1º de março – dia da Derpy Hooves

depyday

Feliz dia da Derpy bronies!!

Imagem: Drason

Anúncios

Compreender e perdoar

Trixie

Autor: Mr.Grimm

Ilustração: Lilalá Star

Gênero: Slice of Life

Tradução: Lucas T.

SINOPSE: Trixie reflete sobre suas ações após a derrota no duelo mágico contra Twilight, acreditando que ninguém jamais a perdoaria pelo ocorrido. Mas dois de seus maiores fãs a ajudarão a mudar de ideia.

——

Trixie não se sentia mais a grande e poderosa enquanto se esgueirava lentamente para longe da praça central. Ao invés disso, sentia uma imensa sensação de vulnerabilidade enquanto se escondia da multidão de Ponyville, onde encontrou refúgio dos olhos do público em um pequeno beco. Uma vez nas sombras, a unicórnio mágica se sentou, olhando para Twilight e suas amigas enquanto elas eram cercadas por pôneis as aplaudindo. Embora ela observasse os elogios e carinhos que todas recebiam, pela primeira vez isso não causou nenhuma inveja nela. Sua mente ainda estava em choque, seus pensamentos cambaleando em sua cabeça como partículas em um globo de neve.

Trixie ainda estava tentando entender o que tinha acontecido. A unicórnio olhava fixamente para fora, nos pôneis que ajudaram Twilight a impedir o domínio de Ponyville. Agora ela entendeu o que aconteceu. O feitiço da idade foi simulado com vários pôneis diferentes, passando a ideia de que era o mesmo pônei. O feitiço que duplicou Rainbow Dash foi feito praticamente da mesma forma, duas pegasus se parecendo com apenas uma. O semblante de Trixie caiu em uma carranca enquanto as últimas brasas de seu orgulho desapareciam.

Elas a derrotaram com mágica de palco, cheio de truques, algo em que Trixie deveria ter sido boa.

Boquiaberta e em silêncio, a unicórnio azul se afastou da praça da cidade e da massa de pôneis atrás dela conversando um com o outro. Ela não os escutava mais. Trixie pressionou suas costas contra a parede, olhando fixamente para frente. Os eventos que haviam acontecido momentos antes voltavam mais e mais em sua mente. No final, mais poder não mudou absolutamente nada. Ainda assim ela acabou sendo humilhada novamente. Mas não por Twilight Sparkle.

Trixie fechou os olhos, os cobrindo com os cascos. Estúpido. Simplesmente estúpido. Essa era a única forma como ela conseguia definir sua derrota. Trixie caiu facilmente nessa armação, sem nem mesmo desconfiar. A unicórnio azul estava tão segura de si, tão confiante em suas habilidades, que acabou agindo como uma boba. Ela poderia ter negado a entrada de Twilight para a cidade recém chamada de “Trixieville” e evitado toda aquela situação, mas não.

Trixie olhava de volta para Twilight e suas amigas, agora todas unidas em um único abraço. Presenciando a demonstração de carinho entre elas, a unicórnio passou a comparar suas próprias atitudes para com as amigas de Twilight. Ela não havia sido gentil com elas, as questionando sobre o porquê de terem ficado do lado de Twilight, após sua humilhação durante o incidente com a ursa menor. Mas agora, depois de recordar, a unicórnio se lembrou que não havia sido gentil com qualquer um dos cidadãos de Ponyville. Tão duro quanto ela pensava, Trixie não poderia encontrar uma forma de justificar seu comportamento.

Uma lágrima escorria pelo seu rosto. Nada. Não havia nenhuma razão para ela ter agido daquela forma. Seus lábios se separaram, deixando um soluço silencioso se propagando pelo beco escuro. Ela tinha sido cruel com todos.

Trixie os forçou a confecionar banners, estátuas, até mesmo um trono, sendo que ela poderia ter feito tudo isso facilmente com o poder do amuleto. Ela se lembrou de tudo o que tinha feito naquele dia e, a cada pensamento ela se sentia mais e mais pesada.

A unicórnio fungou. Ela merecia os longos e solitários anos que viriam após esta derrota. As notícias iriam se espalhar sobre seus atos, assim como da última vez. Ela não seria aceita em qualquer lugar perto da civilização. A grande e poderosa Trixie nunca iria se realizar novamente, ou apresentar um show.

“Trixie?”

A unicórnio olhou para cima e viu outros dois unicórnios de pé, situados no lado de fora do beco, um alto e magro, o outro curto e robusto. Trixie sentia a culpa como uma facada em seu coração enquanto olhava para eles. Ela os fez puxarem um vagão sem rodas pela cidade. Por isso estava surpresa com eles ainda serem capazes de falar com ela depois de tudo o que os fez passarem.

“Ei Trixie, o que está fazendo aqui?” Perguntou Snips. Trixie se afastou deles.

“Escondendo…” retornou a voz baixa e triste das sombras. Um minuto se passou, e os dois potros ainda permaneciam lá. Snails inclinou a cabeça ligeiramente.

“Por que?”

“Porque… eu sou uma pônei estúpida e arrogante.” A unicórnio recuou um pouco mais para dentro do beco, querendo apenas que eles fossem embora. Mas eles não foram. Em vez disso, eles entraram no beco e se sentaram na frente dela. A unicórnio azul escuro ficou ainda mais surpresa quando não viu qualquer ódio em seus olhos. Eles apenas tinham o mesmo entusiasmo e respeito de sempre enquanto olhavam para ela.

“Não se preocupe, Trixie.” Disse Snails. “Vai ficar tudo bem”

“Essa poeira toda vai baixar até amanhã.” Acrescentou Snips. Trixie olhou para os dois. Ela sabia que eles não eram muito espertos, mas ainda assim inteligentes o suficiente para entenderem a gravidade do que ela fez.

“Eu… não acho que irão se esquecer disso tão cedo…” Trixie respondeu rouca.

“Claro que vai…” Respondeu Snips. “E ficará tudo bem.”

“Como da última vez quando trouxemos a ursa menor para a cidade.” Disse Snails.

Sim.” Continuou Snips. “Eles ficaram bravos com a gente por um tempo, mas passou.” O sorriso dos dois não foi suficiente para consolar a unicórnio. Ela tinha tomado e escravizado uma cidade inteira. Trixie duvidava que isso poderia passar.

“Snips, Snails…” Ela suspirou. “Vocês não entenderam. Eu fui terrível com todos e eu…” Trixie não conseguia se expressar com palavras, referente à forma como ela agiu. Doía pensar sobre o que ela tinha feito.

“A culpa não foi toda sua.” Disse Snips. “Twilight disse que o amuleto mexeu com sua cabeça.” Os ouvidos de Trixie se levantaram, e ela olhava arregalada para o potro azul.

“O que?”

“Ela disse que o amuleto estava te corrompendo ou algo assim.” Disse Snails. O semblante de Trixie mudou ao refletir sobre isso. Se o amuleto era corruptível, poderia explicar seu comportamento desagradável para com os habitantes de Ponyville. Porém, ao invés de se sentir aliviada pela possibilidade de sua crueldade não ter sido culpa dela, Trixie começou a sentir horrorizada. Até que ponto ela chegou antes que pudesse parar? Como ela pôde se tornar tão distorcida?

“E você lamenta, certo?” Trixie piscou quando foi tirada de seu transe pela pergunta, voltando a olhar para os dois unicórnios.

“Mas é claro que sim.” Ela murmurou, com uma expressão de tristeza. “Me sinto terrível.”

“Tudo bem.” Disse Snails. “Eu te perdoo.”

 “Eu também.” Acrescentou Snips.

Trixie se surpreendeu com os dois. Ela percebeu que em nenhum momento eles vieram até ela para demonstrar que a odiaram pelo que fez, mas sim para fazê-la entender que eles a perdoaram. Trixie achava que isso seria impossível.  Ela procurou por algum traço de sarcasmo no semblante dos dois, mas não achou nada.

“Mesmo?” Murmurou uma vez que encontrou sua voz novamente. “Vocês… me perdoam?”

“Sim.” Disse Snails.

“Claro.” Acenou Snips.

A fria vergonha que dominava Trixie foi diminuindo aos poucos, dando lugar a um calor que emanava de seu peito. Sua carranca assumiu um leve sorriso.

“Obrigada…” antes que ela pudesse dizer mais alguma coisa, já tinha os dois em um abraço. “Muito obrigada.” Ela disse enquanto os dois se afastavam. Após alguns minutos, Snips limpou a garganta e deu um sorriso tímido.

“Tudo bem.” Ele disse. “Você quer ir conosco para a festa de hoje à noite?”

Trixie olhou hesitante para todos os pôneis na praça. Ela não sabia se eles a perdoariam como Snips e Snails.

Mas ela jamais saberia se não tentasse, e além disso, também precisava se desculpar com uma certa unicórnio roxo, Twilight. Ela olhou de volta para Snips e sorriu levemente.

“Eu… vou com vocês!”

Cobertores

Título original: Blankets

Autor: Patchwork-Inkblot

Gênero: Romance, Slice of Life

Tradução: Lucas T.

Sinopse: Em uma noite de inverno, Twilight acorda após um pesadelo e revela a Spike seu temor de que um dia ele possa ir embora, quando adulto.

_________

“Twilight, eu tenho que ir.”

Não, por favor, não essas palavras. Ainda não era hora. Ele não estava tão alto assim, honestamente! Ele ainda era o mesmo que sempre esteve dentro da biblioteca.

Twilight tentava falar, mas não conseguia escutar as próprias palavras. Era como se estivesse abafada por cobertores de nevoeiro, onde nenhum pônei, nem mesmo Spike, podia ouvi-la. Ela suplicou, lamentou, e mesmo sentindo as lágrimas escorrendo em seus olhos, não conseguia pronunciar um único som.

Ele se virou de costas para ela, esticando suas enormes asas. As sombras delas pareciam cobrir toda Ponyville. Twilight sentia seu corpo se mover para frente, correndo em direção do gigantesco dragão. Ela estava gritando, gritando qualquer razão legítima que ela pudesse arranjar para convencê-lo a ficar. Sem ele, confissões nunca mais seriam feitas, festas de aniversário nunca mais seriam realizadas, a biblioteca não seria a mesma de antes, cheias de poeira, que envolveriam seu coração como um livro intocado.

Ela estava tão perto agora, talvez Spike a ouviu chamando, talvez ela tivesse uma chance! Havia apenas um pequeno espaço separando ela do dragão. Se ela pudesse apenas tocá-lo com seus cascos ele iria se virar e pegá-la com suas garras.

No entanto, com uma única batida de suas grandes asas, Twilight foi arremessada para trás com uma ventania muito forte. O corpo dela capotou e se arrastou no solo sem vida, pegando sujeira enquanto rolava. Cada folha desolada em cima de sua biblioteca voava por todas as direções, transformando o que antes era seu lar feliz em nada mais do que uma árvore esqueletica. Os vidros das janelas estilhaçavam para dentro, com o som de corações se quebrando, cobrindo o interior com cacos de vidro intransitáveis.

Quando a poeira baixou, Twilight olhou para o céu com os olhos nublados para ver uma sombra escura gradualmente desaparecendo no horizonte.

Ele se foi. Voou para longe e ela nunca mais o veria novamente.

Spike era…

“Spike.”

Na fria atmosfera de seu quarto, Twilight Sparkle saltava debaixo de uma pilha de cobertores, ofegando nuvens de vapor no ar gelado. Ela acariciava os cascos sobre seu corpo descoberto, em seguida os levando até os olhos para esfregar o sono deles, mas parava na sensação de um calor distinto escorrendo pelo rosto. Não foi nenhuma surpresa ela ter chorado, mas definitivamente não havia conforto depois de um pesadelo.

Um suspiro trêmulo emanava das imagens fragmentadas de seu sonho. O simples pensamento deles, a possibilidade deles realmente acontecerem lhe trouxe os piores arrepios do qual nem mesmo o mais terrível dos invernos poderia fazê-lo.

Aquele pesadelo não poderia ser verdadeiro, era demais para a unicórnio roxo suportar. Por isso Twilight fez o que qualquer égua sensata faria, pelo menos em sua opinião, ela encontrou alguém para conversar. Ou melhor, acordou um dragão para conversar.

Twilight saía de seus cobertores, antes de soltar um sussurro para uma cesta no chão com mais cobertores amontoados, próximo de sua cama.

“Spike?”

Ela chamava, ainda sem resposta. Twilight esperava, batendo seus cascos juntos antes de sussurrar novamente. “Spike? Está acordado?” Ela olhava para a pilha de cobertores deslocando um sorriso na expectativa, esperando ver espinhos verdes seguidos por uma cabeça escamosa e roxa emergindo do fundo do mar de pano.

No entanto, a única resposta que veio foi: “Não.”

O sorriso de antecipação caiu de seu rosto e viu-se substituído por um olhar irritado. Twilight soltou um suspiro agravado e começou a se contorcer sob a pilha montanhosa de seus cobertores. Ao longo de seus invernos em Ponyville, Twilight tinha aprendido algumas lições importantes. Primeiro, no inverno não importa quantas runas de calor serão colocados nos ramos da casa, o frio sempre encontrará uma maneira de penetrar. Uma vez que ela estava totalmente sob seus cobertores, Twilight levantou-se de sua cama, formando uma montanha disforme de pano em cima de seu colchão. Uma magia sendo emanada podia ser ouvida sobre os edredons enquanto uma energia lilás levava até a cabeça de Twilight uma capa para se proteger do frio. Vestida, Twilight saltou de sua cama e imediatamente lamentou o que estava prestes a fazer.

A segunda lição que aprendeu ao longo da temporada gelada, os pisos ficavam frios. Uma vez que ela tinha se preparado contra as ondas de frio que se erguiam em suas pernas do chão, ela fez seu caminho em direção à cesta enrolada por cobertores, onde os observava subindo e descendo levemente, significando que o dragão estava dormindo. A visão foi suficiente para trazer um doce sorriso sobre a pequena irritação que ela teve com a resposta de antes. “Spike.”Ela sussurrou. “Está acordado?”

A única resposta que emanou da pilha de cobertores no cesto foi um gemido descontente e algo sobre uma casa feita de sorvete.

“Bem, sim e não.” Twilight murmurou para si mesma. Depois de uma espera calma de quatro segundos, ela estendeu o casco e golpeou a cesta.

Depois de tanto sacudir o cesto, os cobertores começaram a se levantar, revelando um abatido e perturbado Spike. Ele piscava com seus olhos turvos dando a Twilight motivo suficiente para sorrir para o seu sucesso.

“Oh, Spike, você acordou.” Twilight gorjeou, um sorriso infantil subia em seus lábios.

Spike olhou para ela, ganhando a compostura, juntamente com um brilho constante em formação nos seus olhos. “A questão é por que?” Ele perguntou resmungando enquanto olhava para um relógio pendurado na parede. “Ainda é pouco mais de meia-noite.” Suspirou.

Twilight olhava para Spike com seus olhos suplicantes. “Eu tive um pesadelo.” Spike apenas olhou com a boca semi-aberta. Twilight não podia segurar uma risadinha enquanto o dragão levava uma das garras na testa.

“Twilight.” Ele murmurou em meio à palma que deu em seu próprio rosto.

“Foi realmente assustador, Spike. Você era enorme e…”

“Twilight, você não acha que é um pouco velha pra isso, assim como eu?”

“Mas, Spike…” Twilight respondeu, se estabelecendo na frente da cesta.

“Sério Twi.” Spike suspirou, fechando os olhos e se aconchegando em volta de seu nicho quente. “Você mesma disse que sonhos não são para temer.” Com isso, a maior parte da cabeça de Spike desapareceu no meio dos cobertores, deixando apenas as cristas verdes expostas.

