.

Ele saiu correndo sem nem dar tempo de resposta à Rarity. Não sabia o que pensar, talvez Twilight estivesse certa no final, ele não estava pronto para tal. Começavam a sair lágrimas de seus olhos e à medida que corria elas ficavam para trás. Spike não queria que ninguém o avistasse daquela maneira, então procurou a rota mais monótona até o castelo.

Logo que o distinguiu entre as demais construções adentrou correndo enquanto enxugava os olhos com as garras. Acabara nem percebendo a alicórnio lilás a sua frente e bateu na mesma.  “Spike! Olhe por onde anda!” após ver a reação do mesmo Twilight calou-se e encarou o dragão que ainda tentava cessar as lágrimas com suas garras. Twilight imaginando o que havia acontecido o abraçou para tentar reconfortar.

“Spike… eu…” Twilight começava a balbuciar alguma coisa, porém Spike a interrompeu antes.  O dragão tentou explicar-lhe a situação a soluços, porém foi em vão “Eu.. eu…  e-ela…”  Não sabia por onde começar “Me considera só um amigo…” Suas lágrimas diminuíram consideravelmente “SÓ UM AMIGO TWILIGHT!”. A alicórnio não sabia como reagir, nunca tinha visto o dragão em tal estado. Mas se tinha alguém bom em conselhos era ela –Apesar dela mesma não saber disso.

“Spike… eu sinto muito” Twilight posicionou seus cascos nos ombros do dragão para tentar acalma-lo “Eu sei que você tentou… mas talvez não fosse a hora certa” ela esperava a reação do dragão, e vendo que ele está indiferente continuou “Não se preocupe, você ainda vai ter muitas paixões, muitos romances e muita coisa pra viver.” Ao terminar o que queria dizer Twilight se levantou “Não se preocupe com o amanhã, viva o agora”. E saiu do cômodo para deixar Spike a sós para pensar.

O dragão já havia cessado o choro por completo, porém sua face ainda estava molhada e enrugada. Spike sentou-se no chão e olhou para a janela à sua frente. Haviam alguns pássaros passando e deixando uma melodia calmante no lugar. O dragão logo mudou sua visão para a joia que pretendia dar à Rarity após se confessar, ela lhe trazia lembranças de uma época que não recordava.

O sol estava mais alto no céu, daria para dizer que se passavam das nove horas. Spike olhou mais uma vez para a janela entreaberta, ela deixava escapar uma leve brisa animadora e alguns raios de sol que iluminava a joia e a deixavam de um tom azul reluzente. Ficou assim por alguns minutos até tomar coragem para falar.

“Talvez você tenha razão Twilight. Talvez…” e fechou seus olhos.

Petricultura

petriculture

Autor: Kwakerjak

Tradução: Drason

SINOPSE: Twilight Sparkle decide estudar sobre a agricultura de rochas da fazenda da família Pie. Porém, durante suas pesquisas, ela acaba fazendo uma descoberta surpreendente.

***

“Eu sabia que estava me esquecendo de alguma coisa, mas não posso colocar meu chifre nisso. Eu saí da cama, fiz todos os arranjos do jantar, planejei um itinerário, e me assegurei de ter tempo para as inevitáveis loucuras que sempre parecem acontecer por aqui, então o que mais poderia ser?”

Spike não poderia resistir ao impulso de rolar seus olhos. Esta certamente não foi a primeira vez que Twilight Sparkle trabalhava para si mesma em frenesi, e provavelmente não seria a última, mas isso não significava que o bebê dragão não estava totalmente acostumado com isso, especialmente quando os cascos da unicórnio ficavam agitados, o que era surpreendentemente eficaz na produção de dores de cabeça em meio ao barulho que causava na biblioteca. “Talvez você não tenha se esquecido de nada, Twilight. Afinal é por isso que você faz uma lista de verificação, certo?”

Os olhos da pônei se arregalaram ao perceber: “claro! me esqueci de verificar a lista novamente!”

 “Hum, geralmente você checa a lista quatro vezes.”

“Eu faço uma verificação quádrupla para me certificar que não me esqueci de nada.” A unicórnio roxo o corrigiu. “Eu não fiz a segunda verificação apenas para me assegurar que não havia nada importante na lista em primeiro lugar!”

“Uh, Twilight?”

“O que é Spike?”

“Eu tenho certeza que seus pais ficarão contentes apenas por passarem o tempo com você.”

Twilight suspirou. “Eu sei disso Spike. Mas essa é a primeira visita deles a Ponyville, e eu quero que tudo seja perfeito.” Isso era fato; ela estava tão focada em garantir que seus pais apreciariam sua estadia que ela ocasionalmente tinha que ser lembrada de que era o aniversário dela e que a viagem era para comemorar isso em primeiro lugar. Mesmo o fato de que suas amigas haviam concordado em assumir algumas responsabilidades, não foi suficiente para acalmá-la, pelo contrário, isso a colocou no modo “supervisora”.

“Mas você realmente precisa chegar a ficar exausta com isso?” Spike perguntou, numa tentativa de argumentar com sua chefe maternal para minimizar sua posição autoritária para um nível mais controlável de neurose.

“Eles são meus pais Spike. Independentemente de ser ou não necessário, eu tenho que me esgotar sim. Eles são mais do que dignos disso.”

“Sim, mas sou eu que tenho que suportar seus ataques de pânico”, o dragão murmurou.

“Você disse alguma coisa?”

“Er… não, nada. É que, uh, eu quero dizer…” Spike tentava mudar de assunto. “Por que você não vai ler um livro ou algo assim? Digo, seus pais só virão amanhã, certo?”

“Hmmm.. não.” Twilight respondeu, muito desapontada com seu assistente. “Tenho uma ideia melhor. Pesquisa!”

Spike se animou visivelmente com essa proposta. Se a unicórnio devoradora de livros estava absorta em um esforço para responder algumas questões obscuras, as chances eram boas para que ela ficasse mais tolerável. “Entendido. Então que mágica chata você vai estudar hoje?”

Twilight preferiu ignorar a parte em que seus interesses eram “chatos”, e ao invés ofereceu uma sugestão diferente. “Na verdade, acho que é uma boa hora para solucionar a lista de charadas.”

“Como?”

“Você sabe, a lista de perguntas difíceis de responder que eu estive compilando para eu ter alguma coisa pra fazer quando precisasse manter minha mente ocupada.”

“Ah sim.” O dragão caminhou até a gaveta onde havia vários pergaminhos, todos preenchidos com várias notas, rabiscos e ideias aleatórias. Ele revirou os pergaminhos por um ou dois minutos antes de achar aquele que estava procurando. “Ah, aqui vamos nós,” ele disse, desenrolando um.

“Ótimo, o que temos aqui?”

“Hum, eu acho que…”

“Vamos Spike, eu sei que não respondi todos eles ainda.”

“Sim, eu sei mas… a maioria desses aqui são sobre Pinkie Pie.”

