O mais dedicado e esforçado

Edital

Fonte: cdn-img.fimfiction.net

SINOPSE: A Escola da Princesa Celestia para Unicórnios Superdotados é famosa em toda a Equestria como um centro de excelência acadêmica. Apenas aos mais dedicados unicórnios são oferecidas vagas, selecionados por seu mérito acadêmico, habilidades mágicas e paixão pelo estudo. Para tornar o processo de admissão o mais justo e confiável possível, todos os candidatos recebem três exames avaliados por diferentes bancas de examinadores, que então se reúnem em particular para decidirem quais os candidatos que mais merecem uma vaga.

Autor: Pineta

***

“Posso ter a atenção dos senhores?” Perguntava a professora Crystal Clear, presidente do Conselho de Examinadores da Universidade de Equestria. “O cronograma para a rodada final de testes de admissão já está publicado no edital. Por favor, anotem o horário e o número da sala em que farão suas provas e certifiquem-se de estarem na sala de aula com cinco minutos de antecedência. Gostaríamos de lembrar aos pais que, embora vocês possam estar presentes durante o exame de seus filhos, devem permanecer em silêncio durante todo o teste.”

A professora estava na frente de uma multidão de pôneis no chão azulejado da universidade. Era o dia do vestibular, uma data importante no calendário acadêmico, quando todos os jovens e esperançosos pôneis que haviam passado na prova escrita de magia teórica foram classificados para a banca de examinadores que avaliariam suas habilidades práticas de magia e decidiriam a quem deveria ser ofertada uma vaga. A entrada da universidade estava agora cheia de pôneis nervosos, acompanhados por seus pais igualmente nervosos.

Após o breve discurso, a professora virava-se para sair, levitando sua prancheta com anotações diante dela. Mas ela não conseguia ir muito longe antes de ser parada por uma pônei verde clara com uma crina bem esbelta, usando um vestido sob medida.

“Professora! Quando vai sair o resultado da minha filha?”

“Divulgaremos a lista de aprovados semana que vem. Depois de termos avaliado todos os candidatos, os professores se reunirão para analisar os desempenhos dos alunos em todos os exames práticos, bem como no resultado da prova escrita, antes de publicarmos o resultado final.”

Era a política da escola que cada candidato recebesse três exames por diferentes bancas de examinadores profissionais para ajudar a tornar o processo seletivo o mais justo possível.

“Certo, e você vai classificar minha filha para capitã de sua equipe de esportes mágicos e ela receberá o prêmio Gold Prince Blueblood e…”

“Calma, o painel considerará todas as informações relevantes para julgar a aptidão de cada candidato para estudos mágicos avançados.”

Antes que a pônei pudesse fazer mais perguntas, a professora se afastava em direção à sala de professores da escola com uma expressão severa, sem prestar atenção em todos os pôneis que a olhavam. Ela chegava à porta e desaparecia nesse refúgio particular. Os pais e os filhos ficavam em silêncio por um momento antes que a multidão se dividisse em pequenos grupos.

“Sei que estraguei tudo no último teste,” dizia uma pequena pônei roxa em lágrimas com uma crina rosa, roxo e indigo. “Nunca pensei que eles me pediriam para fazer uma metamorfose de quatro dimensões. Cadence nunca disse nada sobre isso. E quando perguntaram sobre as interações fundamentais entre a magia dos unicórnios e os espíritos terrestres, eu só conseguia pensar em cinco… eu deveria saber que existem mais… e…”

“Twilight,” dizia a mãe. “Você foi capaz de fazer tudo o que eles pediram. Tenho certeza que se saiu muito bem.”

“Mas não fiz tudo corretamente,” Respondia Twilight enquanto lia as pontuações do teste em um pergaminho levitando em torno de sua cabeça com uma aura rosa. “E o próximo teste é o último, onde eles me perguntarão algo realmente difícil. Eu tenho que acertar. Preciso ler um pouco mais sobre os limites práticos dos encantamentos infinitos.”

Ela levitava um livro de sua mochila e começava a folhear as páginas.

“Twilight,” dizia a mãe. “Há uma lanchonete adorável do outro lado da rua. Temos meia hora antes do seu exame final. Vamos lá tomar um sorvete?”