Twilight suspirou desanimada e começou a cutucar o chão com o casco, olhando ansiosamente para as pontas verdes que estavam expostas no ar frio.  Como se sentisse os olhos dela sobre ele, Spike virou-se e soltou um rosnado preocupado. Ele não queria acordar, mas Twilight o colocou em uma situação onde sua honra como o assistente número um de Equestria estava em risco. Se ele não estivesse lá por Twilight, que tipo de dragão ele seria?

Então ele se levantou, derrubando a pilha de cobertores no chão frio, antes que Twilight se sentasse sobre eles. “Tudo bem.” Ele suspirou, esperando Twilight começar a falar. No entanto, Twilight apenas olhou para o chão e bateu seus cascos juntos, com sentimento de culpa. Um gesto que fez Spike voltar a levar a mão na testa. “Vamos Twilight, eu acordei por você e estou aqui por você. Pode falar.”

Ela olhou por baixo de sua franja com o lábio inferior ligeiramente saliente sob a superior. “Mas…” ela murmurou. “Eu acordei você e…”

“Vamos Twi, vá direto ao ponto.”  Spike a interrompeu antes de esperar calmamente por uma resposta.

“Bem, você foi embora.”

“Embora?” Perguntou Spike, já confuso.

“Você tinha asas.” Ela acrescentou rapidamente, olhando para Spike ainda confuso.  “Você também era enorme. Muito maior do que naquele dia que te fiz crescer durante o teste de admissão.” Spike estremeceu um pouco com a memória angustiante, mas se manteve em silêncio por causa de Twilight. “Tudo o que você disse foi… Twilight, eu tenho que ir… e você voou sem nem mesmo me ouvir!” Depois de sua breve sinopse Twilight baixou a cabeça novamente, fungando as memórias fictícias.

Spike soltou um suspiro e se levantou, colocando levemente suas mãos no focinho da unicórnio roxo. “Twilight…” Ele disse com um sorriso. “Você é uma boba.”

O gracejo de Spike levou Twilight com sua atitude desesperada para um rápido, “Ei!” e antes que ela pudesse falar algo, Spike cutucou o nariz dela com uma das garras.

“Honestamente Twilight, eu já disse milhares de vezes que não vou a lugar nenhum.”

Twilight levou fortemente o ar pelas narinas, antes de olhar para o jovem dragão. “Mesmo?” Ela perguntou, com lágrimas escorrendo em seus olhos.

“Mesmo.” Spike garantiu para a unicórnio. “Mesmo se um dia eu ficar grande demais para dormir em minha cesta, ainda assim ficarei por perto. Celestia sabe que você mal consegue cuidar de si mesma sem mim.” Ele riu um pouco. “Quem mais vai acordar toda manhã para fazer café já que você nem conseguiu usar o fogão direito?”

“Isso foi só uma vez.” Twilight murmurou.

Você teria um colapso completo de quase tudo em Equestria se eu não estivesse por perto.” Spike interrompeu seu sorriso confiante e respirou rapidamente. “E eu ficaria sozinho sem você.” No final de seu discurso, Twilight puxou Spike para um abraço, descansando o focinho em seu ombro. “Eu ficaria sozinha sem você também.” Ela o abraçou mais forte.

“Twilight,” Spike engasgou. “Ar! Preciso de ar!” Twilight rapidamente o liberou do abraço. No entanto, no momento em que Spike tocou o chão frio, ele pulou devolta para ela, a abraçando com força e se deliciando com seu calor. “Gelado! gelado!” ele gritou com os dentes rangendo, fazendo Twilight rir um pouco.

“Se sente melhor?” perguntou Spike, liberando Twilight do abraço. Os olhos de Twilight se abriram um pouco antes dela deixar seu olhar cair no chão, batendo seus cascos juntos, nervosamente. “Sim…” ela disse. “Mas…” Ela parou, murmurando coisas inaudíveis.

“Mas o que?

Twilight olhou diretamente nos olhos de Spike, sem uma pitada de comédia em seu comportamento e pediu: “Posso dormir na sua cama?” Por um tempo, tudo ficou em silêncio por toda a casa. Surpreso, Spike abriu a boca como se fosse dizer algo, mas fechou enquanto se virava para olhar sua cesta, retornando novamente para ela. Ele tentava dizer algo. Eventualmente, porém, ele desistiu e jogou sua garra na testa com um estrondo audível. Twilight, ao ver seu olhar incrédulo de trás de suas garras, gritou: “É sério!”

“Twilight!” Spike gemeu. “É uma cesta que mal cabe em mim, não há uma chance de que, mesmo sozinha, você se encaixaria nessa coisa.”

“Então, então,” Twilight olhava em torno de seu quarto enquanto sua mente procurava uma solução. “Então você dorme na minha cama.” Ela declarou isso cutucando Spike no peito.

O Olhar incrédulo de Spike se opôs sobre seu rosto antes que ele gesticulasse, concordando. “Tudo bem, eu vou…”

“Não.” Twilight o interrompeu, levitando o dragão com sua mágica. Ela virou-se para a sua cama, preparando uma trajetória em sua mente, e pulou em cima de seu colchão. Spike foi puxado para o peito dela enquanto uma pilha de cobertores caía em cima dos dois. Vendo que eles estavam em total escuridão embaixo dos cobertores, Twilight iluminou seu chifre com uma explosão suave de magia roxa para ver seu assistente número um olhando para ela. Twilight correspondeu com um sorriso e um beijo na testa do dragão. “Obrigada, Spike.” Ela murmurou.

Spike respondeu com um simples “Tudo bem”, antes de se estabelecer no abraço de Twilight. Enquanto ele fechava os olhos, sentiu um casco em seu focinho, voltando a abrir os olhos e ver Twilight com um beicinho.

“E o meu?” Twilight perguntou, indignada.

Spike rolou seus olhos esmeraldas antes de fechá-los e inclinar-se para frente, pressionando seus lábios na testa de Twilight, a beijando com as bochechas vermelhas. “Então, podemos dormir agora?” Ele se restabeleceu na posição de antes para ver Twilight já quase caindo no sono.

Eu nunca vou te deixar, Twi.” No momento em que as palavras saíram de sua boca, ele sentiu Twilight puxá-lo para mais perto dela, com seus batimentos cardíacos se encontrando entre seus peitos, onde os dois puderam finalmente dormir em paz, especialmente Twilight, com um sorriso aliviado.

Ele estava bem ali, enrolado em volta dela e a mantendo quente no inverno. Ele sempre estará lá para ajudá-la, para ler com ela, para dançar com ela ou para rir com ela, e ele estaria sempre lá para amá-la.

Spike não vai a lugar nenhum, nunca.

Dia de circo – Parte 6 (final)

Título original: Circus day

Tradução: Lucas T.

Autor: Dragon Warlock

[Parte anterior]

Spike corria pela floresta Whitetail o mais rápido que podia. Ele passava por árvores espessas em meio às clareiras e riachos com os raios de luz da lua iluminando os caminhos da floresta. Podia sentir lágrimas escorrendo por seus olhos enquanto corria pelo interior da vegetação. Havia um pequeno lago com um córrego ligado a ela, e ao lado uma grande caverna parecida com a última que ele entrou no dia que brigou com Twilight. Spike pegou um galho de árvore e usou seu sopro de fogo para improvisá-lo como tocha, entrando logo em seguida na caverna com cautela.

Spike entrava na caverna, olhando ao redor para ter certeza de que não havia dragões ou qualquer outra criatura por perto, até concluir que estava vazia. Ele viu que no centro havia uma grande clareira no chão por causa de um enorme buraco no teto por onde a luz da lua entrava. Então ele apagou a tocha e se sentou em uma grande rocha.

Spike ficou sentado no chão por vários minutos, pensando no que fazer. “Eu não posso voltar.” O bebê dragão disse para si mesmo. “Não posso encará-las, não depois do que aconteceu, e não mereço ser amigo delas e talvez de nenhum outro pônei.”

Spike apenas ficava sentado, sentindo como se tivesse arruinado a própria vida, culpando a si mesmo. O bebê dragão não tinha apenas perdido suas amigas da forma como ele agiu, mas também foi enganado e magoado por outros pôneis que acreditava ser amigos dele, e agora estava sozinho. No entanto ele estava feliz por Twilight e os outros terem voltado por ele e o salvado. Mesmo assim, Spike acreditava que elas estavam furiosas pelo que ele fez, prontas para lhe darem um sermão depois de terem derrotado os caçadores. Quando ele viu os guardas reais, seu medo intensificou ainda mais imaginando Princesa Celéstia o banindo de Equestria.

Ele olhava para a lua e via alguma coisa familiar, uma estrela que estava brilhando perto dela. O bebê dragão se lembrou do que aconteceu na noite passada e sentiu uma onda de raiva passando por ele. A raiva rapidamente deu lugar à tristeza e Spike colocava as mãos em seus olhos com as lágrimas escorrendo.

“Eu queria nunca ter feito aquele desejo estúpido.” Disse o bebê dragão com sua voz de choro.

“Spike…” De repente uma voz surgiu da escuridão.

O bebê dragão reconheceu como sendo de Twilight, mas se recusava olhar para ela.

“Por favor Spike.” Disse Twilight. “Estávamos preocupadas com você, e queremos ajudá-lo.”

O bebê dragão ainda se recusava a olhar, e tentou evitá-la. Twilight rapidamente foi até ele, e encostou amigavelmente um casco em seu ombro, mas ele golpeou o casco para longe.

“Spike, tudo o que queremos é conversar com você.” Disse Twilight novamente. “Eu sei que você está magoado e tem razão de estar, não só conosco mas com aqueles caçadores também. Por favor, fale com a gente e deixe-nos ajudá-lo.”

Spike tomou coragem para olhar para suas amigas, esperando olhares zangados para ele. Mas ao invés disso ele viu que todas estavam com semblantes de preocupação.

“Como… como vocês me encontraram?”

Twilight iluminou seu chifre e Spike viu pegadas fluorescentes formando um rastro. “Eu usei a magia de rastrear pegadas Spike.” Disse a unicórnio roxo. “E assim as seguimos até aqui.”

“De qualquer forma… me deixem sozinho.” “Disse Spike olhando para baixo. “Pensei ter dito que não queria mais ver vocês…”

“Peraí Spike.” Disse Applejack. “Nós te procuramos por tudo que é canto porque estávamos preocupadas com você.”

“Preocupadas? Vocês estavam preocupadas comigo?”

Twilight acenou e disse, “Porque nós nos importamos com você Spike, você é nosso amigo.”

Spike sentiu conforto nas palavras de Twilight, mas uma parte dele ainda estava zangado. “Então vocês têm um jeito engraçado de se preocuparem.” Ele disse com ressentimento em sua voz.

“O que quer dizer?” Perguntou Twilight. “Nós nos importamos com você, e sempre muito querido por todas nós…”

“Você ainda não entendeu, Twilight.” Spike replicou. “Nenhuma de você ainda compreenderam o que eu sinto. Desde que mudei para Ponyville com Twilight, passei a trabalhar mais do que nunca. Eu via vocês em aventuras, cantando e se divertindo juntas. E eu? Tudo o que eu fiz foi limpar bagunça, fazer serviços durante o dia e ser deixado para trás.”

“Eu imaginava que seria ótimo Twilight fazer amigos, mas eu não consegui nenhum, e os outros pôneis pareciam ter medo de mim. Tudo o que eu queria era um pouco de consideração pelo que eu fazia, e sair um pouco com todas vocês. Ao invés disso, faço a mesma coisa todos os dias, limpar e ser eu mesmo.”

Spike olhava para baixo tremendo, sentindo novamente lágrimas encherem seus olhos. Ele não fez nenhum esforço para escondâ-las e viu as lágrimas refletirem a luz da lua.

“Ouçam eu… eu quero agradecer a vocês por terem me salvado. Sinto muito pelo que disse lá no circo… e vocês não precisarão mais se preocupar comigo causando problemas.” Spike se virou de costas para elas. “Adeus Twilight… e obrigado por tudo.”

Spike começava a andar em meio às sombras da caverna quando foi repentinamente envolvido por um par de cascos o abraçando. O bebê dragão olhou para cima e viu que era Twilight com lágrimas em seu rosto. Uma atrás da outra, elas abraçaram Spike derramando lágrimas, e ficaram assim por vários minutos até se liberarem dos abraços.

“Você não precisa se desculpar Spike.” Disse Twilight. “Se alguém precisa se desculpar, somos nós.”

“Twi está certa, docinho.” Disse Applejack. “Nós o tratamos com desprezo.”

“Não foi legal a forma como tratamos você.” Disse Rainbow.

“Foi injusto e rude o que fizemos.” Disse Rarity. “Uma dama de verdade nunca deve se aproveitar de seus amigos.”

“Não é engraçado fazer os outros se sentirem mal. Estou me sentindo terrível.” Disse Pinkie.

“Eu também me sinto mal e envergonhada.” Disse Fluttershy. “Nós nunca queríamos magoar você.”

“DESCULPA SPIKE!” As seis pôneis falaram juntas.

Spike olhou para elas admirado, e deu um pequeno sorriso. Ele sentia que uma parte dele o incomodava. “Afinal, por que?” perguntou o bebê dragão.

“Por que o que?” Perguntou Twilight.

“Por que vocês me perdoariam, mesmo depois do que disse a vocês?”

“Spike, quando você disse aquelas coisas nós sentimos que era tudo verdade.” Disse Twilight. “Eu tirei vantagem de você e de suas habilidades como meu assistente. Nunca parei pra pensar como você realmente se sentia até nos dizer naquele circo. Nós refletimos sobre isso e nos sentimos terrível pelo que fizemos com você.”

Então Spike sentiu um casco encostar em seu ombro e viu que era Applejack. “Você trabalhava duro e dava o seu melhor por todas nós docinho. Você trabalhou mais do que qualquer membro da família Apple em época de colheita.”

“Spike, querido, você é muito valente.” Disse Rarity. “Nos ajudou a derrotar aqueles caçadores sujos.”

“Q… quem, eu??” Perguntava Spike com todas acenando a cabeça logo em seguida.

“Você foi o máximo Spike!” Disse Rainbow. “Bem, não que eu não tivesse tudo sobre controle, mas você ensinou a esses caras uma lição que nunca irão esquecer!”

“Você fez aqueles bobocas pensarem duas vezes entes de se meterem com a gente de novo!” Disse Pinkie alegremente.

“Você é demais, Spike.” Disse Fluttershy.

O bebê dragão olhava sorrindo para todos os pôneis. Ele sentia lágrimas se formando novamente, mas não de tristeza, e sim de alegria. Ele se aproximou e abraçou todas as suas amigas.

“Eu realmente sinto muito pessoal.” Disse Spike. “Acabei me esquecendo quem sempre foram minhas verdadeiras amigas.”

“Está tudo bem Spike.” Disse Twilight. “Nós apenas estamos felizes em ver você de novo.”

“Parece que muita coisa foi aprendida essa noite.” Disse uma voz majestosa.

Twilight e os outros se viraram e viram a alicórnio branca escoltada por guardas saindo das sombras.

“Princesa Celéstia!” o grupo gritou e se curvou.

Spike olhou para a governanta e se sentiu nervoso da forma como ela poderia reagir, mas tomou coragem para falar. “Princesa Celéstia… sinto muito pelo que fiz. Entenderei se você estiver chateada comigo e aceitarei minha punição.”

Spike viu a Princesa Celéstia dar um pequeno sorriso. “Não será necessário Spike.” Disse a alicórnio. “Você aprendeu muito essa noite, da maneira difícil.” Spike sorriu, se sentindo aliviado pela Princesa não estar brava com ele.

“Com licença Princesa.” Disse Twilight. “Também aprendi uma coisa nesta noite.”

Celéstia levantou uma sobrancelha e sorriu. “Então me diga, o que você aprendeu sobre a amizade hoje?”