Twilight parecia cabisbaixa. “Estou vendo..” Havia alguma coisa sobre a pônei rosa que simplesmente se recusava em ter uma consonância entre lógica e bom senso, e Twilight já havia aprendido isso antes, da maneira mais difícil.

“Espere… tem alguma coisa aqui. O que exatamente significa agricultura de rocha?” Spike leu em voz alta, e suspirou. “

“Nada demais, apenas outra questão sobre Pinkie Pie.”

A unicórnio levantou um casco. “Espere um minuto, Spike. Talvez esse possa ser útil.” Afinal, ela nunca havia ouvido falar sobre agricultura de rocha antes de Pinkie Pie revelar como conseguiu sua marca especial, mas isso era muito interessante, pela simples ideia de que crescimento de material inorgânico parecia ser uma contradição em termos. Se ela pudesse aprender os princípios básicos por trás disso, o conhecimento poderia, provavelmente, ser aproveitado para resolver outro no futuro.

“O que você quer dizer?”

“Bem, não é apenas sobre Pinkie Pie, certo? Ela disse que toda sua família trabalhava e ainda trabalha com isso, e eles são relativamente normais.”

“Não sei, Twilight. Parece que você só vai acabar puxando as palhas de novo.”

“Bem, eu suponho que poderia voltar a me preocupar com meus pais…”

Em um piscar de olhos, Spike se dirigiu até as prateleiras de livros. “Ok, então onde está a seção de geologia?”

Spike suspirou. “Nada. Nenhuma palavra sobre cultura de rocha nesses livros.”

“Você checou os índices?”

“Sim.”

“Bem, talvez esteja listado sobre algo mais. Tente ‘Petricultura’, que soa como um termo acadêmico ou algo assim.

“Você já sugeriu esse, eu procurei e não está aqui.”

Twilight cuidadosamente levou seu casco até o próprio queixo. “Hmm… talvez estejamos usando os termos da maneira errada. Afinal, pelo que sabemos, agricultura de rocha nada mais é do que uma figura de linguagem. Pode ser que não tenha nada a ver com o sentido tradicional de colheita.”

“Ótimo… como vamos encontrar então?”

“A unicórnio encolheu os ombros despreocupada antes de responder. “A palavra chave é Pinkie Pie.”

“Hum… tem certeza que é uma boa ideia? Ela não parece gostar muito de conversar sobre seu passado.”

“Spike, não é como se eu estivesse indo perguntar sobre os membros de sua família, é algo que está apenas relacionado. Olhe, por que você não fica aqui pesquisando, enquanto vou averiguar?”

Isso soava bem para o dragão, já que assim ele teria uma pausa do perfeccionismo obsessivo de Twilight (embora ele não se atrevia a dizer isso a ela). “Com certeza! Vejo você depois!”

Enquanto Twilight Sparkle entrava na padaria local, ela foi recepcionada pela simpática Senhora Cake. “Bem vinda ao Torrão de Açúcar! Como eu posso… ajudar… você?” A alegria parecia diminuir enquanto ela reconhecia a cliente. “Twilight! Hum.. é bom vê-la novamente. Er… presumo que você tenha outras instruções de como fazer um bolo? Eu te garanto que o Senhor Cake e eu seguimos perfeitamente as instruções de sua carta, e usamos até uma régua para reduzir as rebarbas de chantili conforme você solicitou, misturando o extrato de baunilha com o corante que você queria para deixá-lo na tonalidade azul, e tenho certeza que a extremidade estava com três milímetros de espessura, e…”

“Na verdade Senhora Cake, eu estou aqui para conversar com a Pinkie. Ela está?”

“Oh sim! Claro, você quer falar com ela, porque afinal são amigas, não é?” Sendo uma pônei educada, Senhora Cake fazia tudo o que podia para não demonstrar seu alívio por não ter nenhuma instrução de como fazer um bolo (e nisso, ela falhou espetacularmente). “Pinkie Pie! Twilight está aqui e quer falar com você!”

Segundos depois, a pônei terrestre saía com exuberância da cozinha. “Ei Twilight! Precisa de ajuda com a festa de aniversário?”

“Ainda não, mas obrigada.” A unicórnio deixou claro que queria lidar com os detalhes de sua festa por conta própria, particularmente para se assegurar que seus pais apreciariam a estadia, e porque ela sempre queria organizar uma festa sozinha, razão pela qual o envolvimento de Pinkie Pie até agora se limitou apenas em conselhos e suprimentos. A pônei rosa ainda não entendia porque Twilight era tão insistente em planejar sua própria festa, mas desde que isso era importante para ela, Pinkie (muito relutantemente), deixou o assunto de lado.

“Oh? Certo… então do que você está precisando?”

“Bem, os preparativos estão me deixando meio estressada, então estou tentando criar alguma diversão para minha mente. Eu, uh, estava esperando que você pudesse me responder algumas perguntas.”

“Ah legal! Quer dizer que você vai usar aquela penca de equipamentos em mim de novo no seu porão?”

Twilight balançou a cabeça. “Dessa vez não. Quero um outro meio de pesquisa pra saber como você é capaz de fazer o impossível, mas estava esperando que você pudesse me dar um ponto de partida.”

“Um… okie dokie, eu acho.”

“Ótimo, então o que você pode me dizer sobre o cultivo de rochas?” A abordagem brusca sobre o tema se tornou um erro aparente quando Pinkie Pie ficou em silêncio, olhando para o chão. “Oh, me desculpe Pinkie, me esqueci como você se sente sobre isso. Não precisa responder se não quiser.”

“Não é que eu não quero… acontece que eu não sei muito sobre isso. Eu, hum.. apenas seguia as instruções de meus pais, é tudo. Eu realmente nunca procurei tomar conhecimento sobre como funcionava.”

Twilight suspirou. “Certo, você pode pelo menos me dizer sobre a agricultura atual? seria essa agricultura um sinônimo de mineração?”

“Bem, uh… Eu estou certa que se trata da agricultura atual. Eu… nunca vi nenhum pônei cavando, e as rochas tiveram que vir de algum lugar certo?”

Observando a pônei mais alegre de Ponyville (e possivelmente de toda Equestria) expressar uma emoção diferente, tudo estava começando a ficar deprimente, e quase parecia que sua crina estava menos crespa. “Tudo bem, pelo menos é um começo. Desculpe te arrastar para o passado Pinkie.”

 A simples mudança de assunto foi suficiente para melhorar o humor da pônei rosa. “Está tudo bem, apenas certifique-se que sua festa será super!”

Twilight riu. “Farei o possível.”

Apesar de sair do Torrão de Açúcar um tanto frustrada, a fiel aluna da Princesa Celestia ainda não estava totalmente desencorajada. Afinal, mesmo se Pinkie Pie não soubesse o bastante sobre agricultura de rochas para fornecer a ela respostas definitivas, havia outra pônei especializada na área que poderia. Assim, a unicórnio roxo trotou confiante através da entrada do Rancho Maçã Doce.