“Não posso. Tenho que aprender isso agora.”

“Você não pode aprender muita coisa em trinta minutos filha.” Dizia seu pai. “É melhor tentar relaxar.” Com a autoridade dos pais, os dois pôneis adultos levavam a pequena Twilight para fora dos portões da universidade.

Do outro lado da faculdade, uma jovem unicórnio cor de marfim com a crina rosada e encaracolada soluçava incontrolavelmente enquanto seus pais tentavam consolá-la. “Eu não pude fazer nada, eles… eles me pediram para formar um octaedro usando uns gravetos, mas eu não conseguia lembrar o que era um octaedro! Fiquei nervosa e deu branco! Então eles só perguntaram se eu poderia pelo menos levitar os gravetos, e eu deveria ter sido capaz de fazer algo simples assim, mas eu congelei de nervosa e eles não saíram do chão!!”

“Está tudo bem Twinkle,” dizia sua mãe. “Não é o fim do mundo se você não conseguir uma vaga. Existem muitas outras boas universidades ou então você pode tentar de novo o ano que vem.”

“M-mas não posso esperar mais um ano e realmente quero estudar nessa. É a melhor, e tenho certeza que vou fazer amigos aqui, que gostam de estudar tanto quanto eu.”

Enquanto isso, no centro da sala, uma pônei azul e verde com uma crina loira confiantemente girava uma bolinha oval na ponta do chifre.

Superei totalmente aquele teste. Com certeza eles vão me oferecer uma vaga, afinal eles vão querer uma profissional como eu no time de levibol da escola.”

Ela disparava a bola contra a parede usando uma levitação de alta potência, então a parava no ar quando a bola rebatia de volta.

“Ei você, pegue!” Ela jogava a bola para Twinkle, que congelava, olhando para o projétil que se chocava contra seu rosto. Ela se desfazia em lágrimas. O pai de Twinkle lhe dava um abraço reconfortante enquanto sua mãe focava com um olhar gelado contra a agressora, mas decidiu, com certa resistência, não criar confusão.

“Você certamente deve receber uma oferta Sapphire Scrum,” dizia sua mãe. “Ainda mais depois de todas as aulas particulares que pagamos.”

“Mas não posso aceitar,” acrescentava a filha, levitando a bola novamente. “Parece uma escola secundária. Acho que nem quero estudar aqui.”

“Você vai aceitar a oferta sim senhora!” insistia a mãe. “Mesmo que você não esteja interessada em estudar, ser aluna da escola da Princesa Celestia abrirá muitas portas pra você.”

Dentro da sala dos professores, a professora Crystal Clear bocejava. Tinha sido um longo dia, e eles ainda tinham um conjunto final de candidatos para avaliar antes de irem jantar. Ainda assim, lembrava a si mesma que o esforço valia a pena. O trabalho de ensinar era muito mais fácil se você escolhesse os alunos certos para isso.

Infelizmente, nenhum processo seletivo era perfeito, e os professores estavam cientes de que todos os anos cometiam erros. Pôneis brilhantes iriam falhar sob pressão e nervosismo e perderiam uma vaga. E pior, às vezes eles admitiam terem aprovado equivocadamente candidatos que não estavam preparados, o que tornava uma dor real na hora de dar aula. O corpo docente não se esqueceu das consequências de aprovarem a senhorita Trixie há alguns anos. Daí o sistema de três exames, que tornou o vestibular o mais confiável possível no tempo restrito.

Eles tinham um intervalo de quinze minutos antes de voltarem aos exames. A professora sentava-se em suas almofadas de pelúcia, servia-se de uma xícara de chá de um grande bule azul e branco, acrescentava uma gota de limão e tirava alguns biscoitos de um prato. Ao redor dela, a equipe estava comparando notas. A essa altura do dia, ficava claro quem eram os favoritos para preencherem as primeiras vagas, mas os candidatos que iriam ficar com os últimos lugares ainda era incerto.

Seu colega, o professor Arpeggio estava lendo as notas de outro membro do conselho de exame. “Você deu nota dez para essa aluna! Sério? Não acha que foi generoso demais?” Ele perguntava.