Twilight olhava para sua mentora com um sorriso. “Aprendi que você nunca deve fazer seus amigos se sentirem esquecidos e jamais negligenciá-los. Isso pode não apenas feri-los, mas também ferir a si mesma e outros amigos, além de destruir o vínculo que você tem. Sempre devemos nos certificar que o amor que demonstramos para nossos amigos é o mesmo para cada um deles, sem diferença, para que um ou mais amigos nunca se sintam excluídos.”

“Muito bem, minha dedicada aluna! Parece que todos vocês tiveram um dia cheio.” Disse Celéstia. “Acho que está na hora de vocês voltarem para Ponyville. Nós terminamos aqui e, além disso, parece que seu assistente precisa descansar.”

Twilight e as outros se viraram para verem Spike caído no chão, dormindo e roncando tranquilamente. Todas acenaram e Twilight colocou o dragão em suas costas.

“Ele não é meu assistente, é meu filho e amigo.” Disse Twilight sorrindo.

As seis pôneis se despediram da Princesa e entraram em uma carruagem que as levariam de volta para Ponyville. Enquanto Spike dormia na volta, Twilight e as outras olhavam para ele sorrindo e conversavam baixinho para não acordá-lo. Chegando em Ponyville, todas deram boa noite e rumaram para suas casas. Twilight entrou na biblioteca e caminhou até seu quarto. Ela colocou Spike em sua cama, lhe dando um beijo na testa, sorrindo antes de ir para sua cama.

Acordando no dia seguinte, Spike se sentia atordoado, mas se lembrando do que aconteceu na noite passada.

“Foi tudo um sonho.” Spike pensou. “Nada foi real e tudo voltou ao normal.”

Spike olhava para o relógio vendo que havia dormido demais, o que o deixou preocupado. Ele pulou da cama e foi até a escada que levava ao salão principal, onde percebeu que estava tudo escuro e com as cortinas fechadas. Ele desceu as escadas cuidadosamente no escuro para abrir uma das janelas.

Mas antes que ele chegasse até as janelas, todas elas se abriram repentinamente. “SURPRESA!” Gritaram várias vozes.

Spike pulou assustado para trás e quase caiu. Ele recuperou seu equilíbrio e viu um banner com os dizeres “NÓS TE AMAMOS SPIKE!” e abaixo dele estava Twilight e suas amigas sorrindo para ele.

“O… o que é isso?” Perguntou Spike.

“É uma celebração para você Spike, em agradecimento a tudo que já fez por nós.” Disse Twilight.

“Para mim?” Perguntou Spike em choque.

“Nós planejamos isso ontem à noite enquanto você dormia.” Disse Rainbow Dash.

“Você merece, docinho!” Disse Applejack.

Spike estava se sentindo sobrecarregado com tudo isso e abraçou Twilight. “Obrigado Twilight, obrigado a todos!”

“De nada Spike!” Disseram as pôneis ao mesmo tempo.

“Então, o que devo fazer agora?” Perguntou Spike.

“Qualquer coisa.” Disse Twilight. “Esse é o seu dia!”

“Por que nós não vamos lá na fazenda?” Perguntou Applejack. “Eu vou te ensinar como fazer uma deliciosa torta de maçã caseira!”

“Não, não!” Rainbow Dash interferiu. “Que tal eu te levar para Cloudsdale para fazer tour na cidade e depois fazermos um sonic rainboom juntos?”

Rarity sacudia a cabeça não concordando. “Spike, eu nunca te agradeci corretamente por ter me salvo daqueles cães diamantes. Por que você não vai comigo para a botique? Eu faço uma roupa especial só pra você e depois um ótimo jantar.”

“Spike, eu adoraria mostrar pra você meu santuário de animais.” Disse Fluttershy. “É tão maravilhoso e calmo.. uhn, se estiver tudo bem pra você.”

Pinkie saltou na frente de Spike. “Que tal uma super e incrível festa só pra você? Nós podemos brincar de colocar a calda no pônei, comer muita comida e cantar juntos!”

Spike pensava e viu que Twilight estava ausente. Ele se virou e viu a unicórnio roxo olhando para um livro. “O que foi Twilight?” Ele perguntou. “O que você vai fazer?”

Twilight olhou com um pequeno sorriso em seu rosto. “Oh, eu não vou a lugar algum. Tenho trabalho a fazer e terminar alguns relatórios.”

Spike olhou incrédulo e foi até Twilight e os livros que ela estava mexendo. Ele jogou os livros de lado fazendo Twilight olhar surpresa para ele.

“Twilight, você não vai trabalhar ou estudar, hoje não.” Disse o bebê dragão. “Hoje eu quero ficar com todas as minhas amigas, incluindo você.”

Twilight olhou para Spike e viu que ele tinha um olhar sério no rosto. Ela sorriu e acenou. “Tudo bem Spike, eu irei.” “Spike e os outros sorriram com isso e saíram da biblioteca.

“Twilight?” Spike perguntou. “O que aconteceu com Alec e os outros?”

“Bem Spike, eles foram para a Prisão Stalliongrad sem condicional. Os funcionários do circo tiveram suas memórias recuperadas pela Princesa Celéstia. Eles prometeram continuar com o circo, mas de hoje em diante vão tomar muito cuidado na hora de contratar novos funcionários e artistas.”

Spike estava feliz em saber que tudo acabou bem e que os verdadeiros donos do circo se recuperaram, mas ele pensava consigo mesmo que não iria voltar para um circo tão cedo.

“Então aonde você quer ir Spike?” Perguntou Twilight.

Spike pensava nas opções que lhe foi oferecida. “Há muitas coisas que eu queria fazer com todas vocês, e todas seriam ótimas.”

“Não se preocupe docinho.” Disse Applejack. “Se não conseguirmos aproveitar tudo hoje, continuaremos amanhã.”

“Mesmo?” Perguntou Spike. Ele viu Twilight e os outros acenarem. O bebê dragão pensou em suas opções por alguns minutos antes de tomar uma decisão. “Bem… eu nunca estive em Cloudsdale antes. E também adoraria passar o dia com Rarity.”

Twilight e os outros sorriram e foram buscar o balão que usaram para ir a Cloudsdale pela primeira vez.

“Mais uma coisa Spike.” Disse Twilight enquanto suas amigas preparavam o balão. “Prometo que de agora em diante não farei muita bagunça, e que irei guardar todos os livros que usar.”

“E… e quanto a sair com você e os outros?” O bebê dragão perguntou.

Twilight sorriu e disse, “Você é mais do que bem vindo para sair conosco Spike, quando terminar a parte de suas tarefas.”

Spike sorriu e deu outro abraço em Twilight. “Combinado!”

O balão decolou e voou para o céu em direção a Cloudsdale. Spike conversava e ria com as pôneis, se sentindo feliz de uma forma que não acontecia há muito tempo. Ele olhava para suas amigas e sorria para si mesmo.

“Acho que o meu desejo se realizou.” O bebê dragão pensou. “No final, não era apenas um velho conto de pôneis.”

Dia de circo – Parte 5

Título original: Circus Day

Tradução: Lucas T.

Autor: Dragon Warlock

[Parte anterior]

Alexis levitou um balde de água e jogou no fogo espalhado por Spike. Ele olhava para o chão sentindo remorso pelo que fez. “Desculpe por tudo, Marik.” Disse o bebê dragão. “Não queria ter feito isso no seu escritório.”

“Está tudo bem Spike.” Disse o mestre de cerimônia friamente. “Você fez a escolha certa, eles não te mereciam.”

“Não se preocupe Spike.” Disse Pierce em um tom também frio. “Depois de tudo o que fizeram, você está melhor conosco.”

“Você merece melhores amigos do que elas.” Disse Larry amargamente.

“Fique tranqüilo Spike.” Disse Alexis com uma voz fria.

Spike estava imaginando porque todos ficaram tão frios repentinamente. O bebê dragão nunca os tinha visto assim antes. Ele pensava que todos estavam zangados da forma como Twilight e os outros o tratavam. Então imediatamente deixou de demonstrar preocupação e forçou um sorriso.

“Agora você é um de nós.” Disse Marik com sua voz tranqüilizante. “Você ficará na cabine de um vagão assim como todos nós. Venha, vou levá-lo até ele.”

Spike seguiu Marik, deixando sua barraca e caminhando até os vagões. O mestre de cerimônia e o dragão passavam pelas barracas que agora estavam fechadas com alguns empregados limpando a sujeira espalhada pelo chão. Spike foi até a quinta cabine que era na cor azul com alguns detalhes em amarelo dourado do lado de fora. Quando ele entrou nela, viu que o interior tinha uma cama do tamanho da de Twilight com um cachecol vermelho nele e um grande travesseiro azul, um pequeno armário para guardar as roupas e outros acessórios para os shows, e uma mesa com um relógio sobre ele fazendo tic-tac suavemente.

“Bem vindo ao seu novo lar Spike.” Disse Marik. “Por favor, sinta-se a vontade. Quero que você me encontre daqui uma hora no meu escritório para planejarmos uma forma de melhorar suas apresentações.”

Spike acenou e viu o mestre de cerimônias saindo da cabine e fechando a porta. Era um sonho se tornando realidade para Spike, ele não apenas fez novos amigos, mas agora era também um artista. Spike decidiu deitar na cama, se sentindo tão relaxado como se estivesse em uma nuvem. Os cobertores eram de seda e o travesseiro tão macio que Spike sentia prestes a cair no sono instantaneamente. Por um tempo Spike olhava pela janela observando sua nova vida. Se sentia satisfeito, mas outra parte dele se sentia culpado pelo ocorrido.

“Pare de pensar neles.” Spike dizia para si mesmo. “Depois do que elas fizeram pra mim, foi o correto.”

Ele observava pela janela as nuvens passando pela lua, se lembrando do conto sobre a égua na lua. De repente ele viu a face de Twilight em sua mente, e pulou. Ele sentia o coração acelerar um pouco e balançava sua cabeça.

“Não.” Spike disse para si mesmo. “Elas não são minhas amigas, nunca foram.”

Spike decidiu sair da cabine para tomar ar fresco. Ele olhava pelos arredores, passando por várias barracas, até ver uma que vendia maçã caramelizada.

“YEE HAW!” a voz com sotaque de Applejack gritou em sua mente. O bebê dragão pegou uma maça caramelado e jogou em um cesto de lixo em pânico.

Spike balançava sua cabeça e continuava andando. Ele passou por um cone de neve que tinha um arco-íris na parte superior da placa. De repente imaginou Rainbow Dash passando zunindo por ele. O dragão olhava ao redor para ter certeza de que não estava sendo observado.

Spike começava a se sentir frustrado, passando a andar rápido. Ele foi até onde os animais estavam, e viu uma gaiola com pássaros. Isso fez Spike se lembrar da primeira vez que viu Fluttershy ensaiando uma canção com seus pássaros.

Zangado, Spike correu para fora da ala dos animais sem ver para onde estava indo, e acabou se chocando com uma das barracas. O dragão resmungava enquanto se levantava, observando que era uma barraca de vender balões. Alguns eram azuis e outros amarelos. A imagem o fez se lembrar de Pinkie Pie por alguns segundos. Ele olhava em pânico achando que ela poderia aparecer do nada.

“Por que não consigo tirá-las da minha cabeça?” Spike chorava alto. “Por que continuo vendo elas? Elas não são minhas amigas!”

Spike corria de volta para sua cabine, mas acabou tropeçando em alguma coisa. Ele se levantou e pegou o objeto que era uma grande jóia em forma de diamante, provavelmente de algum cliente que deixou cair. No que estava prestes a comê-lo, a imagem de Rarity veio em sua mente, e ele largou a jóia. Colocando as duas mãos na cabeça ele chorava em frustração por alguns segundos. Então tirou as mãos da cabeça sentindo muito remorso pela forma como falou com elas.

“Talvez… talvez eu tenha sido muito severo com elas.” Disse o bebê dragão. “Digo, elas não eram minha melhores amigas, mas acho que fui longe demais. Preciso conversar com Marik.” Ele se levantou e foi até o escritório do mestre de cerimônias.

Twilight e os outros estavam sentadas próximas da floresta Whitetail esperando pelo retorno de Rainbow Dash. Todas estavam inquietas enquanto esperavam pela pegasus azul.

 “Quanto tempo vocês acham que ela vai levar pra voltar?” Perguntou Applejack.

“Espero que não muit…” Twilight foi interrompida por um deslocamento repentino de ar.

“Ei… voltei.” Dizia Rainbow tomando fôlego. Ela entregou um pergaminho para Twilight que levitava para o grupo. Lentamente a unicórnio o desenrolou e começou a ler.

“Querida Twilight Sparkle, minha aluna mais dedicada,

Eu lamento informar que o grupo de pôneis que você descreveu é na verdade um bando de criminosos procurados. Eu incluí nesta carta um cartaz que tem as descrições físicas e os verdadeiros nomes de cada um deles.

Sua mentora, Princesa Celéstia.”

As seis pôneis suspiraram espantadas e correram o mais rápido possível em direção ao circo.

“Espero que não estejamos atrasadas.” Twilight pensou.

Spike corria até o escritório do mestre de cerimônias, e mesmo que estivesse adiantado para o encontro, o dragão precisava conversar com ele. “Marik?” Spike perguntou entrando na tenda. “Posso falar com você por favor?” Ele não ouviu respostas e percebeu que o escritório estava vazio. “Marik? Onde você está?”

Ele foi até a mesa do mestre de cerimônias, onde viu algo que chamou sua atenção. Havia várias fotos de animais como o leão do show, um macaco que estava pendurado em um galho de árvore, e alguns pássaros como aqueles que viu em uma gaiola. Cada um tinha um “X” na cor vermelha na parte de trás dessas fotos.

No meio da mesa havia uma foto de Ponyville com alguém andando nas ruas. Spike olhou mais de perto e viu que era ele arrastando o livro de Twilight para a biblioteca e que a foto tinha um grande círculo vermelho ao redor dele. Então o dragão percebeu um pedaço de papel com outro “X” vermelho e um círculo na mesma cor onde estava escrito: X VERMELHO = ALVO. CÍRCULO VERMELHO = CAPTURADO. Spike olhou espantado e em pânico. Ele tentou deixar a barraca e partir para Ponyville, mas foi golpeado por alguma coisa em sua cabeça, ficando inconsciente.

Spike gemia enquanto abria seus olhos. Tudo parecia embaçado, e estava muito escuro. O dragão enxergava com dificuldades alguns assentos de longe, e percebeu que estava na arena de apresentação. Ele tentou se mover, mas percebeu que estava amarrado em uma mesa de madeira.

“Olá Spike.” Disse uma voz fria e ameaçadora. “Que bom que você foi no meu escritório bem na hora.”

Spike viu Marik sair das sombras enquanto caminhava, mas ao invés do sorriso gentil de antes ele estava com um sorriso de satisfação com os olhos brilhando. Os outros artistas vieram logo atrás, cada um com olhares frios.

“O que está havendo aqui?” Perguntou Spike meio nervoso.

“Por que Spike,” Disse Marik. “Nós apenas queríamos te ajudar com sua última apresentação.”

Spike olhava nervosamente enquanto todos observavam friamente.

“É apenas uma pena que você descobriu nosso segredo tão cedo.” Disse Alexis com sotaque de Manehatan.

“O que querem dizer? Por favor, eu esqueço de tudo o que vi aqui, apenas não me machuquem.” Implorou Spike.

Marik soltou um sorriso sinistro enquanto balançava a cabeça. “Temo que isso não será possível Spike, não podemos nos arriscar agora.”

Spike estava suando em pânico enquanto tentava se soltar, mas sem sucesso novamente. “Mas o que vocês querem afinal?” Perguntou Spike medrosamente.

“Não há problemas em dizer a ele chefe.” Disse Pierce. “Ele vai ficar enjaulado mesmo”

“Eu concordo com o Max.” Disse Larry.

“Max?? Quem… quem são vocês afinal?” Perguntou Spike.

Marik olhou para ele e soltou um suspiro. “Muito bem então, permita-me lhe apresentar meus amigos.”