“Applejack!” Ela gritou. “Você está aí?” Twilight passou vários minutos procurando ela antes de encontrá-la cuidando de algumas mudas. “Ei Applejack!”

A pônei loira deixou sair um suspiro audível, que parecia ser uma tentativa de disfarçar um gemido, antes de olhar para sua amiga com um sorriso um tanto forçado. “Olá Twi! O que posso fazer por você?”

“Bem, você tem um tempo para responder uma ou duas perguntas?”

Desta vez Applejack nem tentou disfarçar o gemido. “Olhe Twilight, é realmente necessário? Nada mudou nas últimas doze horas, ainda temos todos os ingredientes que precisaremos para fazer as quatro refeições que você pediu, Vovó Smith mudou suas receitas para resolver o problema alérgico da sua mãe e prometeu que até amanhã cedo estará tudo pronto. Confie em mim, vai ficar tudo bem, não precisa se preocupar com nada.”

“Eu realmente tenho sido neurótica?”

“Quer mesmo que eu responda docinho?”

“Uh, na verdade não, eu tenho uma pergunta sobre agricultura, e não, não tem nada a ver sobre amanhã à noite, na festa de aniversário.”

“Mesmo? Então pode perguntar.”

Você se lembra quando estávamos todas juntas falando para Applebloom, Sweetie Belle e Scootaloo sobre como conseguimos nossas marcas?”

“Claro que sim.”

“Bem, desde que ouvi a história da Pinkie, estive pensando sobre agricultura de rochas. Digo, se realmente é possível rochas crescerem para depois serem colhidas, então as ramificações mágicas devem ser enormes, sem mencionar o potencial econômico.”

Applejack levantou um casco enquanto ela interrompia sua amiga. “Ok, pare aí, Twi.”

“Por que?”

Applejack suspirou. “Docinho, não me leve a mal, mas esse é a coisa mais boba que uma unicórnio inteligente como você perguntou.”

“Qual é Applejack?”

“É sério Twi. Sei que você já explicou como os pônei terrestres têm seus próprios tipos de magia, assim como unicórnios e pégasus, mas você sabe muito bem que a sua maneira de ver as coisas e falar sobre elas é sutil demais.”

“Mas… não há nada de sutil sobre o que Pinkie Pie pode fazer. Talvez, apenas talvez, se seus talentos são inerentes em sua família, então aqueles com uma conexão mais forte com a terra pode tornar isso possível.”

“Twilight, apenas confie em mim. Eu não posso imaginar por que um pônei terrestre tentaria cultivar rochas. E sabe por que? Simplesmente porque podemos minerar ao invés de fazê-las crescerem.”

“Então o que Pinkie quis dizer sobre cultivo de rochas?”

“Provavelmente que sua família possuía uma pedreira.”

 “Mas quem chama uma pedreira de cultivo de rochas?”

“Pinkie Pie, claro.”

“Mas…”

“Twi, parece que você está querendo que eu te explique algo que não precisa de explicação. Ela está apenas sendo Pinkie Pie, e não vale a pena ficar se desgastando com isso.”

No final da tarde, Twilight Sparkle estava de volta na Biblioteca, pesquisando sobre o tema de cultivo de rochas. Isso por si só não teria sido tão ruim, se não fosse o fato de que na Biblioteca estavam três clientes no momento, todos tentando ler vários livros: Rainbow Dash estava em uma pilha de livros sobre Daring Do, Rarity estava procurando temas sobre costura, e Fluttershy pesquisando livros sobre preguiças de três dedos por alguma razão.

Claro, todas as três eram ótimas amigas dela e muito próximas, motivo pela qual sentiam que ela não parecia bem. “Pinkie Pie sendo Pinkie Pie? Que tipo de resposta é essa?”

“Hum, não é a mesma resposta que teve da última vez?” Fluttershy interrompeu.

“Não, da última vez, a resposta que surgiu foi que eu não necessariamente tinha que entender alguma coisa a fim de aceitá-la. Você sabe, exatamente o oposto do que Applejack sugeriu?”

“Não vejo porque você está obcecada com isso, querida.” Acrescentou Rarity. “A explicação de Applejack foi bastante razoável pra mim.”

“Dá um tempo! Pinkie Pie pode agir de forma confusa às vezes, mas ela não é boba. Ou você acha mesmo que ela não sabe a diferença entre uma pedreira ou fazenda?”

Rainbow Dash olhou brevemente seu livro antes de fechá-lo. “Bem, talvez ela estava inventando.”

“Mas por que ela faria isso?” Perguntou Rarity.

“Não sei. Por que você tenta esconder que sua família é de Santo Paulomino toda vez que você vai para Canterlot?”

Isso deixou Rarity visivelmente nervosa. “o que… bem… eu… é.. eu nunca!”

“Onde fica Santo Paulomino?” Fluttershy perguntou.

“É um longo caminho ao norte daqui,” Rainbow Dash respondeu com o sotaque estereotipado daquela região. “Yah, você tem apenas que conversar com os pais dela por apenas um minuto para perceber que eles são de lá.”

“Primeiramente, isso não soa como o sotaque de Santo Paulomino,” Rarity respondeu. “E segundo, eu não escondo que meus pais são daquela região, isso nunca veio à tona.”

“O povo de Canterlot não é curioso, ou é você que desvia a conversa deles?”

“Vale a pena ficar discutindo por isso?” Fluttershy perguntou em voz baixa.

“Ah, estou apenas brincando,” disse Rainbow Dash. “Desculpe se você pensou diferente, Rarity.”

“Eu… tudo bem. É preciso ser capaz de fazer considerações sobre a personalidade dos outros, afinal.”

“Em todo caso, ponto para a Rainbow Dash,” Twilight relutantemente concluiu. “Pinkie Pie não gosta de conversar sobre seu passado, e ela termina a conversa o mais rápido possível.” A unicórnio roxo suspirou. “Acho que é um beco sem saída.”

“Bem, pelo menos você não gasta o tempo preocupada com seus pais,” Disse Fluttershy.

“Na verdade isso não importa muito”, disse Spike, entrando na sala com uma carta aberta.

“Você vai querer ler isso, Twi.”

A unicórnio levitou a carta das garras do dragão e brevemente leu o conteúdo. ”Oh não!”

“Alguma coisa errada querida?” Perguntou Rarity.

“É a minha mãe, ela está doente.”

“Oh, é muito sério?” Perguntou Fluttershy.

“Não, ela deve estar bem, mas o médico recomendou que ela ficasse de cama, então não poderá vir a Ponyville. E isso significa que meu pai também não poderá, pois sei que ele não vai querer deixar minha mãe sozinha.”

“Sinto muito Twilight, sei que estava muito ansiosa para vê-los.”