“Fui bem criterioso, não teria dado essa nota se ela não merecesse. Aliás, vejo que você não não teve a mesma opinião com a candidata Miss Scrum,” O professor Nota Baixa respondia.

“Você deu a ela nota quatro, isso parece generoso?”

“Sim, ela estava bem em levitação, mas não conseguia soletrar seu próprio nome, quanto mais lançar qualquer encantamento sério. Ficou claro, depois de cinco minutos, que ela não tinha aptidão para a vaga. ”

“O que ela conseguiu na prova escrita?”

“Setenta e um. Mas isso não é uma surpresa. Ela foi para a escola preparatória, onde resolveu os testes de todos os vestibulares anteriores nos últimos cinco anos.”

Crystal Clear olhava para as anotações do professor Nota Baixa e as lia. “Você só deu à Senhorita Twinkle Twirl um três, por que?” Ela perguntava.

“Nós não conseguimos tirar nada dela. Ela começou a chorar depois de alguns minutos e não conseguiu fazer mais nada.”

“Nossa, ela provavelmente só estava nervosa! Os professores Art Liberal e Cap Square gostaram dela. Lhe deram uma nota sete.”

O professor idoso em outra mesa, ao ouvir seu nome, dizia: “Sim, ela nos mostrou uma bela demonstração de encanto de manipulação das luzes prismáticas. O conjunto de cores ficaram quase perfeitos. Vai ser uma pena se uma das vagas não for dela.”

“Mas de quanto foi a taxa de luzes que ela conseguiu filtrar no prisma de cristal?” Perguntava o professor Logic.

“Setenta e oito por cento, incluindo o infravermelho de onda longa que possui propriedades medicinais, nada mal,” Respondia Arpeggio. “Vamos ver as notas que os professores Rhetoric a Apple Polish darão a dela. Eu diria que ela ainda tem boas chances.”

A professora Clear empurrava os óculos mais para cima do focinho e tomava um gole de chá. “Algo mais que precisamos discutir? Alguma outra grande discrepância nas pontuações?”

Todos os unicórnios levitavam os papéis no ar à frente deles e examinavam as tabelas de pontuações.

“Eu vejo que você deu ao Sr. Sky Blue um cinco,” dizia Liberal Art. “Nós também achamos ele um pouco sem brilho. Apesar de toda a sua conversa entusiasmada sobre ser inspirado a estudar magia depois de ver a Princesa Celestia levantar o sol, não é o que todos dizem? Ele teve dificuldades para realizar a levitação mais básica, o que deixou bem claro a falta de estudo. Acho que podemos dispensá-lo. A classificação dos outros é bastante clara agora.”

“Precisamos falar sobre Twilight Sparkle,” dizia a professora Square Cap.

“Senhorita Sparkle?” Perguntava Crystal Clear. “O que há para discutir? Ela gabaritou. Ela tirou a nota máxima na prova escrita, e nenhum pônei conseguiu gabaritar desde a Sunset Shimmer. Nós dissemos ontem que com uma pontuação dessas ela teria que transformar o examinador em um vaso de plantas ou qualquer outro objeto para conseguir uma vaga. E, vejamos, foi você que deu nota dez a ela, não foi?”

“Não foi isso que quiz dizer. O problema é que com uma pontuação dessas, não tem como dar a ela exercícios padrões no teste final. Ela resolveu todos eles no primeiro exame.”

“Todos os testes? Até a trasmutação de pedras?”

“Ela transmutou todas antes de terminarmos de fazer a pergunta,” disse Square Cap.

“E a magia para criar uma ilusão?”

“Ela criou uma imagem em tamanho real de Starswirl no ar bem na nossa frente. Em cores, com todos os detalhes. Ela até acertou a barba.”

A professora Clear respirava fundo. A maioria dos novos alunos mal conseguia produzir uma aparência de uma forma simples.

“Temos exercícios reserva, não temos?” A professora Rhetoric falava.

“Usamos todos na metade do segundo exame. E ainda tivemos que pesquisar em nossas anotações antigas para encontrar algum exercício do ano passado que não tivesse sido reutilizado. Depois disso, tivemos que improvisar. Olhei ao redor da sala procurando por idéias e meus olhos caíram na porta da sala, então perguntei a ela como seria possível quebrar uma fechadura mágica. Em dois minutos ela decifrou o feitiço de criptografia e nos deu uma lista de sugestões sobre possíveis melhorias na segurança da escola.”