“Este, como ouviu, é Max.” Disse apontando para Pierce. “Ele é nosso vistoriador que procura alvos.”

“Este é Samuel.” Larry reverenciou sorrindo. “Ele é o atirador do nosso grupo.”

“Diga olá para Maria, é ela que coloca armadilhas para nossos alvos.”

“E eu sou Alec, o líder desse grupo.” Disse Marik.

“Mas… mas o que vocês todos fazem?” Perguntou Spike.

Marik sorriu e disse, “De dia nós somos meros apresentadores de circo, mas a noite caçadores de animais.”

Os olhos de Spike arregalaram de medo, ele tentava dizer alguma coisa, mas não conseguia, então Marik continuou.

“Nós nunca dizemos a você o que aconteceu com nossos pais. Eles eram caçadores e amigos. Juntos, eles capturavam muitos animais e vendiam para o mercado negro. Leões, tigres, mantícoras e até dragões.”

“Nós fomos ensinados desde jovens como capturar animais usando vários truques. Mas Princesa Celéstia não gostava do que nossos pais estavam fazendo e mandou prendê-los. Sabendo que seriam pegos, eles se desesperaram e nos levaram para um orfanato horrível. Dias depois ficamos sabendo que nossos pais foram presos. Apesar de tudo, nós ficamos juntos e depois de obtermos nossas marcas especiais com o show nós deixamos o orfanato. Como aprendemos a enganar outros pôneis, nós continuamos o trabalhos dos nossos pais.”

“Depois nós fugimos para Phylifelfia onde vimos um circo de propriedade de Fred. Ele nos aceitou no circo e mudamos nossos nomes para não atrair suspeitas. Após sermos aceitos começamos a nos unir secretamente para praticarmos nossas habilidades de caça furtiva. Nós praticávamos a noite toda e depois voltávamos para descansar antes do dia começar. Fred descanfiou de nossas apresentações desleixadas em função do cansaço e mandou alguns de seus funcionários ficarem de olho em nós, onde nos flagaram capturando um jacaré. Quando Fred e os outros artistas nos confrontaram, ele estava furioso e disse que iria chamar os guardas reais. Então Maria usou um feitiço poderoso de apagar memórias em todos os funcionários, onde nós finalmente nos apoderamos do circo inteiro.” Spike estava se sentindo arrasado.

“Depois de tudo isso, nós saímos de Fillydelphia e por oito anos trabalhamos no circo e montávamos armadilhas de caça ilegal em várias regiões. Nós já fomos pegos em flagrante caçando animais, por isso mudávamos nosso nome e aparência constantemente.”

“Decidimos ficar pelos arredores de Whitetail quando soubemos que uma mantícora estava nessa área. No entanto, por pura sorte, quando eu estava na cidade comprando filme para a câmera, vi você. Eu o segui e te observei entrando na biblioteca. De início tentei te capturar, mas havia muitas testemunhas nas ruas então preferi esperar a noite. Assim, eu iria invadir a biblioteca pela janela pra te pegar, mas então escutei o desejo que você fez e aproveitei para fazer um plano. Max fez os panfletos que você viu, então Maria usou sua mágica para fazer multiplas cópias dele e espalhar pela cidade. Por fim esperei até o amanhecer para bater em sua porta, onde assisti você se apaixonar pela idéia de ir ao circo.”

Spike não podia acreditar no que estava ouvindo, e não tinha ideia do que dizer, até finalmente conseguir falar alguma coisa. “Mas…. por que eu? Existem muitos outros dragões que… ”

Alec balançou a cabeça e riu do que Spike disse. “Está errado, meu amigo. Você é muito valioso para nós. Dragões púrpuras são raros. Suas escamas possuem elementos mágicos que podem aumentar a magia de unicórnios em até dez vezes. Nós conhecemos unicórnios que adorariam ter escamas como as suas.

“E agora…” Alec pegou uma ferramenta de puxar escamas e caminhou lentamente até Spike. “Está na hora de pegarmos algumas.”

O bebê dragão derramava lágrimas. “Eu sinto muito, Twilight.“ Ele pensou consigo mesmo fechando os olhos, esperando o inevitável.

De repente, um zumbido no ar atingiu a ferramenta que Alec segurava, fazendo ele gemer de dor. Spike abriu os olhos e viu Alec e os outros sendo atingido por maçãs.

“Acabou, Alec.” Disse uma voz.

Alec, os artistas e Spike se viraram para ver que era Twilight e os outros com olhares furiosos. Spike chorava de alegria e sorria ao mesmo tempo.

Alec se virou para elas com um brilho intenso em seus olhos. “Não sabem que o público deve permanecer em seus assentos jovens?” Disse ironicamente.

“Poupe suas palavras para seu julgamento!” Gritou Applejack.

“Eu disse uma vez, e vou dizer de novo. Nunca abandono meus amigos!” Disse Rainbow Dash.

“Como se atrevem a fazer isso com Spike seus bandidos?” Gritou Rarity. “Vocês vão aprender uma lição que jamais esquecerão!”

“Você vão ser nocauteados no estilo Pinkie Pie!” Disse a pônei rosa com um sorriso.

“Ninguém machuca meus amigos!” Disse Fluttershy com uma voz severa.

Alec apenas olhava para elas com um sorriso irônico. “Bem… se as tolas querem ter o pior show de suas vidas, teremos o prazer em lhes dar.”

Samuel agarrou uma bolsa cheia de facas de arremessar e pulou em um monociclo. Max voou até o topo da tenda. O chifre de Maria brilhou fazendo Twilight e suas amigas fecharem os olhos. Alec foi até a jaula do leão, pegando seu chicote e golpeando os pés dele. O animal levantou o obedecendo, e ficou perto de Spike para garantir que ele não escaparia. Os dois grupos estavam se encarando.

Max voava no topo da tenda com Rainbow Dash atrás dele. Os dois pegasus estavam em uma incrível velocidade enquanto manobravam próximos do teto. Rarity e Twilight se esquivavam dos raios de energia lançados por Maria. Elas usavam suas magia para levitar objetos e arremessar na unicórnio azul escura. Pinkie Pie estava pulando longe do monociclo, se esquivando das facas lançadas por Samuel. Applejack viu o leão partir pra cima dela e se esquivou de suas garras. Fluttershy estava tentando conversar com o animal para acalmá-lo, mas sem sucesso. O leão rugiu alto e jogou suas garras em Applejack, mas ela pulou em cima do pescoço do leão e segurou sua juba para tentar controlá-la.

Applejack foi arremessada pelo leão e caiu perto da mesa de Maria cheia de acessórios, onde viu uma corda. Ela girou e arremessou nas pernas do leão, as amarrando juntas. Applejack observou o leão indo para o chão, causando um pequeno tremor. Ela se aproximou, acreditando que o havia derrotado, mas o leão rugiu rasgando a corda. Applejack aproveitou essa oportunidade mais uma vez para montar nele.

Maria continuava com seus raios de energia com Twilight e Rarity se esquivando. Twilight levitou e arremessou um monociclo por trás de Maria, que a acertou em cheia. Lentamente ela se levantou e contra-atacou levitando e arremessando duas jaulas de animais vazias. Twilight e Rarity se esquivaram com facilidade, mas perceberam Maria com um sorriso irônico em seu rosto. Elas foram surpreendidas por outras duas jaulas que as atingiram e as derrubaram no chão. A unicórnio azul escuro finalizou as atingindo com os raios de seu chifre. As unicórnios roxo e branco se levantaram um pouco atordoadas, mas seus chifres brilharam e elas voltaram a atacar Maria.

Rainbow foi capaz de alcançar Max e agarrá-lo. Ambos começaram a lutar em pleno ar. De repente eles chegaram no topo da tenda e se separaram. Rainbow ficou um pouco desorientada e notou ter perdido Max de vista.

Pinkie Pie desviava enquanto Samuel jogava várias facas nela. Então a pônei rosa chutou algumas bolas na direção dele, que conseguiu se desviar.

Fluttershy não sabia o que fazer, nem quem ajudar. Aproveitando sua distração, Alec golpeou a pegasus amarela, a derrubando no chão. O mestre de cerimônias olhava com um sorriso irônico e voltou até Spike enquanto observava a luta.

Spike olhava suas amigas enquanto estavam lutando, e não podia acreditar que mesmo depois de tudo o que ele disse elas voltariam por ele. Enquanto Alec observava, o bebê dragão teve uma idéia. Ele inalou e então cuspiu uma grande rajada de fogo nas correntes que o prendia, fazendo Alec pular de susto. Quando a chama se dissipou as correntes entortaram um pouco, mas não o suficiente para libertar Spike.

“Tolo!” gritou Alec. “Você não vai conseguir derreter essas correntes de aço tão facilmente!”

Spike olhou para ele, e inalou novamente para lançar outra chama. Alec tentou pará-lo, mas foi atingido por uma maçã na cabeça. O mestre de cerimônia viu que era Fluttershy levantando lentamente e rosnando. Ele estava prestes a avançar contra ela, mas então se lembrou de Spike, virando-se para ele. O dragão acabou soprando uma enorme chama nas correntes, enquanto agradecia à Celestia por ter escamas à prova de fogo. As correntes finalmente derreteram libertando o dragão que caiu em pé no chão. Alec ficou com um olhar furioso, e avançou contra o dragão, mas Spike pulou para o lado e o mestre de cerimônias se chocou com a mesa onde ele estava preso, caindo inconsciente. Então Spike viu os acessórios na mesa que Maria usava no show de mágica, e foi até o bracelete que fazia os poderes serem anulados. Spike o pegou e caminhou até onde Maria estava lutando com Twilight e Rarity. Todas as três unicórnios estavam ofegantes e exaustas com a luta. Então maria levitou um baralho com várias cartas.

“Tomem essas cartas afiadas!” Ela gritou.

Maria lançou várias cartas nas duas unicórnios que se desviavam, uma delas atingiu Rarity na cabeça de raspão. Nisso Spike ficou furioso e pulou contra suas costas, a segurando. Ela balançava violentamente para se livrar de Spike. O dragão usou suas garras para não se soltar e conseguiu alcançar a cabeça dela, colocando o bracelete em seu chifre. Com um último esforço, Spike foi arremessado contra a mesa de Maria. Ele viu a unicórnio azul escuro com um olhar frio.

“Não é nada agradável aborrecer um mágico.” Ela disse friamente.

Ela tentou lançar mágica nele, mas nada aconteceu, foi onde percebeu que o bracelete estava em seu chifre.

“Twilight! Rarity! Agora!” ele gritou.

Maria se virou e viu as duas unicórnios com seus chifres brilhando com cada uma lançando um raio nela, que foi nocauteada.

Rainbow Dash estava com problemas para encontrar Max. O teto estava mal iluminado, e o pegasus cinza parecia desaparecer nas sombras. Rainbow ouviu alguma coisa zumbindo por trás dela, e se esquivou na hora com Max passando por ela. No entanto, ele fez uma rápida parábola no ar e conseguiu atingi-la dessa vez. Spike olhava para cima ouvindo Rainbow gritar. Ele olhou para baixo, onde viu os fios da rede de segurança amarrados nos pilares de sustentação, onde teve uma idéia. Ele foi até Fluttershy que ainda estava tremendo e murmurou alguma coisa para ela, que acenou indo até os pilares.

“Rainbow!” Spike gritou para a pegasus azul. “Voe abaixo da rede!”

Rainbow acenou ao ouvir isso, e voou abaixo da rede de segurança com Max a seguindo com um sorriso sinistro.

“Fluttershy, agora!” gritou Spike.

A pegasus amarela agarrou um dos nós da corda e puxou enquanto Rainbow passava por baixo da rede. O pegasus cinza olhou em desespero ao observar a rede caindo em cima dele. Suas asas ficaram enroscadas de forma que ele não conseguia se mover, e só podia murmurar através da corda enrolada na boca. Rainbow aplaudia Spike agradecida pela ajuda.

Pinkie Pie estava pulando ao redor feliz e cantarolando com Samuel a perseguindo com um olhar de frustração no rosto. “Fique parada!” Ele gritou zangado enquanto arremessava as facas nela, mas errando.

Pinkie continuava pulando e se desviando. O pônei palhaço então teve uma idéia. Ele tirou um tubo enorme de cola e esguichou no chão. A pônei rosa acabou ficando presa no chão ao andar sobre ela. Samuel deu outro sorriso irônico enquanto se preparava para atacá-la, mas então uma torta vindo do nada o atingiu em cheia. Samuel virou e viu Spike, Rainbow Dash, Fluttershy, Twilight e Rarity cada um com uma torta prontos para arremessarem nele. Samuel ficou se esquivando até as tortas acabarem.

“Há! Vocês erraram!” ele gritou.

“E quem disse que estávamos mirando em você?” Spike falou sorrindo.

Samuel olhou confuso e, em seguida, tropeçou na mureta que circundava a arena, caindo. Ele acabou mergulhando em uma enorme torta de creme que seria usada para o próximo show. Então tentou se levantar, passando zangado por cima da mureta.

“Eu vou fazer vocês sorrirem pela última vez!” Ele gritou.

Foi onde percebeu que não conseguia se mover. Ao olhar para baixo viu que estava em cima da cola que ele mesmo esguichou. Samuel olhou preocupado para Spike e os outros, que davam um sorriso irônico. Então percebeu uma sombra ameaçadora sobre ele. O pônei castanho olhou para cima e viu uma torta de creme gigante acima dele sendo levitado por Twilight e Rarity.

“Podem soltar!” Spike gritou severamente.

O pônei castanho gritava enquanto a torta caía em cima dele, o cobrindo completamente. Twilight e Rarity levitaram a bandeja da torta e viram Samuel deitado inconsciente.

“Whoa!” Gritava Applejack ainda montada no pescoço do leão.

O animal se sacudia freneticamente, e não agüentando mais segurar Applejack acabou sendo arremessada para o chão. O leão avançava sobre ela, mas então escutou o som de um chicote. Applejack viu que era Spike usando ele. O bebê dragão então gesticulou para Fluttershy ir até o leão, que rosnou para ela.

“Shh.. está tudo bem.” Disse Fluttershy com uma voz suave. “Você não quer mais fazer isso, quer? Ficar preso nesse circo fazendo acrobacias?”

O leão sentiu sua ira diminuir lentamente. Ele olhou para Fluttershy com um olhar triste e acenou lentamente.

“Não se preocupe.” Disse Fluttershy. “Nós não iremos machucar você e os outros animais. Agora estão todos livres.” O leão fez um pequeno rugido para ela. “Sim… até os pássaros.”

Os olhos do leão se arregalaram, e ele abraçou Fluttershy lambendo sua face. A pegasus amarela sorriu um pouco e retribuiu o abraço. Então o leão a liberou e se virou para sair da tenda. Spike e os outros pôneis olharam em volta para ver os artistas caídos no chão derrotados, e respiraram aliviados.

De repente um gemido ecoou pela tenda. Spike e os outros olharam para ver que era Alec levantando-se lentamente, mas firmemente. O apresentador olhou em volta e viu seus companheiros caídos no chão.

“Seu fedelho!” ele gritou para Spike. “Como se atreve a fazer isso comigo? você é apenas um bebê dragão patetico e nada mais! A intromissão de suas amigas acaba aqui!”

Twilight e os outros começaram a caminhar até Alec, mas Spike foi mais rápido e golpeou o mestre de cerimônias no rosto. Alec chegou a tropeçar, mas conseguiu se recuperar, rapidamente prendendo Spike no chão. O dragão viu Alec dar um sorriso insano com seus olhos esbugalhados para fora.

“Considere isso seu destino final dragaozinho!” ele gritou prestes a golpeá-lo.

Spike usou todas as suas forças para se libertar de Marik, evitando o golpe. O bebê dragão chutou ele no estômago, fazendo o pônei verde rolar no chão de dor.

“O show acabou pra você!” disse Spike. “É hora de fazer uma reverência!”