“Sim, embora…. agora que penso nisso…”

“Twilight? Você está bem?” Perguntou Rainbow Dash.

“Sim, poderiam me fazer um favor e avisar os outros que a festa foi cancelada? Spike e eu temos que pegar um trem para Canterlot.”

“Você sabe, por um tempo, realmente pensei que você pegou esse trem para ver seus pais. Eu deveria saber que você poderia usar isso como desculpa para ir à Biblioteca de Canterlot.”

Twilight gemeu com a rabugisse persistente de seu dragão. Ela mal podia culpá-lo, já que ele não esperava ter que se arrumar para pegar um trem à Capital de Equestria, mas não significava que ele tinha que ser rude. “Olha, não importa o quão curiosa eu seja, eu não teria o esforço de preparar aquela festa se não fosse para ver meus pais. Mas desde que a Biblioteca Real esteja no caminho, eu imagino que nós podemos aproveitar o fato de que lá tem mais recursos, de forma que eu possa fazer algum progresso em minha pesquisa sobre cultivo de rochas. Porque se houver uma resposta, não está em Ponyville.”

Três horas depois, já na Biblioteca de Canterlot, Twilight estava começando a se sentir ligeiramente frustrada. “Como assim não tem nada sobre o assunto??”

Isto valeu a ela pouco mais do que um olhar sério da unicórnio sentada no balcão. “Senhorita Sparkle, por favor, isto é uma Biblioteca.”

“Desculpe. É que… como pode não haver nada relacionado ao cultivo de rochas?”

“A resposta é simples, porque isso não existe.”

“Mas isso não faz sentido.”

“Certamente faz mais do que rochas crescendo. De fato, há pôneis que estão atualmente estudando a possibilidade de criar pedras preciosas em laboratório, mas ainda está em fase experimental e longe de ser comercializado.”

“Oh… que maravilha…”

“Hum, twilight?” Spike interrompeu. “não deveríamos ir para a casa de seus pais?”

A unicórnio roxo suspirou. “Tem razão, Spike. E nesse tempo,” ela acrescentou, voltando-se para a bibliotecária. “Talvez você possa obter informações entrando em contato com a família de Pinkie Pie. Se algum pônei pode ter alguma informação, são eles.” A bibliotecária concordou em checar os registros enquanto Twilight visitava seus pais.

“Ótimo, te vejo amanhã.”

“Eu não sei não…,” Disse Spike enquanto saiam da biblioteca. “Você realmente acha que Pinkie Pie vai gostar disso?”

“Não é como se estivéssemos falando sobre sua infância, Spike. Eu só quero saber mais sobre o negócio da família, só isso.”

Como ela meio que esperava, o tempo que Twilight Sparkle gastou na casa de seus pais passou rápido, principalmente porque ela sempre gostava do tempo que passava com eles, desde que ela se mudou para longe e começou seus estudos.Depois de passar a noite com eles (e provocando uma promessa deles a visitarem assim que sua mãe se recuperasse), ela embalou seu presente de aniversário, um álbum com uma compilação de fotos desde quando ela era uma criança. Inicialmente ela queria evitar olhar para ele até voltar para casa, mas sua mãe insistiu que ela pelo menos começasse vendo no caminho, porque “não é certo deixar suas memorias desaparecerem”. Twilight seguiu o caminho até a estação de trem, com Spike montado, uma vez que era a mesma rua em que se localizava a biblioteca real.

“Então, você pode me dizer como entrar em contato com a família Pie?”

A bibliotecária parecia bastante sem jeito. “Bem, na verdade Senhorita Sparkle… você não pode.”

“Hã? Por que? Será por não gostarem de conversar com pôneis que não conhecem?”

“Não… é porque… bem… não há registro deles.”

“O que?!”

“Por favor senhorita Sparkle, sua voz.”

“Desculpe, mas o que você quer dizer com não há registro?”

“O sobrenome Pie não existe, parece que eles não participaram de nenhum censo, ou registro fiscal, não há sequer uma árvore genealógica disponível. Também não há nenhuma evidência ou documento oficial de que sua amiga tenha uma família com esse sobrenome. ”

“Mas… e apenas Pinkie?”

“Bem, há muitas provas de que ela existe, mas…”

“Mas?”

“…até cerca de dez anos atrás, não havia nenhum registro com esse nome também.”

“A unicórnio roxo simplesmente permaneceu em silêncio por quase um minuto antes que Spike falasse. “Hum, Twilight? Você está bem?”

Outra longa pausa. “Estou, Spike. Acho que a família Pie de alguma forma… uh… vamos, temos que pegar um trem.”

Twilight suspirava enquanto olhava para fora da janela do trem, observando o cenário passar. “Bem, terminou como outra busca inútil,” ela murmurou. Mais uma vez, suas tentativas de desvendar os mistérios de Pinkie haviam caído por terra. Talvez algum dia, no futuro, ela seria capaz de aceitar o fato de que sua amiga era, até certo ponto, totalmente indescritível. “Pelo menos eu tinha algo para pensar que não fosse apenas minha mãe,” a unicórnio pensou consigo mesma. Ela provavelmente teria apenas mudado sua preocupação com a festa para com o bem estar de sua mãe, se não fosse o dilema que havia sido criado, quando Spike sugeriu pensar nisso em primeiro lugar.

“Eu acho que essa busca não foi tão inútil afinal,” Twilight concluiu com um sorriso. Assim, ela decidiu abrir o álbum que seus pais haviam dado carinhosamente a ela.

O que ela viu quase fez o livro cair no chão.

“Hum… você está bem? Você não disse quase nada desde que saímos do trem.”

Twilight suspirava enquanto caminhava através de Ponyville. “Eu…. estou bem Spike. Apenas… preciso pensar um pouco sobre algumas coisas.” Os dois caminhavam em silêncio quando a Biblioteca de Ponyville finalmente ficou a vista.

“Feliz aniversário.”

“Obrigada Spike,” disse a unicórnio, finalmente permitindo a si mesma sorrir enquanto ela abria a porta. “Bem, agora eu vou…”

“SURPRESA!!”

“Twilight se surpreendeu ao ver suas cinco amigas na biblioteca que estava decorada com várias serpentinas e bexigas em tom azul. Todas estavam sorrindo para ela, sendo Pinkie Pie com o sorriso mais largo (como de costume). “Pinkie Pie… você planejou uma festa para mim?”

A pônei terrestre sorriu. “Não boba, você planejou essa festa. Eu apenas garanti que tudo estaria pronto quando você voltasse de Canterlot. Veja que tudo está feito do jeito que você queria!”

De fato, era verdade: o bolo, a comida, as decorações, a festa em si estava perfeitamente em conformidade com seu planejamento original. “Nossa pessoal, ficou… maravilhoso.” Twilight esboçou um grande sorriso. “Bem, e o que estamos esperando? Vamos começar!”