Os professores olhavam para a porta com um olhar preocupado. Poderia um candidato ter se infiltrado na sala dos professores?

“E devo dizer que ela também foi extremamente educada, modesta quanto às suas habilidades e, ao mesmo tempo, uma pequena e doce unicornio.”

“Mas o que vamos fazer então?” Perguntava Arpeggio. “Não temos tempo para pensar em novos exercícios.”

“Nós poderíamos simplesmente dizer a ela que ganhou uma vaga e não precisa do terceiro teste.” Sugeria o professor Lógic Empíric.

“Não podemos fazer isso. Seria injusto com os outros candidatos e nada profissional.” Respondia Crystal Clear.

“Bem, então, precisamos apenas definir algo muito difícil para ela,” disse Arpeggio.

“É isso que estamos tentando fazer!” respondiam os outros professores ao mesmo tempo. “Ela dá respostas perfeitas para tudo.” Acrescentava Apple Polish.

O professor Logic ponderava o problema. “Talvez pudéssemos perguntar a ela que pergunta ela faria a si mesma em um exame.”

Crystal Clear apontava a falha nessa ideia. “Ela pode pensar em algo que não podemos fazer ou responder.” Logic arregalava os olhos.

“E se nós darmos um teste impossível de resolver? Diga a ela para levantar a lua, ou prever o futuro ou se transformar em um alicórnio ou algo assim.”

“Vamos chamar ela de boba então? Ela saberia que é impossível…” dizia Arpeggio. “Prefiro não ver outra criança chorando hoje. Tem que ser algo que ela não sabe que é impossível.”

“Já sei!”

A professora Apple Polish virava a cabeça e focava sua magia em um armário no final da sala, que continha uma seleção de curiosidades ornamentais. Ela levitava um grande objeto oval, coberto de manchas roxas, até a mesa de café. Era um ovo de dragão antigo recuperado de uma escavação arqueológica alguns anos antes.

“Qual é a jogada? Ela tem que adivinhar o que é isso?” Perguntava Lógic Empíric.

“Eu pensei que poderíamos pedir a ela para chocá-lo.”

Todos os professores começavam a rir.

“Isso é perfeito,” dizia a professora Clear. “Ela não vai saber quantos anos tem. Vai tentar chocá-lo usando feitiços para ovos de pássaros, ou talvez um encantamento por fratura de energia, ou quem sabe o que mais? Será bem interessante ver o que ela vai tentar fazer. Eu acho que é até mesmo possível teoricamente chocá-lo, não muito provavelmente dada a idade, mas não há como um único pônei conseguir gerar energia mágica suficiente para chocá-lo. Isso é brilhante.”

Ela limpava um carrinho de chá com xícaras e pratos e colocava o ovo no centro. Enquanto isso, Apple Polish pegava um pedaço de papel e giz de cera e desenhava um esboço simples para mostrar um pequeno dragão dentro de um ovo quebrado. Ela colocava a ilustração na lateral do carrinho.

“Tudo bem, tudo bem,” dizia ela, ajeitando os cascos, arrumando os óculos e colocando folhas de sulfite novas na prancheta. “Lembrem-se, profissionalismo. Não podemos mostrar à Senhorita Sparkle qualquer sinal de nossa decisão ou o que esperamos dela.”

Adotando seus semblantes mais profissionais, os quatro examinadores caminhavam em direção à porta. Crystal Clear dirigia-se ao porteiro da escola. “Dê-nos alguns minutos para nos prepararmos e depois trazer o carrinho com o ovo, aí pode chamá-la para o teste.”

O porteiro assentia.

“Vamos conhecer a senhorita Sparkle.”

Eles saíam pela porta da sala dos professores com o olhar passivo e determinado de examinadores profissionais. Mas a professora Clear permitia-se um pequeno sorriso. “Essa aluna sim vai ser divertida de dar aulas.”

Os outros professores acenavam a cabeça. “Dá gosto ministrar aulas para um aluno assim.”

“Então, como vamos decidir quem será seu tutor pessoal?”

Anúncios