Então o bebê dragão golpeou Alec mais uma vez o deixando inconsciente e o prendeu dentro da jaula do leão. Depois ele se certificou de que os outros artistas também estavam rendidos, soltando um suspiro de alívio.

“Auto!” Disse uma voz forte e imponente.

Twilight e os outros se viraram para ver dez pegasus brancos com armaduras nas cores brancas e douradas, eram os guardas reais.

“Nós cuidaremos de tudo agora, senhorita Sparkle.” Disse um dos guardas.

“Obrigada senhores.” Respondeu a unicórnio roxo.

O guarda deu um pequeno sorriso, e então se virou para os outros. “Muito bem homens, quero aqueles caçadores algemados e encaminhados para as jaulas nas carruagens agora mesmo! E tragam a equipe de investigação para averiguar todo o circo!”

“Sim senhor!” gritaram os outros guardas prestrando continência.

Twilight e os outros observavam felizes e aliviados ao verem que tudo acabou.

“Ei, onde está Spike?” Disse Pinkie repentinamente com um olhar preocupado em sua face.

“Twilight e os outros olhavam pelos arredores percebendo que o bebê dragão desapareceu de novo. Em pânico, elas começaram a procurar por ele.

“Twilight Sparkle.” Disse uma voz majestosa.

Twilight e as outras se viraram para ver uma alicórnio alta, branca, com uma longa crina rosa e azul ondulando como se estivesse em uma brisa.

“Princesa Celéstia!” Twilight e as outras disseram emocionadas, a reverenciando.

“Parece que chegamos a tempo.” Disse a alicórnio branca. “Mas por que vocês estão tão tristes? Vocês conseguiram salvar Spike e desmascarar esse circo.”

“É por isso mesmo, Princesa.” Disse Twilight enquanto se levantava da reverência. “Spike se foi novamente… e acho que é minha culpa.”

Celéstia continuava com um olhar calmo e se virou para um dos guardas reais. “Guarda.” Ela disse em um tom autoritário, mas carinhoso. “Mande uma equipe de busca imediatamente. Vasculhem toda a área assim como a floresta. Ele não deve ter ido muito longe.” O guarda a reverenciou e seguiu com mais alguns soldados para fora do circo. Celéstia se voltou para Twilight e viu que ela estava de cabeça baixa.

“Twilight.” Disse a princesa. A unicórnio roxo olhava para sua mentora com um sorriso gentil. “Vá achar ele.” Ela disse. “Ele precisa de você neste momento, de amigos para confortá-lo.”

“Mas… mas e se ele não me perdoar?” Ela perguntou com lágrimas escorrendo em seu rosto. “Eu magoei muito Spike.

“Minha queria aprendiz, enxugue seus olhos.” Disse Celéstia suavemente. Você já mostrou a magia da amizade aqui, e agora deve fazer o mesmo com Spike. Eu sei que ele perdoará você. Ele foi seu primeiro amigo, senão filho, e precisa de todas vocês para ajudá-lo a superar esse momento difícil.”

Twilight deu um pequeno sorriso e acenou. “Obrigada Princesa.” Ela se virou para suas amigas limpando as lágrimas. “Vamos garotas, precisamos encontrá-lo.” Todas saíram da tenda, caminhando em direção à floresta Whitetail. Princesa Celéstia observava com um sorriso enquanto elas estavam indo fazer as pazes.

Dia de Circo – parte 4

Título original: Circus Day

Tradução: Lucas T.

Autor: Dragon Warlock

[Parte anterior]

Twilight e suas amigas passavam pela multidão de pôneis aparentemente interminável para conseguir alguns assentos. Elas encontraram lugares vagos na primeira fila situada no meio da arena de apresentação. Cada uma delas tinha alguma coisa que obteram como prêmio durante a estada no circo. Pinkie Pie tinha uma torre de algodão doce tão alto quanto ela, e estava coberta de goma pegajosa em toda sua pele. Applejack e Rainbow Dash tinham cada uma dois enormes ursos de pelúcia, um grande chapéu de caubói com uma flecha atravessando ele e um dragão de pelúcia. Fluttershy comprou um chapéu ornamentado com um leão sorridente. Rarity tinha uma pequena medalha de prata escrita VICE-CAMPEÂ e Twilight uma medalha de ouro escrita CAMPEÃ DE MÁGICA.

“Vejo que vocês todas se divertiram também.” Disse Applejack para suas amigas. “Eu teria ganhado de Rainbow Dash se aquele anunciante avisando sobre o início do show não tivesse arruinado minha chance.”

“O que?! Eu estava prestes a bater o recorde na última etapa!” Rainbow retrucou. “Você apenas teve sorte em cima da hora.” Applejack apenas deu um sorriso pequeno e uma cotovelada em Rainbow, que fez o mesmo.

“Oh, vocês deviam estar comigo!” gritou Pinkie com seu jeito habitual. “Vocês perderam o mais açucarado algodão doce de todos! Bem, exceto pelo bolo de chocolate de sete camadas do Senhor e da Senhora Cake. Digo, nada é realmente mais doce do que aquilo!”

As amigas de Pinkie riram e então Fluttershy falou um pouco mais alto do que sua voz suave de sempre. “Nós todas tivemos bons momentos. Eu vi alguns chimpanzés fazerem truques e malabarismos, e depois ouvi alguns pássaros cantarem o Hino de Equestria. Comprei este chapéu na loja de presentes que eles tinham, e esse leão de pelúcia é tão fofo!”

“Bem, Twilight e eu fomos competir em uma batalha, vamos assim dizer.” Disse Rarity. Competimos contra vinte unicórnios, não apenas de Ponyville, mas alguns de Canterlot também. Tudo o que tínhamos que fazer era levitar o maior número de objetos possíveis, transformar vários itens em outros, como um pedaço de madeira em uma pena, chocar um ovo de pássaro, e criar um feixe de energia, tentando mantê-lo estável o máximo de tempo possível. Foi fácil enfrentar os outros unicórnios, mas contra Twilight foi um impasse completo.”

“Cada uma de nós levitamos cinqüenta itens, que foram perfeitamente transformados em outros objetos, e nós estávamos em um empate sobre a batalha de feixe de energia. Foram vinte minutos antes de eu começar a me sentir exausta. Enquanto estava triste por não ser a vencedora, cumprimentei Twilight.” Rarity e os outros bateram palmas com suas patas dianteiras e felicitou Twilight pela sua vitória.

Twilight não podia fazer nada senão sorrir um pouco. “Bem, não foi fácil.” Disse a unicórnio roxo. “Eu fui ensinada pela Princesa Celestia para conservar minha magia, no caso de uma situação de emergência. Se Rarity alguentasse por mais alguns minutos, eu quem cansaria primeiro e ela seria a vencedora.”

Rarity sorriu para sua amiga. “Obrigada Twilight, você é muito amável.”

“Então vocês ganharam mais alguma coisa além dessas medalhas brilhantes?” Perguntou Applejack.

Twilight assentiu e tirou sete ingressos brancos ilustrados com uma tenda de circo. “Bem, eu ganhei sete ingressos para me encontrar com os artistas depois do show. Eles disseram que o mestre de cerimônia nos viu e decidiu me dar mais seis para minhas amigas.” As amigas de Twilight se animaram ao ouvirem isso.

“Ei, há apenas seis de nós aqui.” Disse Pinkie. “De quem é o sétimo passe?”

Os outros pôneis olharam um para o outro confusos. Então as luzes diminuíram e o pegasus no topo da tenda tirou um pano que cobria um recipiente com vagalumes presos em um vidro, brilhando no meio da parte superior. Twilight e os outros viram um pônei verde floresta com um terno preto próximo a um microfone, com a luz direcionada a ele.

“SENHORAS E SENHORES!” O pônei dizia em uma voz alta. “PÔNEIS DE TODAS AS IDADES! BEM VINDOS AO MARAVILHOSO CIRCO DE MARIK!” A multidão aplaudia antes dele continuar. “HOJE NÓS NÃO SÓ APRESENTAREMOS NOSSO SHOW DE SEMPRE, MAS TAMBÉM TEMOS UM CONVIDADO ESPECIAL!”

A multidão ofegava com isso, murmurando entre eles sobre quem poderia ser.

O mestre de cerimônias esperou pela multidão se estabelecer antes de continuar. “MAS ISSO SERÁ MAIS TARDE, POR ENQUANTO DIVIRTAM-SE COM O SHOW! PRIMEIRO SOU EU, O PERITO DOMADOR DE ANIMAIS!”

Twilight estava observando o mestre de cerimônias com um olhar desconfiado suspeitando já te-lo visto antes.

“Alguma coisa errada, docinho?” Perguntou Applejack com uma expressão preocupada.

Twilight saía de seu pensamento e olhava para a pônei laranja. “Não, não é nada. Estou apenas tentando observar tudo mais atenta.“ respondeu a unicórnio roxo nervosamente.

Applejack levantou uma sobrancelha enquanto Twilight dava uma risada forçada. “Tudo bem então parceira, se você diz.” Completou a pônei laranja em um tom desconfiado.

Twilight suspirou aliviada e então olhou de volta para Marik.

O pônei verde entrou dentro de uma grande jaula onde estava um enorme leão amarelo dourado rosnando. Ele pegou um chicote com sua boca e acertou o chão perto das patas do leão, o fazendo parar de rosnar e ficando de pé sobre suas patas traseiras. Alguns assistentes de palco traziam com seus cascos argolas que eram tão altas quanto o próprio mestre de cerimônias. Marik se virou para o leão, e chicoteou o chão novamente. O leão agiu por extinto e pulou através das argolas. Os assistentes vieram novamente, e dessa vez colocaram fogo nas argolas, fazendo o público ofegar. Marik mais uma vez chicoteou o chão perto das patas do leão que pulou novamente pelas cinco argolas em chamas.

A multidão aplaudia bastante, mas Marik levantou seu casco esquerdo avisando que não havia acabado ainda, soltando o chicote com um sorriso em seu rosto. O leão rosnou e saltou na direção dele fazendo o público gritar. Marik se esquivou do salto e acertou as pernas traseiras do leão, fazendo ele perder o equilíbrio e cair. O leão levantou e usou suas garras contra Marik, mas o mestre de cerimônias se esquivou facilmente, e começou a correr ao redor do leão, que ficava girando como louco, até começar a ficar com tonturas. Então Marik laçou as patas dele, e em seguida fez uma reverência.

A multidão aplaudiu mais um pouco, e Marik levantou o casco novamente, desamarrando o leão. Ele pegou o chicote com sua boca novamente, e golpeou o animal mais uma vez. Ainda se sentindo tonto, ele ficou alerta, e Marik foi até o leão para abrir sua boca, colocando sua cabeça próxima dela fazendo a multidão ofegar. Marik ficou lá por cinco minutos antes de sair, e então com mais um golpe de seu chicote, fez o leão bater palmas com suas patas dianteiras. O público estava impressionado com a performance e voltaram a aplaudir.

“Eita, essa for por pouco.” Disse Applejack.

“Eu só espero que aquele pobre leão esteja bem.” Disse Fluttershy em um tom preocupado.

“Ah não se preocupe Fluttershy.” Rainbow disse a ela. Eles praticam bastante, e por isso o leão está bem.”

Marik saiu fora da jaula, voltando para o centro da arena. “MUITO BEM!” Gritou. “NOSSA PRÓXIMA ARTISTA É UMA UNICÓRNIO MUITO TALENTOSA! POR FAVOR, DEEM AS BOAS VINDAS PARA ALEXIS!”

O público aplaudia mais uma vez enquanto as luzes focalizavam e iluminavam um pequeno palco de madeira onde estava a unicórnio azul escura com sua capa e chapéu brancos.  Um assistente de palco empurrou uma mesa cheia de objetos, como pratos, varas longas e uma corda. Alexis começou levitando seu chapeu para fora de sua cabeça, e então disse algumas palavras.

“Fow ad em!”

Um buquê de flores apareceu repentinamente de dentro do chapéu e explodiu, jogando várias pétalas que voavam pelo ar, chegando até o público. Depois Alexis tirou do chapéu um bando de gralhas azuis as observando voarem, uma sacola cheia de maçãs, um bolo, e até mesmo um grande urso de pelúcia. Quando a multidão aplaudia, ela recitou um novo encantamento.

“Atrox tempesta fulmina!”

E grossas nuvens negras surgiram no topo da tenda. Fortes relãmpagos saíam delas fazendo a multidão gritar. Alexis sorriu calmamente, e seu chifre brihou ao criar relâmpagos que dançavam no ar. Lentamente a multidão parava de gritar e observavam perplexas os relâmpagos atravessando as nuvens. Houve até mesmo relâmpagos que assumiram a forma de parafusos, uma lua, árvores e até um cachorro.

Então Alexis disse com sua voz baixa e calma. “tempestatem profectus est.”

A tempestade desapareceu e ela se virou para os pratos e varas começando a levitá-los. Ela colocou todos os pratos na extremidade das varas, fazendo-os girar. As varas levitaram diante do público, flutuando através deles indo para cima e para baixo no ar. O chifre da unicórnio mágica brilhou intensamente e todos os pratos e varas se converteram em radiantes faíscas violeta brilhantes caindo sobre a multidão. Em seguida um assistente de palco empurrou um grande recipiente retangular cheio de água para o palco. Alexis levitou as cordas e amarrou firmemente a si mesma. Mais dois assistentes de palco vieram e colocaram alguns equipamentos em Alexis. Um deles colocou uma pulseira preta com um cadeado em seu chifre, e então ambos a levantaram e a colocaram dentro do recipiente de vidro, a selando nele. A multidão olhava com temor a forma como ela estava presa.

“E AGORA SENHORAS E SENHORES!” Gritou Marik. “Vejam Alexis escapar desse container de vidro sem mágica! O bracelete em seu chifre anula qualquer tipo de magia!”

Alexis parecia calma submersa na água, sem mostrar preocupação. Todos os seus cascos estavam amarrados, mas lentamente Alexis foi se balançando, saindo das cordas e abrindo o vidro na parte de cima, onde escutou muitos aplausos. Alexis saiu e reverenciou.

“Minha nossa, essa deu medo.” Disse Rarity. As outras acenaram concordando a pareciam chocadas com o que viram.

As luzes voltaram novamente para Marik situado no centro da arena. “E AGORA O NOSSO PRÓXIMO SHOW! ESSE PÔNEI VAI FAZER VOCÊS GARGALHAREM! VAMOS DAR UMA SALVA DE PALMAS PARA LARRY, O PALHAÇO!”

A multidão aplaudia enquanto Larry entrava escorregando em uma casca de banana, deslizando através da arena até se chocar com um dos postes de sustenção da barraca. A multidão ria e Larry, se levantando, foi até uma grande bola vermelha, pulando sobre ela. De início ele escorregou de propósito arrancando algumas risadas, em seguida se equilibrou sobre a bola, andando sobre ela. Alguns assistentes de palco jogavam pedaços de madeira no palhaço, que as agarrou fazendo malabarismos com elas. Ele continuava com isso por alguns minutos antes de jogar os pinos de madeira para o lado, pulando fora da bola fazendo um flipper e pousando bem em cima de uma banheira de chantili. Ele levantou com uma barba enorme de chantili fazendo a multidão rir novamente. Larry foi até um monociclo, e andou pela arena por alguns minutos. Vários asistentes de palco vestidos de palhaço jogaram tortas em Larry, mas nenhuma delas chegaram nem perto dele.

“Há!” Gritou Larry enquanto continuava montado no monociclo. “Vocês erraram!”

Larry acidentalmente tropeçou com o monociclo em uma pequena parede em torno da arena e caiu em cima de uma grande torta de chantili. A multidão deu uma risada enorme e Larry os reverenciou.

“Oh minha nossa!” Pinkie gritou. “Eu nunca vi uma torta tão grande como aquela antes. Já mi muitas tortas, mas aquela era enorme! Quero dizer, você já.. hmmmf!” Pinkie foi interrompida por Twilight colocando um casco em sua boca.