A festa em si era relativamente discreta; quando Pinkie Pie disse que ela usou o plano de Twilight, por Celestia, foi o que ela quis dizer. Esta foi uma noite bem movimentada, mas de muitos risos e conversas calmas.  Não muito demasiada, mas não muito louca também, era o tipo de festa que a unicórnio roxo sempre queria ter desde que era criança. Pensando em sua infância, porém, ela se lembrava do conteúdo que viu no álbum, e logo foi ficando visivelmente quieta.

“Twilight? Alguma coisa errada?”

“A unicórnio se restabeleceu para ver o rosto de Pinkie Pie olhando para ela com alguma preocupação. “Eu estou bem Pinkie. É que…”

“Sim?”

“Nós podemos conversar? Digo, eu e você em particular. Há algo que eu preciso tirar das minhas costas, por assim dizer.”

“Okie dokie lokie! Que tal na sua cozinha?”

“Pode ser.”

A dupla foi para o local em questão enquanto suas amigas ficavam conversando, fechando a porta atrás delas. “Certo, estamos aqui!” Disse Pinkie. “O que você queria falar?”

Aqui vai nada, Twilight pensou consigo mesma. “Bem, você sabe que estive interessada no cultivo de rochas recentemente.”

“Hum… sim.” Pinkie Pie respondeu hesitante.

“Bem, desde que saí de Ponyville, eu passei na Biblioteca Real… e mesmo lá não achei nada parecido. Então pensei que poderia entrar em contato com sua família, apenas para conversar sobre cultivo de rochas, nada mais, e, bem, não havia nenhum registro deles.” Twilight pausou para ver a reação de Pinkie Pie, mas ela não aparentava nenhuma reação. A unicórnio decidiu continuar enquanto pegava o presente de seus pais e o colocava sobre a mesa. “Eu, na verdade não iria falar sobre isso, mas então olhei o álbum que minha mãe me deu. Dê uma olhada.”

Lentamente, Pinkie caminhou até a mesa e olhou para a página que sua amiga tinha aberto. Era um tipo de desenho a lápis de uma pégasus branca com uma crina crespa e loira, olhos roxos profundos, um grande sorriso, e uma marca especial com três balões roxos. Ela estava cercada por um bolo, confetes, e outros acessórios de festas. Pinkie Pie comentou o óbvio: “Ela se parece muito comigo, não?”

Twilight preferiu não responder diretamente. “Como você provavelmente pode perceber, quando eu era criança, era muito mais introvertida do que sou agora, em outras palavras, eu era solitária. Na maioria das vezes, eu era capaz de li dar com isso. Sempre tive meus livros, minha família, brinquedos como Smart Pants, mas sentia que ainda faltava alguma coisa, e era sempre óbvio quando havia uma festa. Do meu ponto de vista, havia dois tipos de festas: o tipo em que não era convidada e o tipo em que era, porque os pais dos pôneis aniversariantes os faziam convidar todos os alunos que estudavam na mesma sala de aula. Ambos os tipos faziam eu me sentir totalmente miserável, então, eventualmente, decidi criar minha própria amiga, uma pônei que faria festas para mim, não importava o que acontecia. Eu dei a ela o nome de Surprise, e desenhei essa imagem dela. Nós… digo, eu me divertia muito com ela. Quando ela não estava fazendo uma festa no meu quarto, me fazia rir com coisas loucas que não deveriam ser possíveis, mas estava tudo bem, porque ela era imaginária, de forma que as regras normais não se aplicavam a ela. Mas… depois que ganhei minha marca especial e a Princesa Celestia me aceitou como sua aluna particular, eu… parei de pensar nela. Na verdade, foi até abrir esse álbum que me lembrei de quem ela era. Além das cores diferentes, e do fato de ter asas, ela… ela se parecia com você, Pinkie. Ela agia como você. Eu acho que até a voz dela soava como a sua.”

Pinkie Pie não respondeu, continuando olhando o desenho no álbum.

“Pinkie Pie? Como você realmente conseguiu sua marca especial?”

A pônei rosa ainda não disse nada. Ao invés disso, ela fechou os olhos com força, como se estivesse tentando segurar uma lágrima que estava se formando.

“Olha Pinkie, eu sei que você não gosta de falar sobre isso, e também não tem que responder a minha pergunta, mas… depois de tudo o que eu vi, e tudo que lembrei, eu estou chegando a uma conclusão que não faz absolutamente nenhum sentido.”

“Eu… eu não quero estar certa sobre isso Pinkie, mas essa parece que é a única conclusão que se encaixa, que é porque eu estou esperando que você possa me dar a evidência que me falta, alguma coisa que dê lógica a isso tudo.”

Após um longo silêncio, a pônei terrestre olhou para sua amiga. “Eu sinto muito, Twilight.” Ela disse em um tom baixo da qual a unicórnio jamais ouvira antes, “mas eu não posso.”

“Você não quer falar sobre isso?”

“Não, o que quero dizer é que não posso dar a informação que lhe falta… porque não há nenhuma.”

“O que?! Mas Pinkie… você… você entende onde eu quero chegar, certo?”

Pinkie Pie não respondeu, preferindo contar a ela sua própria história. “Antes de eu ver o sonic rainboom, todas as minhas memórias eram… como um sonho. Eles meio que vinham e sumiam, mas nunca eram sólidos, como o tipo normal. Era muito divertido. Haviam as festas, claro, mas mais do que isso, era divertido porque eu passava todo o meu tempo com essa incrível unicórnio criança. Ela era realmente super ultra inteligente, mas não tinha muitos amigos, então ela precisava ser animada um pouco. Eu amava quando conseguia fazer ela esboçar um sorriso.

“Mas depois do sonic rainboom, tudo ficou diferente. Digo, não apenas porque eu era uma pônei rosa ao invés de uma pegasus branca, mas… que era… real. Oh, e minha marca especial não era mais roxa. Desde que eu realmente não tenho nenhuma lembrança de não ter uma, acho que isso é o mais perto que consigo de uma história de ganhar a marca.”

“Então, cultivo de rocha é…”

“É algo que inventei no calor do momento, onde as Cutie Mark Crusaders não achariam que era algo estranho, ou que eu não queria contar minha verdadeira história. Achei que seria uma boa… eu… eu não devia ter mentido para elas.”

“Está tudo bem, Pinkie… eu não acho que nenhum pônei estava pronto para a verdade naquele momento. Quero dizer… eu não estou certa se eu estou pronta para isso, mas aqui está você me dizendo. Então… você sempre soube?”

“Bem, eu me encontrei no lado de fora de Ponyville quando vi o rainboom, e quando andei pela cidade, todos os pôneis acharam que eu estava com amnésia. As lembranças dos sonhos não ajudou nenhum pônei a descobrir quem eu era, então eu decidi que a melhor coisa a fazer era começar de novo. Desde que uma das enfermeiras no hospital me chamou de Pinkie Pie, eu decidi usar como meu nome. A família Cake me levou, me deram um emprego pra pagar meu aluguel, que eu sei que foi menos do que o normal, desde que eu ainda tinha que ir para a escola na época. Felizmente, fui capaz frequentar a sala de aula com facilidade, provavelmente por passar tanto tempo em sua cabeça.

“Depois de alguns anos, as coisas pareciam se estabelecerem muito bem. Após a graduação, os Cakes me deram um trabalho melhor, digamos que eu fui promovida, o que foi ótimo. Havia momentos em que eu quase acreditei que realmente era apenas uma pônei terrestre normal, que tinha amnésia. Mas então… você veio a Ponyville. Quando eu te vi, imaginei que era familiar, então decidi caminhar para conversar com você, mas quando você se apresentou como Twilight Sparkle…”

“…você se apavorou porque percebeu que suas memórias eram verdadeiras.” A unicórnio completou.

“Uh huh. Levei um tempo para voltar ao hábito alegre de sempre, do contrário, você teria conseguido um tratamento Pinkie Pie no ponto!” A pônei terrestre concluiu com uma risadinha.

Twilight suspirou. “Deve ter acontecido durante essa onda de energia mágica em meu teste. Quero dizer, eu transformei meus pais em vasos de plantas. Então fazer uma amiga imaginária aparecer no mundo real não é muito mais inacreditável …. Sinto muito, Pinkie Pie “.

Pinkie Pie parecia confusa por um breve momento, mas depois ela estourou em um grande sorriso reconfortante. Essa era outra chance de animar uma amiga familiar. “Por quê? Você não tem nada que se desculpar. Não é como se você tentasse se livrar de mim de propósito. “

“Mas muita coisa deve ter sido difícil pra você.”

“Bem, sim, no começo, mas eu não me entregaria por nada.”

“Mesmo?”

“Claro! Quero dizer, sendo sua amiga imaginária era super divertido, se as outras soubessem o quão incrível era o interior de sua cabeça, elas adorariam também, mas isso não é nada, e eu quero dizer nada como ser sua amiga de verdade!” Qualquer sugestão de melancolia era, até agora, completamente ausente da voz de Pinkie Pie.

“Mas eu me esqueci de você por anos …”

“Bem, duh! Eu não estava em sua cabeça mais, então por que você pensaria em mim?”

“Ainda assim, eu não te reconheci até hoje cedo.”

“Eu não me pareço com a Surprise mais. Você, por outro casco, ainda parece Twilight Sparkle “.

“Pinkie … Eu não … Eu. .. “Twilight estava em uma perda completa de palavras, então em vez de falar ela caminhou até sua amiga e a abraçou. “Obrigada.”

“Sem problemas, Twilight. Hum, se terminamos, podemos voltar para a festa?”

“Oh, sim! As outras provavelmente estão se perguntando por que estamos demorando muito.”

“Na verdade não. Elas estão todas ouvindo do outro lado da porta.”

“O quê?” A unicórnio usou sua magia para abrir a porta o mais rápido que pôde, fazendo quatro pôneis e um bebê dragão caírem um em cima do outro na cozinha. “Vocês …”

“Uh, desculpe, Twi”, disse Applejack se levantando. “Mas nós estávamos curiosas sobre o que vocês estavam falando, e …”

“E?”

“Bem, Pinkie Pie realmente disse que era apenas sua amiga imaginária?”, perguntou Rainbow Dash.

“Praticamente”, confirmou Pinkie.

“Mas … como pode isso? “, perguntou Fluttershy.

“Eu não tenho idéia “, respondeu Twilight Sparkle. “E realmente não me importo agora. Pinkie Pie ainda é Pinkie Pie, independentemente de onde ela veio. “

“Sabe,” Rarity repentinamente falou, “isso tecnicamente faz de você mãe de Pinkie Pie”.

“Eu acho… espere, o que?”

Os olhos de Pinkie se arregalaram. “Ooh! Isso significa que eu posso chamá-la de ‘mamãe?’”

“Não! Eu não deixou nem Spike me chamar assim.”

A pônei terrestre engasgou. “É isso mesmo! Você me criou no mesmo dia em que chocou Spike! Isso significa que nós somos gêmeos!”

Twilight revirou os olhos e gemeu. Isso vai me dar algumas dores de cabeça antes de ficar tudo resolvido. Ainda assim, no grande esquema das coisas, era um pequeno preço a pagar.

Querida Princesa Celestia,

Quando você me deu pela primeira vez a missão de aprender sobre “a magia da amizade,” eu supunha que você estava falando metaforicamente. Mesmo no contexto de empunhar os Elementos da Harmonia para a defesa de Equestria, pensei em amizade mais como uma ajuda psicológica que permitiria que a nossa magia funcionasse de forma eficiente, e não como uma fonte de mágica propriamente dita. Para ser honesta, esta abordagem tem me ajudado a ver como a amizade pode, em muitos aspectos, ser tão poderosa como os feitiços que eu aprendi em meus estudos, mas isso só é possível se de fato houver a compreensão do que é amizade, que significa exatamente desejar o bem para o próximo, mesmo que para isso haja o risco de nos afastarmos uns dos outros.

A recente revelação de quem é Pinkie Pie, de fato, uma das amigas imaginárias que eu tinha quando criança, dada a forma física durante a explosão de magia que ocorreu quando eu recebi a minha marca especial, me levou à conclusão de que existem circunstâncias em que a amizade é realmente mágica, no sentido mais literal possível, graças ao amor que sentimos um pelo outro, que é exatamente de onde vem a verdadeira amizade.

Todas as coisas que fazem Pinkie Pie ser uma pônei unica é o resultado direto da atenção que eu dei a ela durante a criação de sua encarnação anterior como Surprise. Mesmo seu Senso Pinkie é o resultado direto isto: como criança, eu queria ter uma amiga que pudesse me acalmar quando eu começasse a me preocupar e me desse confiança de que tudo ficaria bem, então eu dei a Surprise a capacidade de prever o futuro. Em outras palavras, é por causa da amizade que eu criei com ela quando criança que Pinkie Pie tem todas essas habilidades estranhas que só podem ser classificadas como “mágica”.

Eu ainda não entendo porque o corpo e crina de Pinkie Pie mudaram de cor, ou por que ela se materializou como uma pônei terrestre em vez de pegasus. Eu diria que tem algo a ver com a minha incapacidade de controlar minha magia na época, mas essa experiência reforçou a importância de nunca assumir nada quando se trata de Pinkie Pie.

Com tudo o que está sendo dito, eu atualmente não tenho ideia de como isso vai mudar a relação que tenho com ela, mas estou confiante de que, com a ajuda de nossas amigas, tudo vai dar certo, porque acima de tudo, mais do que mágica, foi o amor que sentia por ela que tornou tudo isso possível, e eu estou muito feliz por tê-la ao meu lado. Pinkie Pie… minha amiga, uma parte de mim, minha família.