Marik mais uma vez foi ao centro para anunciar o próximo artista. “espero que vocês estejam prontos para incríveis acrobacias realizados por quem adora viver no limite! Com vocês, Pierce!”

As luzes foram direcionadas até o teto da tenda e lá estava o pegasus cinza com suas asas amarradas. Pierce começou a andar normalmente sobre a corda com seus quatro cascos, mas logo levantou suas pernas traseiras para cima, andando na corda com apenas dois cascos. A multidão observava com os olhos arregalados, imaginando o que poderia acontecer, já que não havia nenhuma rede embaixo. Pierce conseguiu atravessar a corda inteira e recebeu muitos aplausos.

Então ele surpreendeu o público pegando um monociclo e voltando a atravessar a corda lentamente com ele. Algumas pessoas do público gritavam em suspense observando o pegasus. Mas Pierce novamente conseguiu atravessar para receber mais aplausos. Agora o pegasus voltou para a corda montado no monociclo segurando dois pratos com os cascos. Parecia que iria durar uma eternidade, mas Pierce estava conseguindo chegar no final. De repente ele escorregou e caiu fora da corda fazendo todo o público gritar de medo. No entanto, Pierce apenas sorriu e segurou a corda com os dentes, balançando de um lado para o outro até tomar impulso e conseguir se estabelecer novamente na corda, continuando a atravessá-la.

A multidão explodiu em aplausos e deram um grito enorme que chegou a abalar o circo inteiro. Pierce reverenciou em gratidão e tirou a corda de suas asas, voando para o chão. Twilight e suas amigas estavam muito admiradas com a última apresentação.

“Isso foi vinte por cento mais legal do que qualquer performance que já fiz!” Disse Rainbow Dash.

“isso foi mais doido do que uma debandada de gados.” Disse Applejack.

Fluttershy estava tão ocupada torcendo que as outras não tinham notado isso desde a competição de Cloudsdale.

“Isso foi simplesmente magnífico.” Disse Rarity.

“Minha mente girou duas vezes com o que eu vi!” Gritou Pinkie Pie.

Twilight estava apenas surpresa e sem palavras com o que viu. Todos esses anos ela achava que o circo era apenas uma perda de tempo, mas logo concluiu que Spike e suas amigas tinham razão. Então Twilight assumiu uma expressão de pânico quando se lembrou do dragão.

“GAROTAS!”  Twilight gritou em um tom assustado. “SPIKE! NÓS ESQUECEMOS DELE!”

Os olhares de felicidade delas logo mudaram para olhares de susto, e se esforçavam para sair das arquibancadas para encontrar o bebê dragão.

“POSSO TER SUAS ATENÇÕES SENHORAS E SENHORES?” Perguntava a voz de Marik.

A multidão observava atenta, mas Twilight e suas amigas continuavam tentando sair, até ouvirem o anúncio.

“NÓS TEMOS MAIS UM ARTISTA HOJE! UM CONVIDADO ESPECIAL, UM JOVEM DRAGÃO QUE PODE SER PEQUENO, MAS QUE POSSUI INCRÍVEIS PODERES DE FOGO! ENTÃO POR FAVOR, SAÚDAM SPIKE!”

Twilight e as outras pararam ao ouvirem isso. “O QUE?!?” Todas elas gritaram incrédulas.

“Ele não pode estar falando do nosso Spike certo docinho?” Perguntou Applejack.

A pergunta de Applejack logo foi respondida enquanto Spike caminhava até a arena com um sorriso nervoso, olhando a platéia. O público gritava e aplaudia ao mesmo tempo. Spike se estabeleceu no centro da arena enquanto assistentes de palco colocavam quatro troncos idênticos aqueles em que ele praticou.

“SPIKE VAI QUEIMAR TODAS ESSAS TORAS USANDO SEU SOPRO DE FOGO!” Gritou Marik. “ENTÃO ELE IRÁ REALIZAR UM GRANDE SHOW DE LUZES PARA TODOS VOCÊS!”

“Marik foi até Spike e murmurou alguma coisa para ele. “Faça o seu melhor meu amigo.” Disse o mestre de cerimônias em uma voz reconfortante. “Eu também quero que você faça um chafariz de fogo. É quando um dragão lança seu fogo no ar, formando um chafariz incandescente.”

“Mas… e se isso der errado?” Spike perguntou hesitante.

Marik sorriu calorosamente para o bebê dragão. “Você pode fazê-lo, sei que consegue. Você tem um talento especial e por isso tudo vai ficar bem.” Ele então se afastou de Spike, ficando ao seu lado.

Spike olhou ao redor para perceber vários pôneis o observando com grandes sorrisos. Ele sentiu seus joelhos amolecerem um pouco, e estava à beira de um desmaio. Engolindo seco, ele se direcionou para as toras e prendeu o máximo possível sua respiração, segurando o ar. Depois de alguns segundos, ele liberou, lançando um grande fogo verde que atingiu todas as toras. A multidão aplaudia freneticamente.

Spike viu algumas toras sendo colocadas uma em cima da outra formando uma torre, e com outro sopro ele atingiu todas as toras em uma varredura limpa. O público mais uma vez aplaudia por um largo tempo. O bebê dragão continuava atingindo alvos que tinham a forma de muffins, maçãs e até uma fênix. A multidão aplaudia enquanto Spike preparava para fazer o chafariz de fogo.

Ele ficou olhando para o teto e inalou o ar firmemente para deixar as chamas se formarem, e então soltou um chafariz de fogo verde esvoaçante que quase atingiu a corda de Pierce, com as chamas se espalhando por todos os lados A multidão assistia admirada a forma como o bebê dragão continuava seu ato até algumas brasas choverem sobre eles, mas sem que fossem feridos. Depois de alguns minutos, Spike deixou o chafariz de fogo se dissipar, pegando fôlego. Ele se sentia suado como se tivesse participado da corrida das folhas cinco vezes em apenas um dia.

A multidão explodia em aplausos que era tão alto quanto qualquer outro ovacionado por eles naquela noite. Nas arquibancadas Twilight e suas amigas não estavam apenas aplaudindo mais do que qualquer outro pônei, mas estavam sem palavras com o que Spike fez. O dragão sentia lágrimas em seus olhos, mas com um sorriso enorme em seu rosto. Ele não sentia isso desde o dia em que se encontrou com Rarity. Spike viu os outros artistas se alinharem com ele no palco e então deram uma grande reverência.

A multidão saía lentamente, mas Twilight e as outras estavam correndo o mais rápido que podiam para ver Spike. O dragão e os outros artistas estavam voltando para suas tendas enquanto eram parabenizados por suas apresentações.

“Você me deu um grande susto Pierce.” Disse Larry com um copo de cidra.

Pierce sorriu e deu um tapa nas costas dele com seu casco. “Bem pelo menos não levei outro torta, de novo.”

Spike estava rindo com eles, até sentir um casco em seu ombro. Era Marik sorrindo. “Meu amigo, você foi magnífico hoje. Realmente você é um dragão especial, e provou isso nesta noite.”

“O que quer dizer?” Perguntou Spike.

“Spike, o que acha de se juntar a nós?” Perguntou Marik. “Com um talento como esse você poderia se tornar uma estrela.”

Os outros acenaram concordando, e Spike estava impressionado com o que foi dito. Uma chance para se tornar famoso e deixar Twilight orgulhosa. No entanto, ele sentia culpa. Estava imaginando o que Twilight e os outros diriam sobre isso. Poderia elas ainda serem suas amigas? Seu rosto fez uma carranca.

“Qual o problema Spike?” Perguntou Alexis.

“Bem… é que eu não sei como minhas amigas reagiriam se soubessem disso.”

“Spike, nós somos seus amigos.” Disse Marik. “Depois do que você me disse deles, ainda os considera seus amigos?”

A mente de Spike entrava em conflito. O que Marik estava dizendo era verdade, elas o deixaram sozinho. No entanto, uma parte dele sentia que deveria estar com Twilight e os outros. “Bem, eu…”

“SPIKE!!” Um grupo de voz gritou.

Spike se virou para ver Twilight e os outros sorrindo.

O bebê dragão correu e abraçou Twilight. “O que vocês todas estão fazendo aqui?”

Twilight tirou os ingressos de sua mochila. “Eu ganhei esses ingressos em uma competição. Vimos sua apresentação essa noite, e ficamos muito orgulhosas.”

“Obrigado Twilight!” ele se virou para Marik e os outros artistas. “Ei pessoal, essas são as minhas amigas!” Os artistas as cumprimentaram, e suas outras amigas fizeram o mesmo.

“Você foi incrível Pierce, e aquela sua façanha de escorregar na corda estupenda!” Disse Rainbow Dash.

“Aww, não foi nada. Eu tenho vontade de fazer isso de vez em quando.” Disse o pônei cinza com um sorriso.

“Senhorita Alexis, disse Rarity. “Suas mágicas foram simplesmente maravilhosas.” Alexis corou um pouco e sorriu.

“Oh, eu preciso saber onde você conseguiu aquela super torta gigante Larry! Nunca vi uma como aquela antes!” exclamou Pinkie Pie.

Larry sorriu e disse, “Nós temos os nossos chefs que fazem uma massa de torta enorme, junto com o chantili.”

Então Marik deu um passo à frente. “Olá a todas, espero que tenham se divertido com o show. Eu estava conversando com Spike, minha nova estrela.”

Twilight e os outros ofegaram ou ouvirem isso. “Spike, o que está havendo aqui?” Perguntou a unicórnio roxo.

O jovem dragão sorriu e disse, “Me foi oferecida uma chance para ficar aqui, e me tornar um artista Twilight. Eu posso mostrar meu talento e ficar famoso.”

As pôneis olharam chocadas. “Spike, você é meu assistente e amigo. Por favor, diga que você não vai ficar com eles, certo?” Twilight perguntou com um leve tom de preocupação em sua voz.

Spike olhou para suas amigas e viu que cada uma tinha os passes, mas Twilight tinha dois deles. “Ei Twilight, por que você tem dois ingressos?”

“Esse é um ingresso extra.” Disse Twilight parecendo um pouco nervosa. “Os juízes me deram uns extras para as minhas amigas, mas eu uh … ia dar um pra você.”

Twilight estava esperando que seu assistente fosse acreditar na mentira, mas ele olhou para a unicórnio um pouco zangado. “Não é verdade, é?” Perguntou Spike amargamente. “Se você queria me dar um, por que não me procurou então?”

Twilight estava paralisada de medo. Ela nunca viu o bebê dragão zangado em sua vida, mas imaginou que se dissesse a verdade e pedisse desculpas tudo ficaria bem. “Não é bem assim Spike… nós acidentalmente nos perdemos em toda a diversão e por isso acabamos… esquecendo você.”

Spike estava paralisado, incrédulo com o que acabara de ouvir. Ele sentiu sua indignação crescer cada vez mais. “Você me esqueceu? Como pôde fazer isso comigo?”

“Spike, foi um acidente.” Disse Twilight. “Nós nos importamos com você… muito. Nós apenas…”

“Suas mentirosas!” Spike gritou para elas.

O dragão estava furioso e não podia acreditar no que ouviu, mas era a verdade. Nenhuma delas se lembrou dele, que foi esquecido enquanto suas amigas estavam se divertindo. Ele olhou para elas com um olhar mais assustador do que a de Fluttershy com seus animais. Twilight e os outros se sentiram paralisadas, e empalideceram.

“Então é isso!?” Spike gritou com elas e em cada palavra a raiva crescia em sua voz. “Depois de tudo o que fiz, é assim que sou tratado?”

“S…Spike, por favor, nós nos importamos.” Disse Twilight com uma voz muito tímida.

“Mentiras de novo!” Gritou Spike. “Se você se importa tanto por que eu sempre sou deixado para trás trabalhando enquanto você está se divertindo?”

Em seguida, Applejack deu um passo à frente para acalmar o dragão. “Docinho, nós nunca te deixamos para trás, nós apenas…”

Spike não podia mais conter sua frustração. “Mentira! Nenhuma de vocês se importam e me usam apenas para trabalho! Quem foi forçado a ficar em casa durante a COMPETIÇÃO DE VÔO em CLOUDSDALE, tendo que limpar a biblioteca inteira de uma certa unicórnio?!”  Ele olhou para Twilight, que estava olhando para o chão e tremendo de medo.

“QUEM SEMPRE LIMPA TODA A BAGUNÇA DOS PÔNEIS? SOU EU! QUEM NÃO PÔDE IR NA FESTA DE ANIVERSÁRIO DA GUMMY? QUEM FOI ABANDONADO NO GRANDE BAILE GALOPANTE FICANDO HORAS SOZINHO NA LANCHONETE DO PONY JOE? QUEM ESTÁ SEMPRE LIMPANDO A BAGUNÇA DE TODA A NOITE DE ESTUDOS? QUEM foi deixado para trás PARA LEVAR um livro para casa quando O QUE EU QUERIA ERA estar com TODOS VOCÊS! EU! EU! EU!

Applejack ficou boquiaberta e se afastou um pouco, com Fluttershy atrás dela tremendo. Rarity estava sem palavras e sentiu as lágrimas se acumularem em seus olhos. Rainbow estava com os olhos arregalados e sentiu suas asas tremerem um pouco. Até Pinkie percebeu a gravidade da situação e olhou para baixo.

“E AQUI EU fui esquecido por todos vocês!” O bebê dragão gritou. “E JÁ FOI O BASTANTE! SE É ASSIM QUE VOU SER TRATADO ENTÃO ACABOU! EU NÃO QUERO MAIS SER AMIGO DE VOCÊS!

As pôneis ofegaram e Twilight queria de alguma forma confortá-lo. “Spike, por favor…”

Antes que elas pudessem reagir, Spike soprou um fogo no chão, fazendo uma linha entre ele e suas amigas os separando. “Eu não preciso de você Twilight… de nenhuma de vocês.” Ele disse amargamente. “Eu não vou voltar com vocês…esses são meus verdadeiros amigos. Agora vão embora e me deixem sozinho.”

A mente de Twilight ficou em branco. Ela não sabia o que fazer, tentava dizer alguma coisa, mas não encontrava palavras.

“Você ouviu ele.” Disse Marik quebrando o silêncio. “Por favor, nos deixe agora, ou os funcionários terão que acompanhá-las até a saída.”

Twilight e os outros olharam para Spike mais uma vez, mas ele deu as costas para elas. As pôneis perceberam que os artistas as observavam com um olhar severo. Concluindo que não havia mais o que fazer e chocadas com o que aconteceu, elas partiram deixando Spike com seus novos amigos.

Twilight e os outros caminharam para fora do circo, até o morro de onde vieram antes. Todas elas ainda estavam abaladas com o ocorrido e nenhuma conseguia encontrar palavras para quebrar o silêncio. Twilight era a que mais estava tendo dificuldades para lidar com isso. Ela sentia como se tivesse perdido um filho e ficava lembrando de todas aquelas coisas que Spike disse a ela e os outros sobre ele ter sido abandonado, e refletindo sobre isso ela sabia que ele tinha razão. A unicórnio se repreendia pelo que fez com seu amigo, e sentia lágrimas se acumulando. Ela se culpava pelo que aconteceu e por não saber como ele se sentia antes que fosse tarde demais. Ela imaginava que aqueles artistas pudessem ser melhores amigos e uma família para Spike. Mas de repente, algo brilhou na mente de Twilight quando se lembrou daquele mestre de cerimônia. Ela imaginou que ele era familiar, e teve uma percepção obscura sobre ele.

“Twi, nós não vamos deixar ele aqui, vamos?” Perguntou Rainbow Dash quebrando o silêncio.

Twilight ainda estava tremendo com o ocorrido, mas sacudiu sua cabeça e disse, ‘Não… há alguma coisa errada com esse circo. Eu me aproximei daquele mestre de cerimônias e ele… parecia com alguém que eu já li a respeito antes.”

“Espere um minuto.” Disse Applejack para Twilight. “Pode nos dizer o que você sabe sobre ele?”

As cinco pôneis olhavam para Twiligh apreensivas.

“Não… mas li sobre ele antes. Spike pode estar em perigo e temos que avisar a Princesa sobre isso.”

“Como querida?” Perguntou Rarity. “Spike é a sua única forma de se comunicar com Celéstia, e nenhuma de nós é rápida o bastante para levar a mensagem até ela.”

“Ei, eu posso chegar lá em poucos segundos… bom, não em poucos segundos, mas posso chegar lá antes que você perceba.” Disse Rainbow Dash. “Eu irei para Canterlot avisar a Princesa. O que querem que eu diga a ela?”

Twilight levitou um pergaminho, pena e tinta, começando a escrever. “Aqui, leve isto para Celéstia.” Ela enrolou o pergaminho e entregou para a pégasus azul.

“Deixa comigo!” Disse Rainbow Dash fazendo continência. Então ela se virou e voou rapidamente em direção a Canterlot.

“Twilight, Spike vai ficar bem? Perguntou Pinkie visivelmente preocupada.

Twilight deu um tapinha nas costas de sua amiga. “Ele tem que ficar, Pinkie, e se estiver em perigo nós estaremos lá.” Twilight olhou de volta para o circo derramando lágrimas. “Spike, eu te amo, e espero que esteja bem.

Dia de circo – parte 3

 

Título original: Circus Day

Tradução: Lucas T.

Autor: Dragon Warlock

[Parte anterior]

Spike seguiu Marik até a entrada da tenda, onde viu uma grande arena. Nela havia alguns monociclos, bolas de malabarismo, uma corda estendida no alto com uma rede abaixo dela, algumas jaulas de animais e arcos. Ele também viu três pôneis que pareciam estar ensaiando para a próxima apresentação. Um estava montado em um dos monociclos, outro praticando mágica com uma cartola, onde muitas borboletas voavam para fora dela. O terceiro pônei estava no alto da corda andando através dela com seus cascos da frente enquanto os de trás estavam levantados.

“Atenção todo mundo!” Gritou Marik. “Deem uma pausa no ensaio por favor, temos um visitante.”

Os três artistas pararam o que estavam fazendo e foram até o mestre de cerimônias, onde Spike finalmente pôde observá-los melhor.

Aquele que estava no monociclo era um pônei terrestre, com maquiagem branca no rosto, um sorriso pintado em vermelho e usava um nariz de borracha também na cor vermelha. Estava vestido com um terno ornamentado com várias bolinhas e uma flor de esguichar água. Ele tinha uma calda e crina muito volumosa na cor laranja, ​​olhos castanhos, e sua pele era na cor azul petróleo. Spike notou que sua marca especial era uma boca que parecia estar sorrindo.

Aquela que estava fazendo truques mágicos era obviamente uma unicórnio e estava vestindo uma capa e um chapéu de seda, ambos na cor branca. A capa não cobria totalmente sua marca especial onde Spike viu uma cartola de ponta cabeça com faíscas saindo de dentro dela. Ela tinha uma pele azul escura, com uma fisionomia semelhante à de Twilight, olhos púrpuras e uma longa crina e calda nas cores marrom.

Aquele andando na corda era um pégasus muito magro, tinha uma crina verde cortada no estilo moicano, olhos azuis, e uma pele cinza, estava usando apenas uma faixa vermelha na cabeça. Spike viu que sua marca especial era um pônei apoiado com seus cascos frontais e os traseiros fazendo um coice.

“Spike, quero que você conheça meus amigos e artistas.” Disse Marik. “Este é Larry, o pônei bufão. Ele sempre quis fazer outros pôneis sorrirem até se tornar um comediante.”

Larry deu um sorriso de satisfação e apertou a mão de Spike com seu casco. “Prazer em conhecê-lo Spike.” Disse com um sotaque de Manehatan.

“Aqui está nossa amada mágica, Alexis.” Disse Marik apontando para a unicórnio. “Ela pode ser uma unicórnio, mas sempre queria impressionar o público como uma artista. Alexis consegue tirar muitas coisas fora de sua cartola, e eu sempre me pergunto se não seria algum tipo de portal dimensional, mas ela vive dizendo que um mágico nunca revela seus segredos.”

Alexis corou e murmurou com uma voz suave parecida com a de Fluttershy. “Olá Spike.. eu..hu…espero que esteja gostando daqui.”

“O último mas não menos importante, é o mais ágil do nosso grupo, Pierce. Ele adora fazer manobras e acrobacias perigosas, é  muito talentoso para andar em cordas e ama viver no limite. Ele sempre fica com suas asas amarradas para não voar, já vi ele atravessar a corda bamba com suas patas dianteiras, andar em uma roda de carroça através dela, e até mesmo com um monociclo sem rede de segurança. Ele é uma lenda entre nós.”

“Ah corta essa Marik.” Disse Pierce. “Você está me embaraçando.”

Marik deu uma risada alta, e bateu nas costas de Pierce fazendo um som de clop. “Bobagem meu amigo, você é muito talentoso assim como o resto de nós.” Pierce coçou a cabeça e desviou o olhar para tentar esconder seu constrangimento.

“Hum… Marik?” Disse Spike. “Você disse que você e seus amigos sabem o que é se sentir sozinho. Por que? Parece que vocês são amigos há muito tempo.”

Os três pôneis e Marik deram um sorriso triste. O mestre de cerimônias andou para frente e descansou seu casco direito em Spike. “Bem, quando éramos crianças perdemos nossos pais, e estávamos todos no mesmo orfanato de Phillydelphia. Era um lugar terrível, os quartos eram adornados com papéis de parede velhos e rasgados, o chão estava sempre sujo, a comida era péssima, havia pouquíssimos brinquedos, o diretor era um pônei muito cruel, e as camas eram duras como pedra. Nós éramos sempre perseguidos, e sofríamos gozação de outras crianças o tempo todo. Cada um de nós tinha medo de fazer amigos, uma vez que não sabíamos em quem confiar, e tem sido assim durante seis longos anos.”

“No entanto, um dia eu vi que Alexis estava chorando perto de uma árvore, e decidi ir até ela para saber o que estava errado. Ela me disse que um dos unicórnios usou mágica para pendurar o chapéu dela no topo de uma árvore, e que não possuía habilidade suficiente para pegá-lo de volta. Eu decidi ajudá-la golpeando a árvore com meus cascos traseiros, e depois de alguns coices ele finalmente caiu. Alexis me abraçou, e então Pierce e Larry vieram depois de ver o que eu fiz. Todos eles gostaram da forma como ajudei Alexis. Então nós conversamos muito entre nós, e descobrimos que tínhamos muito em comum; perdemos nossos pais, não tínhamos amigos, e éramos sempre perseguidos por outros pôneis do orfanato. Desde então, passamos a ficar juntos todos os dias.”

“Então como vocês conseguiram suas marcas especiais?” Perguntou Spike. “Deve ter levado muito tempo.”

Marik riu e disse, “Na verdade, não levou tanto assim. Poucos dias depois de nos tornarmos amigos, ficamos sabendo que o orfanato estava promovendo um show de talentos e que teria um prêmio especial. Todos nós fomos forçados a participar e fazer tudo de acordo com a categoria em que seríamos enquadrados. Nossa categoria era circo, e então planejamos o que cada um deveria fazer. Fui eleito para ser líder e domador, já que sempre estive liderando o grupo e tinha um jeito com animais. Alexis aprendeu mais sobre magia e de como fazer truques, então ela foi eleita a mágica. Larry sempre brincava conosco com suas pegadinhas malucas, então ele se tornou o palhaço. Pierce sempre dizia que era flexível, o que era verdade. Ele conseguia fazer várias cambalhotas, e também andava com os dois cascos da frente, então ele fez o acrobata.”

“Então nós passamos a treinar bastante o que iríamos fazer no dia do show de talentos. Eu anunciei com minha voz alta sobre o grande evento no orfanato, e impressionei a todos com a minha capacidade de domar um cão vira lata que o diretor encontrou. No fundo, o diretor estava esperando que o cão fosse nos atacar. De fato ele relutou muito, mas graças às minhas habilidades fui capaz de fazer esse cão obediente e adorável em apenas 2 minutos.“

“Pierce foi o último, e o mais impressionante de todos nós. Ele andou em um cabo de aço amarrado do telhado até uma árvore que era tão alta quanto o próprio prédio do orfanato. Para garantir que não estava trapaceando, ele amarrou suas próprias asas, e em vez de andar sobre a corda com os quatro cascos, usou apenas suas patas dianteiras para atravessar. A multidão ficou chocada, mas quando ele conseguiu chegar no outro lado, recebeu uma salva de palmas tão alta que poderia acordar todos em Fillydelphia. Pierce ainda fez um grand finale andando de monociclo em toda a corda bamba novamente. Outra vez a multidão ficou em estado de choque, e quando Pierce atravessou toda a corda recebeu aplausos, relinchos e gritos tão altos que a vizinhança chegou a pensar que Fillydelphia estava sofrendo um terremoto.”

“Quando o show de talentos acabou, foi anunciado que nós éramos os vencedores, mas não nos importamos muito com isso. Nós olhamos para a multidão nos aplaudindo e nos chamou a tenção a forma como os deixamos contentes. Foi onde vimos um brilho repentino, e quando olhamos nossos flancos lá estava nossas marcas especiais.”

Spike olhava com admiração. “E como vocês deixaram o orfanato?”

“Eu já ia chegar nessa parte. Desde que vencemos o show de talentos, descobrimos que nosso prêmio era uma viagem de campo para Canterlot com o diretor. Vimos enormes edifícios históricos, obras de arte que era tão belo quanto o pôr do sol nas montanhas, e muito mais. Enquanto estávamos lá, vimos que havia outro circo chamado Cirque de Equestria. Nós demos uma escapulida do diretor para dar uma olhada, e vimos que não era exatamente como um circo, embora as pessoas estivessem se entretendo mesmo assim. Naquele momento, decidimos que com nossas habilidades poderíamos nos tornar artistas para entreter os outros, mas o diretor não concordou.”

“Quando voltamos para Fillydelphia, saímos todos da carruagem, com o diretor andando na frente até os portões. Ele pensou que nós estávamos o seguindo, mas nesse momento fugimos pelas ruas, enquanto ouvíamos ele gritar de frustração. Felizmente, ele nunca tentou nos encontrar, e por isso decidimos ir em outro circo que estava localizado fora de Fillydelphia chamado O Fantástico Circo de Fred. O dono nos ensinou como administrar um circo, e nós ainda pudemos fazer algumas apresentações para melhorar nossas habilidades. Infelizmente, o dono do circo sofreu um acidente pouco tempo depois que começamos a trabalhar. Decidimos tomar conta do circo e continuar o legado de Fred. Isso foi há quatro anos, e desde então estamos firmes no trabalho.”

Quando Marik terminou Spike ficou em completa admiração pela história e pelas dificuldades que eles superaram. Comparado a isso, ser assistente de Twilight parecia tão fácil.

“Aqui está, um símbolo da nossa amizade e agradecimento por nos ouvir.” Disse Larry entregando para Spike uma flor vermelha.

Spike sentiu um doce aroma vindo da flor. De repente, o nariz parecia que estava queimando, e o coçou. Antes que pudesse reagir, soltou um espirro e sua boca lançou uma enorme coluna de fogo verde que atravessou a grande arena, e pegou todos os pôneis de surpresa.

Os olhos de Spike estavam arregalados, e sentiu seu rosto avermelhar. “Eu…eu… sinto muito. Não quis fazer isso!”

Mas ao invés de levar sermão, Spike viu Marik e os outros aplaudindo.

“Spike, isso foi incrível! Você não disse que podia fazer isso!” Disse Marik contente.

Spike se sentiu envergonhado e orgulhoso ao mesmo tempo. “Bem, eu sou um dragão, então às vezes isso acontece.”

“Você não entende Spike.” Disse o pônei verde. “Você é um bebê dragão e já pode lançar chamas como um adulto! Você tem um talento muito especial.”

Spike não podia acreditar no que estava ouvindo. Ele não apenas fez novos amigos, mas estava sendo elogiado por um talento que possuía. Sentiu seu coração inchar como um balão.

“Tenho uma idéia, Spike.” Disse Marik. “O show começa em uma hora, então gostaria de praticar suas habilidades de lançar fogo e se juntar a nós no show?”

Spike ficou boquiaberto, de repente ele teve a oportunidade de participar de um show. “Sério?” O mestre de cerimônias deu um aceno. “Claro!” O bebê dragão gritou feliz. Cada pônei aplaudiu e gritou o nome de Spike. O dragão não podia fazer nada além de se sentir corado de novo.

“Vamos todos.” Marik interveio. “Precisamos praticar e nos prepararmos. Spike venha comigo para que possamos arrumá-lo.”

O dragão acenou e foi com Marik enquanto os outros voltavam aos seus ensaios. “Então o que eu vou fazer?”

“Só um minuto por favor.” Respondeu Marik. O mestre de cerimônias foi em uma parte da arena e colocou algumas toras na posição ereta, formando colunas. Cada coluna tinha dez toras resultando em dez fileiras. Quando terminou, Marik voltou para instruir Spike.

“O que você tem que fazer é queimar aquelas toras com suas chamas que nem fez antes, entendeu?”

O bebê dragão olhou desapontado, e murmurou algo para Marik.

“Fale alto meu amigo, não ouvi.”

Então Spike desabafou. “Eu ainda não aprendi a lançar chamas dessa forma. Aquele espirro que soltei é o único meio que me permite lançá-las.” Ele olhou para o pônei esperando uma reação desapontada, mas ao invés disso viu o mesmo sorriso gentil de antes.

“Considerando o que você fez antes imaginei que já fosse um especialista. Você tem muito potencial e nunca teve a chance de usá-lo?”

Spike acenou desanimado e disse, “Twilight sempre me ensinou a não fazer algo assim. Ela sempre me censurou e disse que eu deveria usar as chamas apenas para enviar correspondências.”

Marik franziu a testa ouvindo isso. “Sua amiga pode pensar que isso é o melhor para você, inclusive para evitar acidentes, mas suprimir sua habilidade foi um grande desperdício de talento. No entanto, há um jeito de você lançar as chamas como antes despertando todo o seu potencial que ficou adormecido.”

Spike olhou com expectativa. “Como?”

“Basta você deixar as chamas acumularem e, em seguida, deixar tudo sair para fora.”

Spike refletiu sobre isso por alguns minutos. Uma parte dele dizia que estava errado usar suas habilidades dessa forma, mas outra dizia que ele sempre estava sendo reprimido por Twilight. Então Spike se lembrou do que aconteceu com ele quando as outras o deixaram sozinho, e sentiu um pouco de raiva delas. Deixando sua consciência de lado, o bebê dragão tomou sua decisão.

“Tudo bem Marik, eu farei isso.”

“Muito bem Spike.” Disse o pônei verde com um pequeno sorriso. “A melhor maneira de usar o seu poder é deixá-lo acumular, e então, quando você sentir que não pode mais segurá-lo, basta deixá-lo sair.”

Spike acenou e decidiu tentar. Ele fingiu que ia entregar uma carta à Princesa Celestia, mas em vez de deixar as chamas saírem como de costume, deixou elas se acumularem em seu interior. Spike sentia seu peito queimar, e começava a passar mal. Ele tentou segurar o máximo possível, mas quanto mais segurava, mais dor sentia. Não aguentando mais, cuspiu uma enorme coluna de fogo que foi em linha reta até as toras.

Spike se virou para Marik lhe dando um sorriso. “Muito bem Spike, agora faça o mesmo com as outras colunas de madeira.”

Spike acenou e se concentrou ao máximo. Ele não só queimou uma coluna de toras, mas aprendeu rapidamente como lançar chamas em forma de arcos para queimar as outras colunas. Quando terminou, viu Marik se aproximando com um sorriso.