Sua aluna fiel,

Twilight Sparkle.

Luna guardou a carta que sua irmã lhe entregou. “Você está certa. Isso foi de fato … interessante.”

Celestia levantou uma sobrancelha com curiosidade. “Esse é o seu único comentário?”

“Sendo ou não uma amiga imaginária, me pergunto de qual ponto do universo veio seu espírito.”

“Nunca ouviu falar de filtro espiritual irmã?”

Luna acenou. “Claro, para encarnar como um pônei o espírito deve ser puro, para não dizer evoluído.”

“Então você sabe que não precisa se preocupar com Pinkie Pie.”

Luna sorri, balançando a cabeça “Da mesma forma como você não se preocupa com Lyra?”

“Sim. Você sabe, a Terra é o contrário de Equestria, lá nascem os piores espíritos, e são muito poucos os que conseguem transcender. Mas não é impossível e eu gosto quando um deles consegue.”

Luna ri. “Mas a maioria dos humanos é muito boa em acreditar que se um furacão passar em um ferro velho, levantar aquele monte de parafusos e peças velhas, esse processo de alguma forma irá formar do nada uma máquina que eles chamam de automóvel.”

“Por que diz isso?”

“Porque o corpo humano é milhões de vezes mais complexo do que qualquer máquina já construída por eles. Então se eles não acreditam em Deus e acham que suas vidas surgiram do nada, também devem acreditar que se um furacão passar em um ferro velho e levantar aquela parafernalha de peças soltas irá formar um carro, navio, avião, computador, nave espacial, etc… do nada. Aposto que eles acreditam que ao arremessar um quebra-cabeça com centenas de peças para o ar, elas irão cair no chão montadas, com cada peça encaixada perfeitamente uma na outra.”

Celestia sorri. “De qualquer forma, voltando ao assunto, Pinkie Pie deu muito certo, não é?” Celestia afirmava enquanto olhava distraidamente para fora da janela do palácio no jardim de esculturas. “Melhor do que a nossa experiência, para dizer o mínimo.”

Ao ouvir isso, Luna se permitiu o luxo de um sorriso quase imperceptível. “Como de costume, o seu talento para o eufemismo é estranho, minha querida irmã.”

O toque de uma mãe

good_night_by_rainbowspine-

Ilustração: Rainbow Spine

Autor: DustyPNY

Gênero: Slice of Life

Tradução: Drason

SINOPSE: Twilight sabia que um dia Spike sentiria o impacto de ser diferente dos outros pôneis. Ela só não esperava que isso aconteceria tão cedo, em plena festa de natal na casa de Pinkie Pie.

****

A escuridão gritante de natal envolvia toda Ponyville enquanto Twilight Sparkle se estabelecia com o cair da noite. A cabeceira próxima da sua cama mantinha a última vela acesa na biblioteca, com o cintilar das luzes dançando entre as paredes e as frestas da janela de seu quarto. Seus olhos cansados se fixavam nos lençóis de sua cama enquanto ela usava sua magia para levantá-los, se rastejando preguiçosamente embaixo deles. A satisfação corria por suas veias enquanto sua pele tocava o colchão macio, resultando em um merecido descanso depois do forte resfriado que a assolou o dia todo.

“Eu me pergunto como está indo o Spike.” A alicórnio roxo pensava consigo mesma enquanto brincava com sua mágica, deixando uma pena do travesseiro cair em cima de seu focinho. Apesar do resfriado, ela disse a Spike que poderia cuidar de si mesma, e insistiu que o dragão fosse ao Torrão de Açúcar onde Pinkie Pie havia organizado uma festa de natal que já era tradição em Ponyville, onde Big Mac vestido de Papai Noel aparecia para recepcionar várias crianças que o esperavam ansiosamente. Twilight sempre pensava no fato de que, assim como aquelas crianças, Spike também era uma, e assim como elas deveria usufruir de sua infância, algo que muitas vezes ele mesmo se privava com o trabalho na biblioteca, mesmo quando Twilight pedia para ele tirar uns dias de folga, já que a responsabilidade do dragão sempre falava mais alto, e acabava ficando por isso mesmo.

Outro detalhe que preocupava Twilight era o fato dele ser o único dragão de Ponyville, o que certamente tornava mais difícil seu entrosamento com outras crianças e do qual ela temia que poderia ocorrer nessa noite. Twilight agitava seu pensamento, se virando em direção da vela acesa, finalmente deixando seus olhos se fecharem. Ela sorria, procurando evitar seu temor, imaginando Spike brincando com as outras crianças, tendo uma infância que nem ela mesma administrou direito, e do qual ela não queria que se repetisse com Spike.

Twilight acabou finalmente adormecendo, porém, um ruído no andar debaixo interrompeu subitamente o sono. Assustada, seu chifre começava a brilhar enquanto ela se levantava com dificuldade, saindo debaixo dos cobertores. Alguém havia acabado de entrar em sua casa.  “Se pelo menos Spike estivesse aqui,” Twilight pensava enquanto produzia uma esfera roxa de magia brilhante. Sem a vela que queimou há muito tempo, a magia era sua única fonte de luz, da qual ela usou para descer escadas abaixo até o salão principal da biblioteca.

Uma rápida inspeção na sala e ela constatou que a porta da frente não estava totalmente fechada. Por meio da fenda na porta, ela podia ver a neve caindo em grandes pedaços do lado de fora, além do assovio do vento, mas também era possível escutar a música vindo do Torrão de Açúcar e as crianças gritando alegremente, em uma mistura de vozes em que certamente a mais alta era de Pinkie Pie. Twilight rapidamente fechou a porta para que o vento gelado não entrasse mais, agravando ainda mais seu resfriado.

A esfera flutuava em cima dela, lançando sua luz aquecida ao redor da sala. A luz também revelou a sombra de um calda. Twilight só conseguia pensar em uma coisa que pudesse ter aquela forma.

“Spike?” Twilight chamava em voz baixa enquanto se aproximava do local em que a sombra estava. A única resposta que ela teve foi o estalo de uma joia caindo no chão e rolando até atingir o seu casco. Ela olhou para baixo e o levitou com sua magia, abrindo ligeiramente sua mandíbula e o pegando com a boca.

Era um rubi de fogo, esculpido na forma de um coração, porém não possuía curvatura perfeita, deixando bem claro que foi feito por um escultor novato, que também parecia estar faltando um pedaço. Os sons de soluço traziam sua atenção de volta para o bebê dragão. Ela colocou o rubi em uma mesa próxima e se voltou para Spike, ouvindo seus choros. Meu pobre bebê, Twilight entristeceu um pouco enquanto trotava até ele, que estava situado atrás de uma estátua da StarSwil.

“Spike, vem aqui.” Twilight suspirava enquanto se aproximava dele. Seus olhos estavam cheios de simpatia enquanto ela o chamava.