“Você fez muito bem, meu amigo.”

De repente, uma mensagem foi anunciada no auto falante. “SENHORAS E SENHORES!” Spike reconheceu a voz como sendo de Pierce. “O SHOW IRÁ COMEÇAR EM CINCO MINUTOS. POR FAVOR, DIRIJAM-SE ATÉ SEUS ASSENTOS E DIVIRTAM-SE NO MARAVILHOSO CIRCO DE MARIK!”

Marik olhou para Spike novamente. “Você fez um grande trabalho, Spike. Nunca vi tamanho avanço em um curto espaço de tempo. Esta noite, eu quero que você dê tudo de si para o público, entendeu?”

Spike balançou a cabeça e foi com Marik no lugar onde se encontraram pela primeira vez, e lá viu os outros artistas alongando e se aquecendo. Larry estava usando um pó branco para se maquiar, Pierce estava se esticando, e Alexis olhando alguns acessórios na mesa. Enquanto ele observava, Spike percebeu que a multidão do lado de fora se acalmava a cada minuto que passava, se dirigindo para dentro do circo. O bebê dragão se sentiu um pouco intimidado e nervoso com medo de falhar.

“Você será ótimo, Spike.” Disse uma voz repentina.

Spike se virou e viu que era Larry e os outros ao lado dele.

“Não se preocupe.” Disse Pierce confiante. “Todo mundo fica com medo do palco em sua primeira apresentação, mas sei que você consegue.”

“Sim, você consegue.” Disse a voz de Alexis. Nós estaremos aqui para apoiá-lo o tempo todo.”

Spike acenou e disse, “Obrigado, a todos.” Ele olhou para trás, na entrada para a arena e sentiu sua confiança levantar voo quando já estava pronto para ir até o picadeiro.

Dia de circo – parte 2

Tìtulo original: Circus Day

Tradução: Lucas T.

Autor: Dragon Warlock

[Parte anterior]

No dia seguinte, Spike acordou cedo e desceu as escadas para ver o que precisava ser arrumado na última sessão de estudo de Twilight. Quando entrou no salão, viu que muitos livros estavam espalhados como da última vez, mas notou que não havia tantos como ontem. Assim que começou a limpar, ele ouviu alguém batendo na porta. O dragão caminhou até a entrada, imaginando quem poderia estar na biblioteca tão cedo.

Ele abriu a porta apenas para ver que ninguém estava lá, e imaginou se poderia ser alguma pegadinha de Pink ou Rainbow Dash, mas achou estranho o fato deles fazerem isso tão cedo. Spike olhava em volta, onde avistou um folheto amarelo perto da porta, e pegou para ler. O panfleto se referia a um novo lugar que Spike nunca havia ouvido falar antes, e estava enfeitado com listras vermelhas e brancas, cercado de confetes e balões. Havia uma mensagem na parte de trás dele.

VENHAM TODOS!

VER ARTISTAS QUE DESAFIAM O PERIGO, ANIMAIS SELVAGENS E MUITO MAIS!

VENHA VER O SHOW QUE JÁ FEZ SUCESSO EM TODA EQUESTRIA!

O INCRÍVEL E MARAVILHOSO CIRCO DE MARIK!

Spike ficou bastante animado lendo a propaganda. Ele sempre queria conhecer um circo de perto, mas Twilight se recusava em levá-lo sob a alegação de que era perda de tempo, já que os estudos eram mais importantes e que shows como esse eram para “Pôneis malucos”. Spike imaginava uma forma de convencer Twilight a levá-lo, mas enquanto caminhava, acidentalmente tropeçou em um dos livros espalhados pelo chão, se lembrando que ainda tinha que limpar a bagunça.

No momento em que já estava voltando ao trabalho, escutou Twulight dar um grande bocejo enquanto descia as escadas. “Spike, o que é isso?” Ela perguntou com uma voz meio grogue.

O dragão se virou para a unicórnio roxo enquanto agarrava o panfleto. “Não sei, apenas encontrei no chão perto da porta.” Twilight levitou o papel das mãos de Spike, o trazendo até ela. Enquanto olhava a propaganda, ela balançou a cabeça negativamente. “Por favor Twilight, você nunca deu uma chance de ver um circo de perto.” Resmungou Spike.

“Spike, você sabe muito bem o que eu penso de shows como esse.” Disse Twilight em um tom severo.

 “Eu sei, mas você age como se um circo fosse pior do que a Nightmare Moon.”

Twilight estava prestes a dizer alguma coisa, mas foi interrompida por alguém batendo na porta. Ao abri-la, foi imediatamente abordada por um rastro azul, a deixando desorientada. Recuperada, ela viu Rainbow Dash em sua frente, com alegria em seus olhos.

“Twilight, você viu isso?” Perguntou a pégasus azul. “Viu esse panfleto?”

Twilight notou que cada uma de suas amigas tinha o mesmo panfleto que ela e Spike. “Sim Rainbow, eu vi.” Disse Twilight um pouco atordoada. “Embora não esteja tão interessada assim.” Os pôneis soltaram um suspiro ao ouvirem isso.

“O que?!” Rainbow gritou desacreditada. “Twilight, está dizendo que você nunca quis ir a um circo?”

Twilight balançou a cabeça. “Não vejo razão alguma em ir. Não consigo entender como alguém pode se divertir com um bando de pôneis fazendo piadas e palhaçadas.”

“Por que Twilight, estou pasma com o que você está dizendo.” Disse Rarity. “Saiba que muitas das roupas usadas em circos fui eu que fiz, e como pagamento foi apresentado um show grátis pelos meus brilhantes designs. Eles são muito divertidos.”

Spike estava observando Twilight argumentando com suas amigas. De repente ele teve uma idéia de como resolver isso. “Twilight, você me deve uma se lembra?”

As seis pôneis pararam de discutir entre elas e se viraram para Spike. “O que quer dizer Spike?” Perguntou Twilight, levantando uma sobrancelha.

“Desde que você me viu ocupado com a limpeza, disse que gostaria de fazer algo por mim.”

“Bem, sim Spike, mas…”

“Nada de mas!” O dragão a interrompeu. “Você disse que gostaria de fazer algo por mim, e eu nunca fui a um circo.”

Então Applejack deu um passo à frente. “Spike, você está dizendo que nunca foi em um circo antes?” Spike acenou com a cabeça enquanto sentia Applejack lhe dando um tapa nas costas. “Bem, então essa pode ser a sua chance. É mais divertido do que pular na lama com os porcos!”

Pinkie Pie saltava ao redor Spike, lhe dando um grande sorriso. “Oh e quanto aos doces que eles têm! Maçãs carameladas, pipocas e… GASP! Algodão doce! O algodão é tão delicioso! Eu ainda não comi um algodão que não fosse delicioso, bem, exceto daquela vez que encontrei alguns nas paredes do Torrão de Açúcar, eu comi alguns e fiquei doente, quero dizer, isso foi tão…”

“PINKIE!” Spike e os outros pôneis gritaram.

A pônei rosa fez uma pequena careta. “Aww eu só ia falar sobre a sensação de mastigar as paredes do Torrão de Açúcar, não precisavam gritar.”

“Desculpe Pinkie, mas você sempre tem uma tendência de continuar e continuar.” Twilight a tranquilizou.

“Hum, desculpe?” Perguntou a voz baixa de Fluttershy. “Spike… o circo tem animais maravilhosos como leões e tigres que você deveria ver.. mas.. só se não tiver problema pra você.”

Finalmente Spike se virou para Twilight, dando-lhe um sorriso esperançoso. “Bem Twilight, podemos ir?”

As outras pôneis olhavam para Twilight com um grande sorriso e brilho nos olhos. Sabendo que não poderia vencer, ela acenou a cabeça lentamente. “Tudo bem, nós vamos.” Spike e as amigas de Twilight deram um grito de alegria ao ouvirem isso. “Um momento!” a unicórnio roxo gritou. “Primeiro temos que saber onde fica esse circo e a que horas começa.”

Spike olhou para o folheto e viu algo na parte de trás, o que parecia ser um mapa e a hora do show. “Aqui está, vai ser fora de Ponyville, próximo ao bosque Whitetail, e hoje terá um show a partir das quatro.”

Twilight olhou na parte de trás do panfleto e acenou. “Então está combinado, vamos nos encontrar aqui às duas horas, então podemos ir.” Todas se despediam enquanto partiam, deixando Spike e Twilight sozinhos.

O dragão abraçou Twilight sorrindo. “Obrigado Twilight!”

 “De nada!” Respondeu a unicórnio roxo.

Enquanto o tempo passava, Twilight estava preparando algumas coisas para levar ao circo. Ela colocava materiais em sua mochila para fazer algo durante a viagem. Spike ajudava com os suprimentos enquanto ficava perdido em sua mente. Ele não estava apenas indo para o seu primeiro circo, mas também para passar o tempo com as outras pôneis. O dragão pensou que poderia finalmente firmar sua amizade com elas. Estava tão perdido em seus pensamentos que, quando Twilight tocou em seu ombro, deu um leve salto.

“Vamos Spike.” Ela disse. “Já são duas horas.”

Spike terminou de empacotar tudo e ao descer as escadas viu as amigas de Twilight esperando.

“Todos prontos?” Perguntou Applejack. Os demais acenaram e Twilight olhou para a biblioteca pela última vez antes de partirem para o circo.

Spike e os outros caminhavam até os arredores do Bosque Whitetail, onde subiram uma colina íngreme. Assim que se aproximavam, escutavam músicas e vários pôneis conversando. Chegando ao topo da colina, já podiam ver o circo. Havia uma grande tenda parecida com o da ilustração no panfleto, cercado por várias estandes que vendiam maçãs doces, algodão doce, pipoca e muito mais. Em algumas barracas havia jogos como pistolas de água, garrafas de suco de maçã alinhados para serem derrubados, com ursos de pelúcia e outros animais valendo como prêmios. O grupo inteiro estava maravilhado com isso, principalmente Spike. Eles foram para o estande que vendia os ingressos, e cada uma comprou a sua, exceto Spike que teve o seu comprado por Twilight.

Spike olhou em volta e ficou sem palavras ao observar tantas estandes e o picadeiro. “Então… onde deveríamos ir primeiro?” Ele conseguiu perguntar.

Twilight desenrolou um pergaminho para ler e disse, “Bem, eu tenho um plano, então escutem.”

“Olhem, algodão doce!” Pinkie gritou pulando de alegria. “Vamos atacar garotas!” A pônei rosa correu até uma das barracas.

“Ei Applejack.” Disse Rainbow Dash. “Eles têm competições com pistolas de água, aposto que posso ganhar mais prêmios do que você!”

Applejack sorriu maliciosamente para Rainbow. “Veremos!” As duas pôneis correram até a tenda dos jogos.

“Hum… Twilight?” Disse Fluttershy. “Eu vou dar uma olhada nos animais, então…hum.. até daqui a pouco.” Spike, Rarity e Twilight foram os únicos que sobraram agora.

Rarity quebrou o silêncio e disse, “Bem, pelo menos alguns de nós sabe ficar pelos outros e não sai por aí, ao contrário de alguns…. HUAHAHAHA!”

“Twilight e Spike pularam quando Rarity gritou. “Qual o problema Rarity?” perguntou a unicórnio roxo.

Rarity apontou para um local que tinha um cartaz com os dizeres: DUELOS DE MAGIA – VEJA UNICÓRNIOS SE ENFRENTAREM EM TESTES DE MÁGICAS E HABILIDADES! GRANDES PRÊMIOS PARA OS CAMPEÕES! VOLUNTÁRIOS SÃO BEM VINDOS!

“Twilight, nós devemos tentar essa!” Disse Rarity. “Nós duas somos as melhores unicórnios de Ponyville, portanto, podemos nos enfrentar para ver quem é a melhor.”

Twilight pensou um pouco. “Bem… eu não sei Rarity. Não quero me gabar nem me exibir com minha mágica que nem Trixie.”

“Bobagem querida.” Disse a unicórnio branco. “Não será uma exibição, apenas um pequeno duelo para ver quem é a melhor em mágica. Além do mais, não se lembra do incidente com a ursa menor? Você estava salvando Ponyville e não se exibindo.”

A unicórnio roxo sorriu depois de ouvir isso. “Obrigada Rarity, eu estava apenas nervosa.” Então ela se virou para o dragão. “Spike, Rarity e eu vamos nessa estande. Por que você não vai dar uma olhada por aí e depois nos encontramos no picadeiro?”

Spike apenas olhou para o chão e acenou desanimado. Twilight e Rarity saíram, deixando o dragão sozinho novamente. Spike vagava pelo circo sem rumo, não se importando para onde estava indo. Ele queria estar junto das outras pôneis, mas a cena de ontem acabou se repetindo. Ele observava outros pôneis conversando e rindo, deixando ele aborrecido. O jovem dragão apertou o passo, procurando algum lugar calmo para ficar sozinho. Ele continuava andando como se estivesse em transe.

“EI! Esta área é apenas para os funcionários do circo!” uma voz gritou.

Spike saiu de seu transe, e percebeu que estava dentro de uma barraca. A tenda tinha paredes listradas em vermelho e branco, uma cama bagunçada com edredom azul sobre ela, e vários smokings preto pendurados em uma cômoda. Ao lado da cômoda havia uma mesa com vários tipos de maquiagens e um espelho. Então ele viu um garanhão que era tão alto quanto Big Macintosh, mas um pouco menos volumoso do que ele, passando pela aba levantada da entrada da tenda. O garanhão era um pônei terrestre, e estava vestido com um dos smokings pretos. Ele tinha uma pele na cor verde floresta com uma crina e cauda pretos encaracolados, olhos amarelos e uma marca especial que parecia uma tenda de circo muito semelhante àquela ilustração do folheto.

“Quem é você, e o que está fazendo aqui?” Perguntou o pônei em um tom sério, porém suave.

Spike se sentiu intimidado pelo grande pônei na frente dele. “Eu… eu sou Spike.” Respondeu nervoso. “Estava apenas..huh…passeando pelos arredores do circo e acabei não percebendo para onde estava indo. Desculpe… vou sair agora.”

Spike se virou para sair, mas sentiu um casco encostar em seu ombro. Ele olhou para cima e viu o pônei lhe dar um sorriso caloroso e amigável. “Eu te desculpo.” Ele disse com uma voz suave. “Não queria te assustar, e você parecia muito distraído quando entrou na tenda. Estaria com algum problema?”

“Posso… posso saber seu nome primeiro?” Perguntou Spike, parecendo estar um pouco mais calmo.

“Oh, onde estão meus modos! Meu nome é Marik, o mestre de cerimônia deste circo. E então, qual o problema?”

Spike olhou nervosamente e viu o mesmo sorriso acolhedor nos olhos de quem parecia se importar com ele. O pônei não poderia ajudar, mas o dragão confiou nele e decidiu contar como estava se sentindo nesses últimos dias. Ele explicou como se sentia abandonado por Twilight e os outros, que estava sempre trabalhando, sozinho, sem que ninguém aparentasse se preocupar com ele. Quando terminou, viu que Marik expressou uma mistura de choque e tristeza em seu rosto.

“Lamento saber disso, pequeno dragão. Parece terrível e cruel. Sei como é se sentir abandonado e sozinho, eu superei isso fazendo amizade com os artistas deste circo que costumavam ser solitários também. No entanto, acho que sei o que fazer para te ajudar.”

“O… o que?”

Marik trotou para outra tenda com um cartaz sobre ela com os dizeres ”Área de desempenho” e acenou com um casco.  “Você gostaria de conhecer meus amigos? Tenho certeza que eles adorariam conhecê-lo.”

“Você… você acha isso?” Perguntou o dragão. Marik sorriu e acenou. Spike retribuiu o sorriso com entusiasmo, e seguiu o pônei até a outra tenda.”