Um triste gemido escapou por trás da estátua. Para surpresa dele, ela usou sua mágica para localizá-lo com precisão e usar sua telecinese. Sua aura envolveu o dragão e o tirou cuidadosamente do local. O beicinho que resultou confirmou as suspeitas de Twilight, enquanto ela o estabelecia bem próximo de si.

“Spike, o que houve?” A resposta do dragão veio na forma de fungadas e soluços.

“Por que demorei tanto pra perceber isso? Todas as crianças brincando, conversando entre elas, e eu não conseguia, eu tentava, mas não saía uma palavra de mim, elas viram que eu era diferente, mas o pior foi eu me sentir assim e transmitir isso para elas. Só agora notei Twilight, que não vou conseguir me socializar com outros pôneis da forma como eles fazem normalmente. Eu não sirvo pra nada além de ser um ajudante de biblioteca.” Os olhos de Twilight se encharcaram vendo Spike, o dragão que ela arrastou de Canterlot para Ponyville com o coração partido.

Twilight levitou seu assistente para mais próximo dela, sentando bem ao lado dele. Ela acariciava suavemente suas costas com o casco, enquanto seus soluços davam lugar a um gemido de dor no peito. Ela não podia suportar vê-lo com o coração partido, mas sabia que um dia ele iria sentir que era diferente dos outros, sem no entanto saber que tipo de impacto isso teria em sua vida. Agora ela sabia. Spike mantinha seu rosto na direção do chão, com suas lágrimas congeladas caindo enquanto derretiam.

Twilight não tinha certeza de como responder. Ela não queria machucá-lo ainda mais.

“Meu natal está arruinado…” Spike fungava, deitando-se contra o chão.

Os olhos de Twilight brilhavam em uma centelha especial, algo que ela não sentia desde o incidente contra Nightmare Moon.

“Spike,” Twilight começou, com um sorriso simpático. “Só porque uma coisa não vai bem, não quer dizer que o seu natal está arruinado.”

Spike gemia enquanto Twilight se deitava ao lado dele, envolvendo seu braço sob o corpo do dragão. “Eu nunca vou ter uma vida normal, Twilight, sempre vou me sentir um alienígena perto dos outros.”

Twilight sabia que isso era verdade. Desde o dia em que ele foi sozinho se encontrar com outros dragões no topo de um vulcão, ficou claro que não apenas seu físico, sua personalidade também era diferente.

“Por que eu não poderia ser um pônei grande e forte como o Big Mac? Ele é calado, mas consegue ter mais amigos do que eu, e com certeza chamaria atenção até da Rarity…” Spike colocou seu focinho nas dobras do antebraço de Twilight, escondendo seu rosto dela.

“Porque não é quem você é, Spike. Mesmo se Rarity passasse a gostar de você como pônei parecido com Big Mac ou qualquer outro, ainda assim ela não estaria amando quem você é.”

“Eu… acho que você está certa…” Spike suspirou nos braços de Twilight, seus olhos encharcados também deixaram uma mancha em sua pele. Ela o abraçou ainda mais apertado contra o peito. Twilight riu suavemente ao se levantar sobre seus cascos, segurando Spike com uma de suas pernas dianteiras e usando outro feitiço de luz para iluminar o caminho até o seu quarto. Enquanto o dragão se estabelecia em seus braços, ela acendeu seu chifre e agarrou o rubi em cima da mesa discretamente. Spike bocejava baixinho enquanto Twilight começava a subir as escadas, com a esfera de luz flutuando acima de suas cabeças.

Enquanto eles subiam, Twilight podia ver pelas janelas o céu mal iluminado com a enxurrada de neve soprando em meio às ventanias. Pelo menos Spike estava em casa agora, ela se assegurou, contente por ele ter voltado para casa ao invés de enfrentar o inverno e se esconder de todo mundo, frustrado, em um lugar incerto. Twilight passou pelo cesto em que Spike costuma dormir, e ao invés de colocá-lo nele, ela o aconchegou em sua cama, usando sua magia para cobri-lo.

“Mas Twilight, eu não estou cansado…” Spike interrompeu, com seus olhos ainda húmidos. Algumas lágrimas ainda estavam lá, mas Twilight os limpou com as costas de seu casco.

“Você passou o dia todo ajudando Pinkie com os preparativos no Torrão de Açúcar, precisa descansar, Spike.” Ela disse, acariciando seu rosto com o focinho, e em seguida o abraçando e o envolvendo em suas asas, recebendo um merecido carinho de sua zeladora. Twilight usou o tempo em que eles estavam perto um do outro para levitar o rubi e colocá-lo ao lado dele. Ela sentiu os braços relaxarem ao redor do dragão.

“Você esculpiu esse rubi para Rarity?”

“Sim.”

“Ficou muito bonito, devia ter dado a ela.

“Eu… fiquei com medo que ela não gostasse…”

“Você é mais amado do que pensa, Spike.” Twilight encostou a nuca na cabeceira da cama, observando a neve caindo pela janela. “Com o tempo você vai descobrir isso, e saber lidar com essa diferença, mas a primeira coisa que você tem que fazer é se aceitar como é. A partir do momento que você começar a gostar de si mesmo, não vai mais se importar de ser diferente ou do que os outros pensam a seu respeito.” Ela finalizou beijando Spike na testa. O carinho da alicórnio roxo acalmava o dragão de todas as suas frustrações.

“Feliz natal, mãe.” Spike bocejava enquanto colocava o rubi ao seu lado. Seus olhos verdes finalmente se esconderam entre suas pálpebras, agora sem lágrimas, nem a tristeza de se sentir sozinho, aconchegado nos braços e asas da alicórnio. Porém, os próprios olhos de Twilight começaram a derramar lágrimas. Ele me chamou de mãe..

Twilight mantinha as lágrimas caindo em seu cobertor enquanto ela finalmente se aconchegava na cama, com Spike em seus braços. Ela puxou bem a coberta próxima de suas cabeças para garantir que seu dragão ficasse bem aquecido a noite toda.

“Boa noite, meu filho.” Twilight fungava enquanto lhe dava outro beijo maternal. De todos os bons momentos que ela já teve desde que veio para Ponyville, nenhum superaria este. Através de seus anos de lições sobre amizade, nada poderia superar o momento em que o dragão que ela chocou, desde quando era apenas uma criança, iria chama-la de mãe.

Isso abriu uma nova via de lições e aprendizados, que seriam partilhados com suas amigas, e com o tempo ajudaria Spike a superar suas mágoas.

“Spike, meu assistente número um e filho número um. Eu te amo, e sempre vou te amar com ou sem diferenças.” Twilight sorria enquanto seus olhos se fechavam suavemente, em seu confortável travesseiro. Sua magia de luz estava finalmente se dissipando enquanto ela voltava a dormir. Uma vez que a luz sobrecarregada do presente queimado se foi, os pensamentos do futuro começavam a fluir. O natal foi o marco do começo para uma ótima relação mãe e filho.